Categories: Café da Tarde/ Publieditoriais/ Reflexões

Caminhos que a maternidade nos leva a trilhar

winding_road_5

Quando o blog foi criado, há pouco mais de três anos atrás, eu estava em licença maternidade e totalmente mergulhada no mundo materno. Achei que mantê-lo seria uma boa válvula de escape e, também, uma forma de voltar a escrever, algo que sempre gostei muito.

Antes da minha licença terminar, recebi a notícia de que a empresa onde eu trabalhava há quase dez anos, iria fechar. Ou seja, em alguns dias, eu seria uma pessoa desempregada. Confesso que foi um baque tremendo. Tanto pelo tempo em que eu estava lá quanto pelo impacto financeiro que aquilo poderia causar no nosso orçamento familiar.

Depois de muita conversa, decidimos então, eu e meu marido, que eu não voltaria a trabalhar fora naquele ano, que ficaria exclusivamente cuidando da Mel e da casa. No ano seguinte, então, eu retornaria ao mercado de trabalho, se quisesse.

No início não senti muita diferença porque, afinal, era tudo muito novo para mim: ser mãe e ficar em casa depois de tantos anos trabalhando fora.

Conforme o tempo foi passando e Melanie foi crescendo, fui tomando gosto por essa coisa de dona de casa moderna, principalmente por estar ao lado dela e poder vê-la crescer de perto. Fora que era bom não ter horário para acordar, não ter que encarar o trânsito naqueles horários infernais nem precisar dar satisfações ou prestar contas a ninguém.

Por outro lado, eu sentia muita falta do mundo dos adultos, das responsabilidades, de estar trabalhando em projetos importantes e também, da independência financeira que eu tinha. Esse ponto foi resolvido rapidamente, já que aqui em casa nunca tivemos aquilo de “o seu é seu e o meu é meu”. Nisso sempre fomos muito parceiros, então, tudo é nosso. Porém, aquela lacuna dentro de mim continuava latente: eu precisava liderar algo, precisava da minha relevância e de ter minha voz ouvida novamente.

Nesse meio tempo, o blog foi crescendo, abrangendo novos conteúdos e se tornando uma parte cada vez maior da minha vida. Sendo assim, no final de 2011 eu já dedicava a ele muitas horas dos meus dias e das minhas noites, acordava e ia dormir pensando em novos posts e em projetos que queria realizar por aqui. Eu estava trabalhando pra valer, ainda que sem uma remuneração de fato. Felizmente, isso viria a mudar rapidamente e de uma forma que nem eu mesma esperava.

Muita coisa aconteceu nesse intervalo de tempo e prometo falar mais a respeito disso logo, logo. Por agora, basta dizer que gosto de olhar para o passado – não tão distante assim – e ver que tudo aconteceu de uma forma muito natural e até não planejada. É muito reconfortante para mim ver essa evolução de algo que surgiu sem grandes pretensões, como um hobby, e acabou se tornando grande parte da minha vida. Acabou se tornando meu trabalho.

Isso tudo me fez pensar nos caminhos que a maternidade nos faz percorrer. Justamente ela – que muda tanto a vida da gente, que deixa nossa rotina e nosso próprio eu de cabeça para baixo – às vezes ajuda a nos reencontrarmos com nós mesmas, a reencontrar nossa missão e nosso propósito na vida.

Apesar de tão difícil, e, por vezes avassaladora, a maternidade (e a vida!) tem isso de bom: as possibilidades.

Possibilidades de amar, de ser amado, de crescer, de errar e acertar, de aprender, de conhecer novas coisas e pessoas, de mudar de ideia e até de caminhos, se for o caso. Acho que por isso tudo que a gente sente que vale tanto a pena, não é?

Para continuarmos esse bate papo, gostaria de convidar vocês a conhecerem o grupo do Facebook Minha Vida Anda, uma iniciativa dos Calçados Bibi. No dia 13 de novembro estarei por lá para trocar ideias e experiências. Então, prepare sua xícara de chá ou café e vamos falar sobre o que faz nossa vida andar.

Publipost-Vida-Materna-Identificação

comentários via facebook

3 comments

  1. Sempre bom ler seus textos, com certeza muitas mulheres se identificam com as situações e sentimentos! Isso só tem a acrescentar pra nós que vivemos nesse mundo de erros x acertos, sonhos x necessidades. Obrigada por compartilhar!

  2. Michelle, acompanho seu blog a uns 4 anos, desde quando era tudo sobre fraldas! Sempre admirei seu trabalho, e acredite o blog muitas vezes foi a “palavra final” na comprar do enxoval do meu filho!
    Porque não um canal no YouTube, falando sobre assuntos de maternidade e o cotidiano com os filhotes!?
    Por favorrrrrr!!! Seria tudo de bom!?
    Um grande beijo

deixe seu comentário!