19 mar 2012

Sobre publicidade na programação infantil

imagem iheartvector.com

 

Ontem me deparei com esse manifesto e assistindo ao vídeo, consolidei ainda mais a minha postura anti TV aberta ou por assinatura. Sim, porque por mais que você coloque em um canal direcionado especialmente para o público infantil (canais como Discovery Kids, Cartoon, Nickelodeon) não há como evitar a publicidade massiva que invadiu as grades de programação.

Então o negócio é selecionar o que seu filho assistirá ou não, seja na TV ou em DVD. Afinal, você é responsável pelo que entra na sua casa.

Eu não sou radical e 100% contra a tv como sei que muitas mães e pais são. Respeito suas opiniões, mas a minha é de que, quando usados com bom senso, os vídeos podem ser uma opção bacana de entretenimento e também de aprendizado para os pequenos no dia a dia. O que a Melanie realmente gosta e fica feliz em assistir, aquele programa que ensina coisas legais, esse ela pode assistir. E eu assisto junto.

Coisas desnecessárias

Depois de me cansar da tonelada de publicidade infantil nos canais abertos – e isso já faz tempo – o que fiz por aqui foi restringir ao máximo a tv e só colocar vídeos selecionados e em horários específicos. E eu sempre assisto aos DVDs antes de colocar pra Mel.

Lembro que um dia fiz uma compra numa loja de brinquedos aqui de Curitiba e de brinde, ganhei um DVD da Polly – aquela bonequinha que a maioria das meninas conhece. Aquele não era um DVD para uma criança menor de 3 ou 4 anos assistir (ou talvez mais até!), mas mesmo assim eu resolvi ver do que se tratava. Até por causa do blog também.

Logo no início do desenho, uma das amigas da turminha da Polly chega na praia e fala para algo ou alguém (não me lembro agora): “sai daqui seu asqueroso!”. Pronto. Parei por aí, tirei o DVD e fim. Sei que estamos longe de viver num mundo ideal, mas p****, que palavra horrível de se ensinar tão cedo à uma criança! Mesmo que eu saiba que um dia ela provavelmente irá xingar muito no twitter, deixa isso pra depois poxa. É desnecessário.

O mesmo vale para aquele tal de Patati Patatá (ME-DO). Me disseram que lá, chamar o outro de boboca, bobão e dar risada da desgraçada alheia é lugar comum. Então, não obrigada. Fora que tem algo mais assustador que palhaço? Circo é bacana e tal, mas palhaço é assustador (eu morria de medo do Bozo e tenho certeza que você também).

Selecionando o conteúdo

A Melanie ama dançar, então os programas preferidos dela são Hi-5 Austrália e Backyardigans, que tem músicas animadas, coreografias e ritmos diferentes. Ambos os programas passam no DK, mas também estão disponíveis em DVD. O que fiz então foi comprar alguns e intercalalar com outros programas que ela gosta também, como os da Palavra Cantada, Doki e outros musicais, como o Música de Brinquedo do Pato Fu.

Eu gosto de alguns programas do Discovery Kids que ainda não estão disponíveis em DVD, como Gaspard & Lisa, O Pequeno Príncipe e Artzooka, por exemplo. Eu amo Gaspard & Lisa (paris, cachorrinhos, croissant… own), então sempre assistimos aos sábados ou domingos, às 18hs. Wordworld e Peixonauta eu acho bacana também, mas assistimos raramente hoje em dia.

Voltando ao assunto do manifesto. É incrível como vamos deixando de perceber essas artimanhas que a publicidade usa para atingir o público infantil. Dos bichinhos, das vozes amigas e afins. Muita coisa é simplesmente imposta, tipo “bacana é quem tem esse brinquedo, ou esse calçado, etc”. E isso que eu ainda tenho uma filha pequena. Fico imaginando as mães e pais que tem filhos que já dizem “eu quero aquele brinquedo!”, totalmente influenciados pela TV e não por um desejo genuíno.

Sobre as meninas sendo maquiadas e influenciadas a se maquiarem e se vestirem como moças desde tão pequenininhas (alow pequenas misses), prefiro nem começar a falar. Já basta a discussão em que me meti esses dias no salão ao ver a mãe levando a filha de TRÊS anos pra fazer pé e mão. E quando digo fazer pé e mão, é tirar cutícula (o que não é nem um pouco aconselhável) e pintar as unhas de vermelho, preto, pink. Infância pra que né gente?

Eu ficaria aqui divagando sobre o assunto por horas, mas o recado é para que você assista o vídeo, divulgue, apoie o manifesto. Acho muito válido.

 E aí na sua casa? Como é a relação TV x crianças? E seus programas preferidos? Conte pra gente! :-)

18 comentários no blog

  1. rosane em

    Lá em casa também odeio televisão, principalmente por essas propagandas e esses besteirol que são a maioria desses programas, além do que as crianças não querem mais brincar, ficam hipnotizados em frente a tv.

    Responder
    1. Michelle Amorim respondeu rosane em

      Oi Rosane!

      O negócio é saber dosar e filtrar o que eles assistem. Enquanto eles não tiverem o discernimento necessário =)

      Responder
  2. Babs em

    Muito bom o post! Também acho o fim esses programas infantis que incentivam palavras q a gente toma o maior susto quando vê! Fala-se muito de bullying mas esquecem que a Turma da Mônica por exemplo, é o o próprio! Sempre adorei quando era nova, mas acho um absurdo! Também seleciono as coisas q minha filha vê, e ela vai fazer um aninho ainda. Ela adora Gaspard e Lisa e Pequeno Príncipe também, alem de Super Why, q é o preferido dela. O DK ainda tem uma programação muito boa, diferente do Cartoon, que tem desenhos que incentivam o consumo e chegam a ter coisas ofensivas.

    Responder
    1. Michelle Amorim respondeu Babs em

      Olá Babs!

      A Melanie também gosta de Super Why e eu acho bacana por ensinar palavras em inglês. Acho que tudo que ensina coisas boas e úteis, são bem vindas! =)

      Bjo

      Responder
  3. Babs em

    Ah! Por enquanto ainda temos esse controle, mas para evitar desapontamentos futuros, devemos dar boas instruções.

    Responder
  4. Camila Silva em

    Bom, aqui em casa não assistimos televisão. Eu e o Edu abandonamos a televisão aberta fazem anos e a tv paga assistimos MUITO pouco. Não chega a 1 hora por dia. Sendo assim, Olívia não tem o exemplo de assistir televisão e talvez esse seja um dos motivos do desinteresse dela pela televisão!
    Ela assiste apenas DVD’s e mesmo assim são muito poucos: palavra cantada e Hi-5 americano. Tentei 1 de clipes musicas do Toquinho, mas ela nem quis saber!
    Acho muito importante selecionarmos o que mostramos para nossos filhos!

    Responder
    1. Michelle Amorim respondeu Camila Silva em

      Um dia coloquei pra Mel no youtube o Hi-5 com o elenco anterior e achei eles muito bobos, hahahahaha

      Responder
      1. Camila respondeu Michelle Amorim em

        Os Hi-5 todos são bobos! Em português então! Tem um capítulo lá que o personagem mexe com terra e se chama Terranildo!

        Responder
  5. Michelle em

    Concordo com o post. Por vezes assisto com minha filha o TV Ra Tim Bum da TV Cultura, é nacional e muitas das atrações são as mesmas que eu via quando era pequena. Uma das coisas que mais prezo nesse canal é exatamente não ter comerciais, as chamadas entre os programas são exatamente sobre o próprio canal.

    Responder
    1. Michelle Amorim respondeu Michelle em

      Oi Michelle! Isso é bacana, de não ter comerciais. Eu tbm assistia Castelo Ra Tim Bum quando pequena =)

      Responder
  6. Cris em

    Também me preocupo muito com o excesso de propaganda para as crianças, tanto que minha filha praticamente não assiste tv. Temos tv a cabo com Discovery Kids e etc, mas nunca coloco. Com 2a2m, ela agora já se interessa bastante e consegue ficar entretida por um bom tempo, por isso só libero dvds – ela está numa fase Palavra Cantada e Turma da Mônica. Também filtro o que eu não gosto (Backyardigans, por exemplo… não suporto aquela musiquinha!), e enquanto eu puder controlar vai ser assim. Tenho absoluta convicção que é nosso dever como pais fazer esse filtro e preservar ao máximo a infância das nossas crianças, apesar do ambiente “hostil”.
    Muito bom esse post e super pertinente essa discussão. Adorei o novo layout do site!

    Responder
    1. Michelle Amorim respondeu Cris em

      Olá Cris!

      Eu também não gostava dos Backyardigans, mas depois de perceber que a Melanie realmente gosta, comecei a simpatizar com eles. Nossos preferidos são a Tasha e o Tyrone, rs =)

      Sobre preservar a infância, acho importantíssimo que as pessoas de conscientizem disso. É a melhor época da nossa vida! Eu brinquei de boneca até os 12 anos!!! Imagina se isso acontece hoje em dia? As meninas de 12 anos já vão pra baladinha e levam namorado em casa! Acho tudo muito precoce nos dias de hoje.

      Bjo e que bom que você gostou do novo blog =)

      Responder
  7. Muriel em

    Achei o seu post muito legal, não conhecia o manifesto e já fiz minha assinatura. Ano passado a escolinha que o Guga estava mandou um DVD pra os pais assistirem sobre a publicidade ruim da tv. Havia uma pesquisa que faziam com crianças e jovens e perguntavam a eles nomes de alimentos e frutas. Acredite ou não: eles não sabiam. Depois eles colocaram logos como da coca-cola, empresas de telefonia, salgadinhos e etc e todos acertaram. O Guga estava bem condicionado com a mídia, mas depois desse chacoalhão, eu e meu marido podamos várias coisas. A televisão principalmente. Ele assiste bastante o DK e coloco DVD de desenhos e filmes como vcs. As coleguinhas de sala do Guga parecem mini-mulheres. Todas com unhas pintadas e tal. Sei lá, minha infância foi bem diferente. Como mãe quero o melhor para meus meninos. É o que estou fazendo…
    Bjos

    Responder
  8. Thalita em

    Eu vi o vídeo através desse post. E esse consumismo exacerbado é terrível a nós adultos conscientes. Pensei dois pontos que quero comentar.

    Ao ver as crianças não reconhecerem legumes e frutas, mas acertar todos os pacotes de salgadinho lembrei de um programa que Jamie Oliver fez ao perceber como era ruim a “merenda” das escolas e a alimentação das crianças inglesas: “Jamie Oliver e a Revolução da Comida”. e vamos combinar, cada um pode ter gostos pessoais quanto aos sabores de certos tipos de frutas e legumes, mas é horrível ver crianças estamparem essa negação ao ponto de nem saber o que é aquilo.

    Ponto dois, uma coisa que acho ridícula é a definição de gêneros que a publicidade impõem. O vídeo mostra bem isso.
    Na seção de vestuário, a menina, se quiser comprar meias, tem como opção as “meias da Barbie para você ficar
    quentinha, confortável e super fashion!”. Já os
    meninos usarão as meias Hot Wheels, que servem “para praticar esportes super radicais, aquecer e
    proteger seus pés”. Os publicitários supõem serem os pés dos meninos mais ativos e que precisam de maior proteção contra o impacto de seus movimentos. Já os pés das meninas devem ficar quentinhos,quietinhos e confortáveis, debaixo das cobertas, ou serem exibidos para as amigas com a meia da moda Barbie.

    Ignora- se a possibilidade da menina praticar esportes radicais e do menino ficar debaixo das cobertas ouvindo historias dos pais antes de dormir.

    Chega a ser cruel.

    Responder
  9. Thalita em

    Agora uma coisa que não concordo é refletir nossas preferências e medos aos nossos filhos.

    Desculpa, mas não concordo com você de que palhaços são assustadores. Eu tinha um boneco do Bozo, tive animadores vestidos de palhaços nas minhas festinhas de aniversários, abracei o Ronald Mcdonald no McDia Feliz várias vezes e sempre tive atividades na escola que envolviam palhacinhos.
    E como pedagoga, vejo que as crianças gostam, sim, de palhaços. Também enquanto voluntária, não vejo nada melhor às crianças do que as visitas dos Hospitalhaços às áreas de internação infantil.
    Porém,te compreendo, também. O medo de palhaço não é algo incomum, mas é uma psicopatologia: coulrofobia.

    Acredito que enquanto mãe, tentamos fazer de nossos filhos pessoas melhores do que nós no mundo. Portanto, te aconselho a não passar a sua filha essa versão negativa que você tem dos palhaços. Deixe ela experimentar vivências com eles e ela decidir se gosta ou não. Além do mais, se ela frequentar escola ela vai falar muito do Patati Patatá, porque são a febre do momento das crianças em educação infantil.

    Responder
    1. Michelle Amorim respondeu Thalita em

      Olá Thalita!

      A palavra “medo” usada no post não foi no sentido literal, mas apenas uma pitada de humor para ilustrar um tema do qual eu realmente não gosto muito. E para muitas pessoas palhaços são meio assustadores sim (vide filmes como IT – Uma obra prima do medo entre outros). Eu não tenho meeeeedo de palhaços, nem Coulrofobia. Só não gosto. E eu também tive festinhas com palhaços, fui ao circo e ri litros com as estripulias deles e afins. Mas não é uma coisa que me apetece!

      Admiro muito o trabalho voluntariado, seja ele de pessoas vestidas de palhaços, com animais, teatrinhos, do que quer que seja.

      A minha questão era – e é – o que colocamos, o que escolhemos para nossos filhos assistirem na tv. Como eu não gosto muito de palhaços, dificilmente irei comprar, por livre e espontânea vontade, alguma coisa relacionada ao gênero. MAS se ela estiver na casa de um amiguinho, numa festinha, e tiver palhaços ou DVD de palhaços, não vou tirá-la da frente deles, entende? Nunca vou impor uma vontade minha à frente da dela.

      E nunca falaria pra ela que algo é do mal, só porque não gosto. É um gosto pessoal meu, não dela. Ainda mais agora que ela ainda não tem esse discernimento.

      Ela será apresentada aos palhaços, se não por mim, por outras pessoas. E aí, caberá a ela decidir se gosta ou não. E eu vou respeitar essa e outras preferências que ela vier a ter.

      Ah, e ai se eu descobrisse que ela ia para a escola para assistir Patati Patatá ou qualquer outro DVD! Afinal, se colocamos um filho pequeno na escolinha, é pelas atividades pedagógicas, lúdicas, pelo contato com outras crianças, pela educação. E não para assistirem DVD’s que poderiam assistir em casa ;-)

      Responder
  10. Thais em

    Concordo com todos aqui, também sou contra o consumo exagerado, e pretendo controlar o que minha filha assistirá na televisão. Assinei o manifesto, muito bacana.

    Responder
  11. Edenira em

    awesome post.

    Responder

Deixe seu comentário!