01 dez 2014

Sobre dar conta e de quando é hora de mudar

“Você tem dois filhos pequenos em idades diferentes, não tem babá ou empregada, cozinha, limpa a casa, cuida de você, do marido (?), escreve no blog, faz as festinhas você mesma… como é que você dá conta???”

Hoje, resolvi contar para vocês como é que eu dou conta. Então lá vai: eu não dou.

Esse post é um daqueles posts desabafo/dando a cara a tapa, sabem? Daqueles que quando termino penso bastante antes de apertar o “publicar”.

Eu poderia começá-lo dizendo que estou cansada, estafada, em meio a um surto psicótico, mas não. Não quero assustar vocês. Mas posso dizer que tamanho cansaço e irritabilidade me lembraram tanto do início das minhas gestações que eu acharia que estou grávida, se eu não estivesse (!).

Eu tento evitar de reclamar por aqui. Acredito que todos nós passamos por fases boas e ruins e principalmente que meus problemas são uvas passas perto do que outras pessoas enfrentam. E isso pode muitas vezes dar uma impressão errada, de que a vida (a minha) é perfeita. Mas não. Ela não é e nem deveria ser. Acho gratificante e edificante enfrentar a tempestade para depois então curtir a bonança. Se é que vocês me entendem.

Mas isso não quer dizer que eu não tenha dias ruins, que meus filhos não chorem ou se comportem mal, que eu não surte, que não brigue com o marido, que não perca as estribeiras. Eu perco. E como. Mostrar as unhas ou a maquiagem feitas, filhos lindos e sorrindo e pratos apetitosos no Instagram, não significa que todo dia seja assim.

Muita gente mesmo me faz essa pergunta, de como é que eu dou conta. Amigas, pessoas conhecidas, vocês, leitoras do blog. Mas a verdade é essa. Eu não dou conta e ainda não conheço alguém que dê. Não desse “dar conta” surreal e idealizado, assim como a maternidade é em muitos casos. Conheço sim gente organizada e dedicada, que consegue levar as coisas em melhor harmonia. Mas são poucos.

O meu “dar conta surreal”, aquele de novela da Globo, seria mais ou menos assim: ter a casa limpa e perfumada, o piso brilhando, a roupa lavada e passada, nada fora do lugar, refeições diversificadas, balanceadas e no horário certo, tempo para lazer, diversão e descanso – com e sem os filhos – unhas e cabelo feitos, noites bem dormidas, filhos sempre limpos, cheirosos e bem vestidos, agenda e compromissos organizados, trabalho e prazos em dia, vida social ativa, bom humor sempre e uma paciência de dar inveja ao pobre do Jó.

Já o meu “dar conta real”, de novela mexicana, seria mais ou menos assim: a casa que fica horas arrumada e muitas outras bagunçada, as milhares de roupas para lavar nos cestos e no chão da lavanderia, as roupas dentro da máquina que você esqueceu de tirar e tem que lavar tudo de novo, a pilha de roupas para passar que já tem um metro, o chão que tem alguns pelos do seu gato e um lambuzado grudento daquele Yakult que seu filho derramou e que você passou um pano de qualquer jeito só para secar, os seus filhos que não tomaram as vitaminas e a homeopatia no horário certo, o almoço que é um macarrão mexidão com alguma coisa ou o que sobrou do dia anterior, vocês que sempre saem atrasados para a escola ou para o médico, você que usou a mesma roupa por três dias seguidos porque não deu tempo de pensar em outra e que usou e abusou do shampoo a seco porque estava muito cansada para lavar os cabelos nos dias anteriores, você que tem mais de trinta e-mails só do último dia esperando resposta na sua caixa de entrada e outros de meses atrás também aguardando, você que sempre está entregando seus textos e trabalhos com atraso, você que por muitas vezes incumbe seu filho mais velho de olhar o menor por um minutinho (sendo que ele está longe de ter maturidade para isso), você que anda com aquele ar de zumbi, com um sono eterno, que solta uns berros, levanta a voz, xinga o mundo baixinho e bate as panelas na pia naqueles momentos de nervoso em que tudo que você queria era pegar um avião e fugir para o Caribe. Porém, nesse dramalhão mexicano, todo mundo (ou quase todo mundo) sai vivo e feliz no final. Ufa.

Brincadeiras a parte, para mim, esse “dar conta de tudo” nada mais é do que estar sempre abdicando, sempre abrindo mão – de algo ou de alguém – e tentar encarar isso numa boa, sem se culpar. Simplesmente porque não há humanidade possível para sermos tantas pessoas em uma só e termos mais do que dois braços e duas mãos.

Eu, por exemplo. Muitas vezes para dar atenção ao meu filho pequeno, tenho que deixar minha filha maior de lado, entretida com um desenho ou muitas vezes choramingando pelos cantos. Para poder brincar com ela, conversar e responder a todas as suas perguntas e questionamentos sobre a vida, preciso fingir que o pequeno não existe por alguns minutos – e são exatamente nesses minutos que ele apronta suas piores artes. Para conseguir cozinhar o jantar, tenho que colocar o menor para assistir Peppa e me desdobrar entre mexer as panelas e continuar encenando aquela peça imaginária junto com minha filha maior. Para conseguir ir ao salão fazer as unhas, tenho que abrir mão desse tempinho com eles e deixá-los com o pai ou com os avós, porque afinal, eu também sou importante – e o mesmo vale para saídas a dois, eu e meu marido. Para conseguir terminar aquele texto que tem que ser publicado ou entregue, preciso ignorar um pouquinho os resmungos do filho menor que acordou e está lá no berço se rolando, ou da mais velha que quer brincar ou do marido que quer namorar ou assistir um filme. Para conseguir fazer eu mesma as festinhas deles, preciso escolher entre dormir e ficar acordada – seja de madrugada ou de manhã cedo. Para conseguir colocar a casa em ordem, preciso deixar de lado os filhos e o que estiver pendente no trabalho, caso contrário o caos e a sujeira acabam tomando conta. Aí à noite, quando penso que conseguirei sentar e escrever, estou com tanto sono que é impossível digitar uma linha sequer e acabo indo para a cama. E o ciclo segue assim.

Percebem que é sempre uma questão de escolha, de priorizar? Então, aí que eu queria chegar.

Hoje, na minha vida, vejo claramente que estão faltando três coisas: definir prioridades, me organizar e, finalmente, agir ao invés de só pensar. Arregaçar as mangas mesmo. Mudar. É de tudo isso que quero correr atrás nesse mês que ainda temos pela frente, antes de 2015 chegar. De nada adianta lamentar se você nem ao menos tenta mudar de caminho, se nunca escolhe a direita ao invés da esquerda. Você até pode ter ajuda de outras pessoas (e eu tenho um pouco, do marido, da diarista que normalmente vem uma vez por semana, dos avós dos pequenos) mas, no final, depende só de você mesmo.

Tem dias em que essa vida tumultuada e essa sensação de falha, de não estar conseguindo me dedicar a tudo e a todos como eu gostaria, me incomoda um bocado. Eu me culpo, eu choro, tenho vontade de desistir de algumas coisas. Já em outros dias eu consigo rir, e, logo após um momento ruim, parar, olhar para os meus filhos e sorrir. Consigo largar tudo, até a mais urgente das urgências, para cheirar, abraçar, beijar, dançar, olhar dentro dos olhos e rolar com eles.

Mas, na grande maioria dos dias, eu sou mesmo é muito agradecida por tudo. Mesmo que às vezes as coisas andem aos trancos e barrancos por aqui, a gente tenta semear e cultivar o amor, acima de tudo. Nossos filhos estão sendo alimentados, educados e muito, muito amados. E eu tenho a sensação de que estamos fazendo o nosso melhor ou, ao menos, estamos em busca dele.

Ah, essa vida louca, levada e bipolar, que está longe de ser perfeita mas que sempre nos dá a oportunidade de tentar, de acertar e de mudar.

Mi_Boo_tattoo love_blog vida materna

49 comentários no blog

  1. Natalia em

    Vem outro bebê por aí? Pareceu pelo início do post!

    Responder
    1. Michelle Amorim respondeu Natalia em

      Não que eu esteja sabendo, Natalia!!! hahaha

      Responder
  2. Pri Machuca em

    Mi você é uma guerreira! Super mãe e esposa, sou testemunha disto! Lembre que o mais importante são realmente as pequenas coisas na vida e a sua família deve estar em primeiro lugar sempre! Muita saúde para todos e muita bagunça organizada que é sinônimo de família feliz! =)

    Responder
    1. Michelle Amorim respondeu Pri Machuca em

      Ah, Pri, obrigada! E você então que é mãe de gêmeos? :)

      Bjão cunhada querida

      Responder
  3. Michelli Rocha Rossi em

    Me vi nesse texto. Rsrsrs

    Responder
    1. Michelle Amorim respondeu Michelli Rocha Rossi em

      ;-)

      Responder
  4. kelly marinho em

    Como sempre se superando… bem assim mesmo. Não temos/podemos e nem conseguiremos dar conta de tudo, então vamos as prioridades !!!

    Responder
    1. Michelle Amorim respondeu kelly marinho em

      Com certeza Kelly! Bora arrumar essa vida para 2015 :-)

      Responder
  5. Nazare Vasconcelos em

    Essa descrição é exatamente a minha vida. Que bom saber que não sou a única pessoa que vive assim. E que não sou a pior mãe do mundo porque não consigo dar conta de tudo que queria.

    Responder
    1. Michelle Amorim respondeu Nazare Vasconcelos em

      A gente sempre tenta fazer o nosso melhor Nazare, mas somos humanas, não é? A gente erra e acerta, e vamos aprendendo qual o melhor caminho :-)

      Bjo

      Responder
  6. Telma Teixeira em

    Mais uma vez relatando o dia a dia real da maioria das mães!!! Muitas pessoas julgam apenas por olhar superficialmente a vida do outro e infelizmente tiram suas conclusões erradas. Comigo tbm é assim, e eu tive que aprender a lidar com isso, quero dizer, ignorar pessoas com essas atitudes e pedir a DEUS que afaste de mim, da minha casa e da minha família pessoas assim. Bjos Michelle, força na peruca e vamos que vamos!

    Responder
    1. Michelle Amorim respondeu Telma Teixeira em

      Ah, isso tem de monte né, Telma? Imagino quem tem mais de dois filhos, as mães de gêmeos (como você!), ainda mais quando são bebezinhos. Mas a gente é forte e valente, como diz a Mel :-)

      Bjo grande

      Responder
  7. Mariana em

    Foi escrito pra mim rsrs. Obrigada,beijos

    Responder
    1. Michelle Amorim respondeu Mariana em

      Que bom que não estou sozinha ;-)

      Bjo

      Responder
  8. mirela Costa em

    Achando q fui eu a autora desse post ou a inspiração para vc escrever, rsrs… me vi nele. Mas estou procurando uma doméstica, pq sim eu tbm não dou conta!

    Responder
    1. Michelle Amorim respondeu mirela Costa em

      Hahaha, ai Mirela! Eu por horas quero, por outras não… No momento não rola mais por prioridades financeiras mesmo, mas quem sabe no futuro? Acho que tudo que possa ser feito para que a gente tenha mais ajuda, é MUITO válido e necessário.

      Como está a pequena? E Heitor com ela?

      Bjo grande

      Responder
      1. Mirela Costa respondeu Michelle Amorim em

        Eu tbm não queria alguém em casa. Acho que tira total a minha privacidade, mas não estou dando conta mesmo, chegando no limite de paciência e tal. Um mal necessário. Bruna está uma bolota, risonha, mamando no peito ainda e me tirando horas do sono noturno para se saciar… Faz 7 meses na semana que vem. Heitor é um fofo com ela. Ama pegar no colo, abraçar, beijar… O ciúme é quase zero. Eles estão se entendendo bem!

        Responder
  9. elianaFreitas em

    Foi o melhor texto ,que li seu .Diz exatamente como me sinto parabens .eliana

    Responder
  10. Patricia em

    Kkkkkkkk…ja tentou ter uma funcionária doméstica? Pq n tem??? Seria a solução para mtos problemas e te ajudaria bastante! Bjosss

    Responder
  11. Lara Oliveira em

    Ainda bem que você escreveu esse texto, já estava pensando que devia ter algo de errado comigo porque não consigo dar conta de uma filha (mãe solteira) e faculdade, e você parecia tudo perfeito.
    Mas no fim ser mãe é isso aí, não é? É fazer o impossível para seguir em frente e tentar aproveitar a infância dos filhos, já que o tempo voa e tudo passa!
    Um dia, vamos olhar para trás e ter certeza da felicidade!
    Um beijo e parabéns pelo blog, pela sua família! ♥♥♥♥♥♥♥♥♥

    Responder
  12. Carina em

    Oi Michelle gostei muito do seu texto e da sua sinceridade! Também tenho dois filhos, ou melhor, filhas, uma de quase 4 anos e outra de 4 meses e me sinto muito mal por nao dar conta de tudo. É muito bom saber que nao estou sozinha e que outras maes tb passam por isso. Um gde abraco

    Responder
  13. Carla em

    Oi Michelle,

    você não está sozinha nessa! Minha vida é pouco diferente pois trabalho fora, tenho empregada e meu filho fica na escola em período integral. Mesmo assim, me identifico 100% com seu desabafo.

    É cansativo, vivo com orelhas de panda, abdiquei de uma série de coisas e o prato principal lá em casa é o do dia anterior rsrsrs.

    Mas é só respirar fundo que percebo o quanto sou feliz assim. Não trocaria essa minha vida por nada. Ah, essa doce vida louca da maternidade! Abençoada somos por viver isso!!!

    E outra, vai passar tão rápido… A casa bagunçada, o almoço aproveitado e as pilhas de roupas pra lavar/passar ficarão no passado. O que vai ficar é a saudade do tempo que tínhamos eles só para gente, do aconchego, das aprendizagens…

    Beijos!

    Responder
  14. Mariana em

    Nossa, esse texto caiu como uma luva pra mim!!Aliás, a cada palavra que eu lia, achava que eu mesma tinha escrito…rsrs Vai me ajudar a começar o dia mais leve e menos mal, menos culpada!!Parabéns pelo texto e pelo blog!!Conheci agora e adorei!!:)

    Responder
  15. Ada em

    Bom dia Michelle,

    Esse texto maravilhoso e honesto, faz com que muitas de nós possamos nos sentir mais humanas.
    A gente vê uma mulher tão linda, com filhos lindos, tudo tão perfeito, e nós, pobres mortais, tão descabeladas e estressadas com as responsabilidades do dia a dia, da casa, dos filhos, do marido, do trabalho externo… Por algum momento podemos até pensar que “o gramado do outro é mais verde que o nosso”.
    Obrigada por compartilhar conosco o fato de ser “gente como a gente”.
    Admiravelmente,
    Ada

    Responder
  16. Michele em

    Michelle,
    Li todo o seu relato para o meu marido, que não entende porque eu pareço frustrada com a nossa rotina. Ele disse que assim como eu, você tem uma expectativa irreal, essa coisa de rede globo é pura hipocrisia.
    Eu achava que só eu que não dava conta. A minha sogra vive me dizendo que na época dela, ela tinha três pessoas ( uma faxineira, uma para lavar roupa e uma para ficar com o filho mais velho), além de morar com a sogra dela que fazia comida. E a gente tem que fazer tudo sozinha? Lavar, passar, cuidar do mais velho, do caçula…além de comida e sempre estar maquiada e a casa impecável? Não dá, né?
    Eu decidi que a minha vida não é novela, e serei mais discreta pois se você der a mão, as pessoas (não todas, claro) querem o pé para se meter na sua vida. Por esse motivo não tenho blog, youtube nada disso. Sei que é o seu trabalho, mas faça igual a Lahnna mostre só as suas artes(que faz muito bem) que é o seu dom.
    Outra coisa é ver qual é a minha estrela, o meu dom. O meu é cozinhar. Ontem mesmo fiz um macaroni & cheese que meu marido amou, faço bolo adoro fazer um doce…estou estudando a festa de um ano da filhota com todos os comes feitos por mim. Tenho até uma receitinha de tortinha holandesa de copinho que te mando para fazer nas suas festinhas, é super prática.
    Sou procrastinadora e bem tranquila, mas sou alegre e não me forço a dar conta para provar os outros que consigo, é uma cobrança interna mesmo misturada a culpa.
    Enquanto a casa, imagino o trabalhão que tens com uma casa grande, duas crianças e um gato. Eu moro num apê, tenho faxineira quinzenal e casa ainda vira um caos. Para isso estou sendo minimalista e tendo poucas coisas na casa. cortina, vela, tapete, bibelô estou liberando tudo. E na cozinha estou adotando o estilo industrial, com tudo preso nas barras: panela, utensílos etc. Copo aqui são de acrílico.
    Estou te mandando umas dicas que tirei de uma comunidade muito boa no extinto orkut ” fazendo muito com pouca grana”. Se quiser compartilhar depois fique a vontade.
    Um beijo e sucesso nas suas prioridades!!!

    Responder
  17. luciane em

    me vi no seu texto,me senti mais leve agora minha vida e exatamente assim tenho um filha de dez anos euma de dois e meio e ainda faço docinhos em casa para festa.imagina o caus as vezes por aqui mas enfim tudo por nossos pequenos amo seu blog leio e releio sempre suscesso pra você e sua linda familia!!!

    Responder
  18. Juliana em

    Era exatamente isso que eu precisava ler hoje. Sabe quando tu acorda com a macaca? Quer sair gritando com tudo pq tem que pular sobre as bagunças no chao? Sou eu hoje.
    Antes eu achava que eu estava sozinha, me punia por reclamar, por andar tão estressada, por ser tão mal agradecida. Mas hoje sei que é normal, afinal é uma avalanche de hormônios, misturada com mil papeis que assumimos e infinitas tarefas! Tem horas que tenho a ligeira impressão que tem fumacinha saindo da minha cabeça de tão nervosa.

    Obrigada por compartilhar conosco sua vida.

    Um grande beijo!

    Responder
  19. Elisa em

    Michelle,
    Parabéns! Acompanho seu blog desde que engravidei do meu filho Gabriel que completou 2 aninhos em Novembro. Estou grávida de 5 meses e descobri que vem outro menino…rs Bom, resumindo estou igual a você só que grávida “tudo parece em dobro”. Que Deus os ajude. Forte Abraço!

    Responder
  20. Daniela Luiz Alves em

    Oi,Michelle, já faz um tempo que sigo teu blog e adoro. Há um tempinho você mencionou que não tem ajudante para o trabalho doméstico e pensei em te escrever. Ao ler o post de hoje não tive dúvidas. Primeiro desculpe por me meter na sua vida, mas vou contar a minha experiência. Sou professora e trabalho 40 horas por semana, além dos cursos que sempre fiz. Até o meu filho nascer, há 4 anos atrás eu fazia todo o serviço da casa, roupa, etc. Sempre gostei da casa limpa e cheirosa. Durante a licença maternidade fiz tudo sozinha e quase pirei. Quando faltava uma semana para voltar trabalhar contratei uma pessoa para fazer o trabalho da casa, e posteriormente para cuidar do Pedro Henrique. Naquela semana com a moça em casa pude me dedicar inteiramente ao filhote. Michelle, você não imagina a diferença que fez na minha qualidade de vida. Depois disso percebi que apesar de gostar de fazer o meu próprio serviço doméstico,isso era uma coisa que poderia ser delegada.Então, apesar de trabalhar fora o dia todo, quando eu chego em casa está tudo limpo e organizado, então tenho tempo para brincar e dar atenção ao meu filho, ao marido a e mim mesma. Eu sei que ter alguém para trabalhar em casa pode ser encarado como luxo, mas para quem tem filho pequeno e outras atividades, além do trabalho doméstico, se torna algo essencial. Pense nisso, de repente alguém para limpar a arrumar a casa poder ser uma coisa boa para você e sua família. Um abraço.

    Responder
  21. Vanessa Sayão em

    Parece que você me descreveu em seu post… Ah um tempo atras cheguei a fazer terapia, porque me achava um lixo de esposa, um lixo de dona de casa e um lixo de mãe, por não dar conta de tudo e por achar que seria criticada por não dar conta de tudo, afinal como nossas mães e sogras deram conta com 2, 3 filhos e eu com apenas 1 e com uma casa relativamente pequena não daria conta? Me neguei por 4 anos (tempo de casada) a ter uma pessoa para me ajudar, mas hoje vejo as coisas de outra forma, a terapia me ajudou um pouco, mas a grande verdade é a que a mudança precisou vir de dentro de mim, e saber admitir que não sou super mulher, e que sim algumas coisas não ficariam com total perfeição como eu achava que teria que ser! Hoje conto com uma diarista 1x por semana e que muitas das vezes o jantar é sim um macarrão com carne moída e as vezes um sandubão de queijo! Entendi que sim o que importa é o quanto amo minha filha e meu marido, e os valores que passamos para ela, a casa é sim a casa, e fica como der! Amei seu post!!! Muito bom!

    Responder
  22. Juliana em

    Michelle, você é uma mãe normal. só isso.
    Todo mundo tem dias péssimos e dias mais ou menos. faz 3 dias que meu filho nao almoça e nem janta direito.. aí chego aqui e tem um post falando sobre esses dias horriveis. deu uma vontade de bater um papo desabafo contigo agora hehe
    Cara, e o pior de tudo é que, mesmo nesse tumulto, ainda me pego pensando loucamente em engravidar.. é ou não é uma doidera essa vida de mãe!

    Responder
  23. Gilmara em

    Nossa Michelle! por isso amo taaanto esse seu blog, parece que escreveu pra mim…é exatamente assim que estou me sentindo agora nessa minha nova fase mamãe….e apavorada só de pensar em como vai ser voltar ao trabalho depois…Obrigada por compartilhar esse desabafo com suas leitoras ;), pode ter certeza que contribuiu mto aliviando a minha consciência pesada de “não dar conta”… E te admiro mais ainda em saber que vc passa por tudo isso tbm, e ainda consegue manter atualizado essa lindeza desse blog que eu adorooo :) Bjo grande

    Responder
  24. Luiza em

    Boa tarde amigas. Se esta tão difícil como descrevem porque não trabalham fora de casa também pra ver o que é desgaste e correria? O patrão não quer saber quantas mil vezes o filho acordou de madrugada e não é tolerante como o marido quando não deu tempo de arrumar a casa…pense nisso!

    Responder
    1. Michelle Amorim respondeu Luiza em

      Oi Luiza, tudo bem?

      Eu acho que não é bem por aí, viu? No post, que é bem pessoal, por sinal, eu descrevo um momento meu, só isso. Não posso falar da correria de quem além de tudo isso, trabalha fora de casa e muitas vezes até estuda, porque não é a minha realidade. Apenas posso imaginar. E se você leu direitinho, verá que escrevi que “meus problemas são uvas passas perto do que outras pessoas enfrentam” – já pensando em quem tem uma realidade diferente da minha. Certo?

      A discussão “trabalhar em casa x trabalhar fora” tem N variantes e, na verdade, nem deveria existir. Simplesmente porque trabalhar em casa tem pontos positivos e pontos negativos e trabalhar fora idem.

      Responder
  25. Aline Dias em

    Muito bom!! :)

    Responder
  26. Heloisa em

    Olá Mi, adorei seu desabafo e me vi nele. Tenho um filho de 6 meses e meio, não trabalho mas ainda faço faculdade a noite. Estou de férias agora e não tenho empregada, apenas somos eu e meu marido, porém ele trabalha o dia todo e maior parte é minha claro! Estou de férias agora, mas me sentindo muito pra baixo.
    Cuido da casa, do bebe.. mas chega no fim da tarde estou exausta, chorona, mas não trocaria minha vida por nada.
    Sou uma pessoa agitada, que não gosta de depender dos outros, mas essas férias estão sendo uma tortura pois me sinto presa em casa, só passando, lavando e cozinhando…
    é, maternidade é uma loucura mesmo!

    Responder
  27. erica em

    Oi Michelle tambem sou paranaense como voce mas moro em Londres ha 15 anos e tenho um filho o Luca de 14 meses. Como precisava ler esse texto. Hoje mesmo queria pegar as malas e sumir la para o Caribe por uns dias rsrs. Eu nao tenho como ter empregada todos os dias, custo altissimo aqui. Tenho uma faxineira 1x semanal. Mas eh como voce diz nem tudo fica perfeito o tempo todo. Obrigada por me mostrar que sou normal xxx

    Responder
  28. Alícia Sachet Rodrigues em

    Muito bom! Me identifiquei muito. Família Doriana??? Só nas fotos, não é mesmo? Para essas, todos estão bem.

    Responder
  29. Sandra Neitzke em

    Michelle,
    Mais um ótimo texto.
    Exatamente assim, simples assim…
    Sem por nem tirar nada.
    Mais um vez, parabéns

    Responder
  30. Cida Lima Iassunik em

    ufa!!!estou aliviada em saber que não estou só!!!rsss

    Responder
  31. Paloma Vieira em

    Texto perfeito…
    A gente vira mil em uma e ainda assim não é possível dar conta de tudo , mas colocar prioridades em tudo ajuda muito.. aquela roupa pode esperar um pouquinho.. a casa tem duas crianças e uma mãe cheia de deveres..compreensivo não estar tudo limpinho e maravilhoso.. e o cansaço? toma conta da gente.. e as vezes a única coisa que queremos é que todos durmam para ter aquele momento de silêncio.. aquele momento nosso.. :)

    Responder
  32. Patricia L. Dijkstra em

    Tão eu!!!

    Responder
  33. Deyvid Marlucy em

    é o ser mãe, esposa, mulher q tenta se cuidar, dona de casa, profissional…ufa uma dádiva

    Responder
  34. Van em

    Querida Michelle!

    Primeiro eu queria parabeniza-la pelo blog. Eu descobri ele hoje ao acaso enquanto pesquisava dicas para a festinha de 1 ano da minha bebe. Adorei o jeito como vc escreve e achei o blog super didatico, tem dicas otimas!
    E agora eu gostaria de agradece-la por esse post. Me identifiquei muito. Esse seu desabafo expondo a realidade da maioria das maes foi otimo, sinceramente eu as vezes tendo a achar que o problema sou eu de nao dar conta de tudo. Minhas amigas sempre me falam que nao adianta tentar ser martir, super mae pois é impossivel e vc se frusta muito. E elas no fundo tem razao , mas as vezes é dificil aceitar isso. Aceitar que infelizmente nao temos controle sobre tudo. Ler seu post me deixou de alguma forma mais aliviada. Obrigada por isso.

    Um super abraco da sua mais nova leitora! Seu blog ja foi para a minha de favoritos ;)

    Responder
  35. Fernanda Medeiros em

    Super me identifiquei nessa matéria,também choro e me irrito por achar que não dou conta de fazer tudo,e tem dias que não ligo…É vida de mãe gente…

    Responder
  36. Rute (Portugal) em

    Bom dia Michelle!!
    Até me apeteceu chorar quando li o seu texto..

    Hoje vim para o trabalho furibunda por causa deste tema… que eu sei que não é só da minha vida, mas que quando estou assim parece que o mundo está todo só em cima de mim e dos meus ombros…

    Encontrei a sua página por acaso.. estava a procura de blogs de artesanato..faça você mesma, etc e encontrei o seu blog.

    Adorei o texto e a maneira como tão detalhadamente descreve as nossas vidas de mulher, mãe, profissional, amiga e ,acima de tudo, ser humano!!! Com falhas, desilusões, frustrações, mas também com muito muito amor, muitos miminhos e sorrisos babados!

    No fim, tudo corre bem :)

    Tudo de bom e obrigada.

    Responder
  37. Ana Lgia em

    Bom dia Michelle!
    Que Blog lindo, conheci hoje e estou achando o máximo, me identificando muito.
    Tenho dois filhos, apesar de estarem grandinhos(10 e 15,quase 16) as preocupações escritas nesse texto são as mesmas. Eles necessitam de nós, exigem de nós atenção, cuidado e muiitooo amor. Adorei quando vc disse sobre as fotos lindas no Instagram, exatamente assim que penso. Com certeza tem os dias que estou aqui aos berros e a paciência? Lonngeeee. Mas logo tudo entra nos eixos novamente, graças a Deus.
    Bom, ficaria aqui falando por horas e horas, falar da maternidade, casa e trabalhar em casa é o que faz meu <3 bater forte. Conheci o seu blog em uma ótima hora, decidi largar o emprego, encarar o trabalhar de casa pra estar aqui, pertinho dos filhos, das coisas de casa, e tem projeto novo nascendo.
    Um grande beijo, tamu junto!

    Responder
    1. Michelle Amorim respondeu Ana Lgia em

      Oi Ana, tudo bem? Que bom que você tem gostado do blog :)

      Bjo grande pra você também

      Responder
  38. Keti em

    Me identifiquei muito, cheguei a me emocionar pq parece que foi um alivio na alma, eu me sentia muito culpada pq não conseguia abraçar tudo, quantas vezes chorei fazendo o trabalho domestico, pq meu filho estava sozinho assistindo tv, e eu queria ficar com ele mas também precisava fazer aquele trabalho, inúmeras vezes eu fui tomar um banho sempre depois da meia noite, fiz a depilação, me perfumei, coloquei uma lingerie bonita e quando cheguei no quarto já uma hora da manhã, meu marido pego no sono,( ó céus), ai então eu penso pq não ja que estou desperta passar e guardar essas roupinhas, bem rapidinho, e assim vai as três da madrugada então finalmente eu durmo e as sete inicio novamente a jornada acorda o filho da o café leva pra escolinha vai pro trabalho e chega as seis da tarde volto pra casa para minha sessão de mãe malvada que só sabe anda pra lá e pra cá, (é assim que meu filho fala pra mim) e ele é só uma criança ele não entende que mamãe corre pra ele jantar no horário, e corre pra ele ter sempre roupas limpas e passadas e corre pra que a casa esteja limpa para a higiene dele, mas não adianta criança quer papai e mamãe ali sentados no chão da sala brincando e dando atenção… esse texto mudou minha vida me fez entender que sem problema deixar pra depois, sem problemas deixar pra amanha, não precisamos jantar todos os dias, que tal um sanduíche caprichado hj? E dai se tem roupa pra passar, e se eu não lavar a louça agora ela não vai sair dali mesmo kkkk Eu estou com saudade do meu marido eu estou com saudades de mim, de sentar na sala e assistir as minhas series preferidas, de tomar aquele café gostoso sentada confortavelmente, e de dormir por pelo menos seis horas kkkk Obrigada Micheli, leio seu blog todos os dias, vc é uma inspiração, (coraçãozinho) PS: Desculpem o desabafo, mas mãe se entende kkk bjinhos

    Responder

Deixe seu comentário!