21 jan 2013

Sobre as metodologias de ensino

Na pesquisa que fiz esses dias aqui no blog (e que ainda está ativa para quem não respondeu) muitas leitoras disseram ter dúvidas sobre como escolher a primeira escolinha dos filhos e sobre o que levar em consideração nessa hora. E também, sobre como foi a minha experiência com a Mel.

Essa semana então, já que estamos em meio a volta às aulas e no período em que muitos pais visitam escolas em busca daquela ideal para o seu filho, vamos falar bastante sobre esse tema. Começando pelas metodologias de ensino.

Assim que comecei a pensar sobre escolinhas me deparei com muitas palavras novas e desconhecidas até aquele momento. Depois de pesquisar um pouco, descobri que existem linhas pedagógicas diferentes e que era essencial saber com qual nos identificávamos, antes de enfim escolher a escolinha da Mel.

Ainda vou fazer um post falando sobre essa decisão de colocá-la na escola e como foi a adaptação (a minha e a dela!), mas já posso afirmar que a metodologia de ensino acaba não sendo o principal fator na hora de escolher. Existem muitos outros, mas essa é uma ótima forma de começar a explorar o assunto.

As quatro principais linhas pedagógicas são:

Linha Tradicional

Quando lembro da minha época pré-escolar, fica muito claro que o modelo era o tradicional, onde o conhecimento era repassado de geração para geração e o professor era uma espécie de guia todo poderoso que mantinha uma certa distância dos alunos. O sistema era rígido, pouco aberto à inovações e inteiramente baseado em conhecimento e notas. Pouco me lembro de ter tido liberdade para criar, experimentar e vivenciar as coisas nas escolas que frequentei.

As avaliações são periódicas, por meio de provas, e medem a quantidade de informação que o aluno conseguiu absorver.

São escolas que preparam seus alunos para o vestibular desde o início do currículo escolar e enfatizam que não há como formar um aluno questionador sem uma base sólida, rígida e normativa de informação.

Essa metodologia ainda existe, claro, especialmente nas escolas e creches onde já existe a alfabetização. E muitas escolas que dizem praticar outras metodologias são, na verdade, tradicionais.

Linha Construtivista

Inspirado nas ideias do suíço Jean Piaget (1896- 1980), o método procura instigar a curiosidade, já que o aluno é levado a encontrar as respostas a partir de seus próprios conhecimentos e de sua interação com a realidade e com os colegas.

O construtivismo propõe que o aluno participe ativamente do próprio aprendizado, mediante a experimentação, a pesquisa em grupo, o estimulo, a dúvida e o desenvolvimento do raciocínio, entre outros procedimentos. A partir de sua ação, vai estabelecendo as propriedades dos objetos e construindo as características do mundo.

Noções como proporção, quantidade, causalidade, volume e outras, surgem da própria interação da criança com o meio em que vive. Vão sendo formados esquemas que lhe permitem agir sobre a realidade de um modo muito mais complexo do que podia fazer com seus reflexos iniciais, e sua conduta vai enriquecendo-se constantemente. Assim, constrói um mundo de objetos e de pessoas onde começa a ser capaz de fazer antecipações sobre o que irá acontecer.

O método enfatiza a importância do erro não como um tropeço, mas como um trampolim na rota da aprendizagem. A teoria condena a rigidez nos procedimentos de ensino, as avaliações padronizadas e a utilização de material didático demasiadamente estranho ao universo pessoal do aluno.

As disciplinas estão voltadas para a reflexão e auto-avaliação, portanto a escola não é considerada rígida.

Linha Montessoriana

Criada pela pedagoga italiana Maria Montessori (1870-1952), a linha montessoriana valoriza a educação pelos sentidos e pelo movimento para estimular a concentração e as percepções sensório-motoras da criança.

O método parte da ideia de que a criança é dotada de infinitas potencialidades. Individualidade, atividade e liberdade do aluno são as bases da teoria, com ênfase para o conceito de indivíduo como, simultaneamente, sujeito e objeto do ensino.

Maria Montessori acreditava que nem a educação nem a vida deveriam se limitar às conquistas materiais. Os objetivos individuais mais importantes seriam: encontrar um lugar no mundo, desenvolver um trabalho gratificante e nutrir paz e densidade interiores para ter a capacidade de amar.

As escolas montessorianas incentivam seus alunos a desenvolver um senso de responsabilidade pelo próprio aprendizado e adquirir autoconfiança. As instituições levam em conta a personalidade de cada criança, enfatizando experiências e manuseios de materiais para obter a concentração individual e o aprendizado. Os alunos são expostos a trabalhos, jogos e atividades lúdicas, que os aproximem da ciência, da arte e da música.

Os professores dessa linha de ensino são guias que removem obstáculos da aprendizagem, localizando e trabalhando as dificuldades de cada aluno. Sugerem e orientam as atividades, deixando que o próprio aluno se corrija, adquirindo assim maior autoconfiança.

A avaliação é realizada para todas as tarefas, portanto, não existem provas formais.

Linha Waldorf

A Pedagogia Waldorf se baseia na Antroposofia (gr.: antropos = ser humano; sofia = sabedoria), ciência elaborada por Rudolf Steiner, que estuda o ser humano em seus três aspectos: o físico, a alma e o espírito, de acordo com as características de cada um e da sua faixa etária, buscando-se uma perfeita integração do corpo, da alma e do espírito, ou seja, entre o pensar, o sentir e o querer.

Foi criada em 1919 na Alemanha e está presente no mundo inteiro. O ensino teórico é sempre acompanhado pelo prático, com grande enfoque nas atividades corporais, artísticas e artesanais, de acordo com a idade dos estudantes. O foco principal da Pedagogia Waldorf é o de desenvolver seres humanos capazes de, por eles próprios, dar sentido e direção às suas vidas.

Tanto o aprimoramento cognitivo como o amadurecimento emocional e a capacidade volitiva recebem igual atenção no dia a dia da escola. Nessa concepção predomina o exercício e desenvolvimento de habilidades e não de mero acúmulo de informações, cultivando a ciência, a arte e os valores morais e espirituais necessárias ao ser humano.

No primeiro ciclo (0-7), a ênfase é no desenvolvimento psicomotor, essa fase é dedicada principalmente às atividades lúdicas, ela não inclui o processo de alfabetização. O segundo ciclo (7-14), que corresponde ao ensino fundamental, compreende a alfabetização e a educação dos sentimentos, para que os alunos adquiram maturidade emocional. Nesta fase, não existe professores específicos para cada disciplina, mas sim um tutor responsável por todas as matérias, que acompanha a mesma turma durante os sete anos. O tutor é uma referência de comportamento e disciplina para que o aluno possa se espelhar.

A avaliação dos alunos é baseada nas atividades diárias, que resultam em boletins descritivos. O progresso dos alunos é exposto detalhadamente em boletins manuscritos, nos quais são mencionadas as habilidades sociais e virtudes como perseverança, interesse, automotivação e força de vontade. Como consequência, o jovem aluno tem grandes chances de se tornar um adulto saudável e equilibrado capaz de agir com segurança no mundo.

Informações do site pedagogia.com.br

6 comentários no blog

  1. Michelle em

    Bom dia Michelle!!!

    Adorei o tema!!!

    Estava super ansiosa por esse assunto. Cheguei até te escrever sobre isso… Que bom que você vai falar sobre as suas experiencias…

    Bjus

    Responder
  2. Pamela Campos em

    Eeee,pedido atendido!!Muito bom!Amei!

    Responder
  3. Thalita em

    Muitos bons os resumos, mas eu gostaria de acrescentar algumas coisas:

    Sobre a Pedagogia Tradicional, como foi descrita deixa parecer que o currículo tradicional é ruim. E não existe metodologia ruim. A metodologia tradicional é extremamente eficiente no seu propósito de aprovação. Existem pais e alunos que buscam isso e se sentem satisfeito com essa metodologia. Eu enfatizaria (pq a coitada aparece sem nenhum grifinho) que as principais características dessa metodologia são como foi dito, a medição do conteúdo aprendido por meio da avaliação e a noção de organização para o estudo que ela ensina a seus alunos.

    Quanto ao Construtivismo o resumo foi ótimo! E como alguém que estudou a vida inteira em uma escola construtivista, só complemento que além do erro ser essencial para a busca do conhecimento, É necessário estabelecer algumas noções para chegar a uma próxima etapa, depois outra, outra… Piaget dizia q o conhecimento era como uma espiral afunilada (pensa no desenho de um furacão). Se vc colocar um ponto numa linha, verá que é preciso percorrer um caminho até outro ponto na “linha de cima” da espiral, e ainda, que essa linha parece maior. Assim é o conhecimento: é necessário partir de um conhecimento já adquirido e percorrer o caminho (através da experimentação, formulação de hipóteses…)para conseguir compreender os outros conhecimentos maiores!

    A pedagogia Montessoriana e Waldorf estão perfeitos. Mas eu senti falta da descrição da Pedagogia Freinet, que também é muito referenciada em escolas, principalmente infantis e totalmente diferente das outras quatro, onde os alunos decidem o que querem aprender, fazem aulas passeio pelo mundo fora dos muros da escola, registram tudo que aprenderam no livro da vida, eles mesmo se auto-avaliam e se auto-corrigem e ainda propõe momentos para as crianças refletirem o que elas criticam, o que propõem e o que parabenizam na escola, nos colegas, etc!

    Responder
    1. Michelle Amorim respondeu Thalita em

      Oi Thalita! Obrigada pela sua contribuição :)

      Escolhi esse resumo justamente por achar que todas as metodologias foram bem explicadas.

      Na minha opinião pessoal, acho que a metodologia tradicional, no caso das crianças pequenas, deixa bastante a desejar se analisarmos criatividade, liberdade de expressão e o aprender por meio da brincadeira. Mas é válida, claro.

      Bjo

      Responder
  4. Veri em

    Oi Michelle, parabéns pelo post, muito esclarecedor. Você tem referências de escolas dessas metodologias em Curitiba? Obrigada!

    Responder
  5. Graci em

    Olá, também gostaria de saber referências de escolas em Curitiba em casa uma das metodologias :)

    Responder

Deixe seu comentário!