05 abr 2013

Sobre a violência obstétrica e o renascimento do parto

Já faz um tempo que eu queria falar disso, mas no fundo foi bom ter esperado um pouco porque agora posso reunir vários links bacanas aqui para vocês.

Por muito tempo achava-se que violência era somente o ato físico, de bater, por exemplo. Hoje em dia já entendemos que a violência verbal pode ser tão grave e ofensiva quanto a violência física e que ainda, existem outros tipos de violência, que se apresentam de maneira sorrateira, quase que sutil e passam desapercebidas da maioria das pessoas por estarem “acostumadas ao sistema”. Aí que entra a violência obstétrica.

grafico2_a

infográfico de Emídio Pedro

 

Eu comecei a me inteirar do assunto vendo a triste realidade de algumas mulheres corajosas que compartilharam suas histórias neste vídeo que vocês veem abaixo. Fiquei em choque. Chorei. Porque a gente acha que esse tipo de coisa não acontece ou que é coisa rara de acontecer. Pensa que é falta de sorte. Pensa que não acontece em “cidade grande”. Mas infelizmente, acontece sim.

Muito tem se falado do assunto nos últimos meses e quanto mais pessoas tiverem acesso à informação, melhor. Quanto mais pessoas puderem se resguardar e proteger a si mesmas e a seus bebês, melhor.

Por isso selecionei alguns links de ótimas matérias e posts que devem ser lidos e compartilhados.

Na hora de fazer não gritou – Texto sensível e muito esclarecedor da jornalista Andrea Dip com depoimento de grandes nomes do parto humanizado do Brasil, como Jorge Kuhn, Ana Cris Duarte, Ana Carolina Frazon.

Como denunciar a violência obstétrica – Depois do ajuizamento da primeira ação judicial por violência obstétrica no Brasil, muitas pessoas procuraram saber mais sobre como denunciar, como proceder. Nesse link a Gabi conta pra gente como agir.

Campanha: Tenha seu Prontuário – De novo Gabi abrindo nossos olhos (obrigada pela dedicação <3). Sim, esse documento é seu! Faça valer seus direitos.

Teste da Violência Obstétrica – divulgação dos resultados – Blogagem coletiva que movimentou mais de 70 blogs.

Como atender um Parto Humanizado – passo a passo –  Texto perfeito de Ana Cristina Duarte. Pra imprimir e carregar na bolsa na reta final da gestação.

Os ventos estarão mudando no cenário obstétrico brasileiro? Texto bem bacana da Mari Zanotto com colaboração da Gabi Sallit, com várias informações e acima de tudo, com a esperança de que as coisas começam a mudar.

E como a Mari disse:

Defendemos que mães e pais tenham o direito de escolher como querem ter seus filhos. Mas que seja um escolha de fato, baseada em informação de qualidade. Então vamos pesquisar os prós e contras de cada modelo, confrontar os médicos (de lá e de cá), entender e assumir as consequências de cada escolha que fizermos. O que tentamos aqui foi estimular o primeiro passo, o que requer mais coragem, o que é um caminho sem volta: afastar os paninhos azuis que cobrem a visão.

Para terminar, deixo vocês com esse vídeo promocional do documentário O Renascimento do Parto, que está atualmente em negociação de distribuição. O filme é espetacular, sincero e comovente. Daqueles que devem ser assistidos por todos. Já perdi a conta de quantas vezes assisti e me emociono em todas elas. Pra mim, é perfeito.

Assista, se inspire, compartilhe, envie para o seu obstetra até, como eu fiz.

3 comentários no blog

  1. Gabi Sallit em

    Mi, querida, obrigada pelo seu engajamento. É muito importante para nós que blogs como o Vida Materna – que tem milhares de leitoras, dos mais distintos perfis – tenham informação sobre a Violência Obstrétrica, seja para se precaverem, seja para entenderem suas angústias!
    O bem que vc está fazendo é enorme! :)

    Responder
    1. Michelle Amorim respondeu Gabi Sallit em

      Obrigada Gabi! Quero ser mais uma formiguinha trabalhadora carregando folhinhas nas costas, por um ideal, por um objetivo em comum! :)

      Responder
  2. Jamara em

    Nossa, estou chocada! Não imaginava que existia violência obstétrica.
    Agora entendo porque muitas mães optam pela cesaria e mais, fazem até empréstimo para pagar a cirurgia.

    Responder

Deixe seu comentário!