11 jan 2013

Qual a melhor hora para a chegada do segundo filho?

102808803963532404_rHR8Nnb2

imagem: Pinterest

 

Esta foi a pergunta que me fez uma jovem mãe, ao pensar em engravidar pela segunda vez, já tendo uma filha com mais de dois anos.

Não existe uma hora certa ou a melhor hora para a chegada de um segundo filho. O que existe é saber tomar essa decisão sem grandes preocupações ou dúvidas, levando em consideração alguns pontos que veremos a seguir.

Primeiramente é preciso que o casal esteja de acordo, para que juntos possam planejar e analisar todos os aspectos dessa decisão. É muito bom planejar a chegada de um filho, porque traz segurança e estabilidade emocional para toda a família.

É importante saber o que significa e exige de ambos, educar, sustentar e cuidar de duas crianças com pouca diferença de idade, se esse for o caso, e se prepararem para assumir essa importante tarefa. Sendo assim não haverá motivos para ter medo ou inseguranças.

Se a sua criança é educada com autonomia, usando métodos adequados para estabelecer disciplina e limites, e se a legítima autoridade é exercida por ambos, com regras claras, então não será difícil receber uma nova criança para educar e cuidar ao mesmo tempo.

Outro aspecto importante é saber preparar sua criança para receber um irmãozinho, de tal maneira que ela se sinta no seu verdadeiro lugar, sem a sensação de estar perdendo-o para o novo bebê que vai chegar.

Respeite sua criança, ela precisa se sentir segura, recebendo o afeto, a atenção, o carinho e a compreensão que necessita, assim não terá motivos para sentir ciúmes do bebê que está sendo esperado e muito mais depois que ele nascer. É preciso respeitar os sentimentos que se apoderam dela nesse momento, pois é natural que ela se sinta emocionalmente mais sensível a essa mudança. O ciúme é um sentimento inevitável nesse momento, mas pode-se amenizá-lo através do reconhecimento e aceitação desse sentimento.

Vale lembrar que a criança se sente amada e compreendida quando os pais a tratam com carinho, atenção e acima de tudo com justiça. Ela precisa de limites, porém com severa doçura, para que ela se sinta segura e assim não precise chamar a atenção dos pais para ela. É preciso saber lidar com esse novo momento que vive a família, de forma natural e sem estresse.

Muitas vezes embasados em suposições e conjecturas provenientes de palpites e histórias que normalmente são contadas por todos aqueles que, embora bem intencionados, acabam dando palpites que ao invés de ajudar, atrapalham.

Se tiver dúvidas, busque ajuda de profissionais competentes, ou em bons livros que orientam levando em conta natureza da criança e as características que são peculiares em cada fase de seu desenvolvimento. E apresente também estratégias e recursos pedagógicos, para melhor lidar com esse delicado momento que vive a criança.

Informem sempre sua criança, sobre o que está acontecendo sempre, pois sua percepção é essencialmente sensorial, portanto sente o que está acontecendo à sua volta, antes mesmo que lhe digam.

Usem recursos pedagógicos simples, ou seja, envolvendo a criança nas escolhas do enxoval, deixando-a participar de toda mudança que precisa ser feita no espaço físico ou qualquer outra decisão que precisa ser tomada.

Evitem tirar da criança algo que ela ainda usa para dar ao bebê que vai chegar e não faça promessas que só serão cumpridas depois do nascimento, para que não gere ansiedade.

Ao falarem com outras pessoas sobre o bebê que vai chegar, não ignorem sua criança se ela estiver por perto, fiquem atentos para deixá-la participar também da conversa.

Esperem para fazer mudanças no ambiente, quando a criança já tiver assimilado bem a nova situação, se possível, após alguns meses de gestação.

Nesse período não é recomendável fazer procedimentos como: retirada da chupeta, das fraldas e outras hábitos que a criança possa ter. Afinal, não são somente os pais que estão esperando um bebê, mas também um serzinho curioso e ansioso que mal sabe o que é ter um irmãozinho.

Tudo o que fazemos com consciência e com o coração, certamente trará bom resultado.

assinatura_coluna_educação_GB3

14 comentários no blog

  1. Paula Franca em

    Pensa em um texto que caiu como uma luva para mim hoje? Foi esse!!!
    Tem uma filha de 1 ano e oito meses e a uma semana descobrir que estou grávida de dois meses, fiquei muito feliz. Mas minha preocupação se volta toda para minha filha nesse momento.

    Responder
    1. Michelle Amorim respondeu Paula Franca em

      Que legal Paula! Que bom que você gostou!

      Esse texto foi escrito pela Sra Lourdes depois da minha pergunta e decidi compartilhar no blog :)

      Bjo

      Responder
      1. CAMILA respondeu Michelle Amorim em

        Uhm…já lido e já respondido. Bjo ;)

        Responder
  2. Michelle Amorim em

    A “jovem mãe” ali do início do texto sou eu. Só pra constar :)

    Responder
  3. Mamãe do Otávio em

    Eaí Mi? Preparada?
    :)
    Pq tu quer tirar a chupeta da Mel? não acho necessário não, eu chupei até os 7! rsrsrs

    bjão

    Responder
    1. Michelle Amorim respondeu Mamãe do Otávio em

      Ah Tami, acho que prejudica a arcada dentária, na maioria das vezes. Eu tbm usei chupeta até uns 5 anos eu acho e depois tive que usar aparelho. Fora que a Mel anda fazendo uns barulhos estranhos com a chupeta. Dizem que quando isso acontece é que está fazendo mais mal do que bem.

      Mas não vou tirar já, quem sabe no final do ano ;)

      E ó, to me preparando ainda!

      Bjoo

      Responder
  4. Maria Carolina em

    Olá,
    Tenho um menino de 4 anos e uma menina de 2 anos. Quando o Antônio tinha 1 ano e 7 meses fiquei grávida outra vez e durante toda a gestação e logo após o nascimento da Laura não tivemos nenhum problema mas, assim que sua irmã começou a fazer gracinhas e fez 1 ano bateu aquela crise de ciumes. Agora está quase tudo sobre controle e ver os dois brincarem juntos não tem preço. Acho que é a melhor coisa dois bem pertinho, eles brincam, brigam e até fazem combinados contra nós, os pais, pode isso? AMOOOOOO essas duas criaturas e se pudesse teria mais um.
    Bjo

    Responder
    1. Michelle Amorim respondeu Maria Carolina em

      Ah, essa parte deles brincarem juntos e tramarem ‘contra’ os pais deve ser demais mesmo!!!

      Bjo querida

      Responder
  5. CAMILA em

    uhm…texto ótimo, já que estou na fase de tomar materfolic e parar a pílula na próxima menstruação…uhuuuuu! é frio na barriga como se estivesse descendo da montanha russa.

    Responder
    1. Michelle Amorim respondeu CAMILA em

      Eeeeeeeee! :)

      Te mandei um e-mail, veja lá!

      Bjo

      Responder
  6. Flávia Rebelato em

    Olá Michelle, tem muitos truques interessantes para envolver a criança na chegada do novo irmãozinho, uma dica é para quem tem menina como primeiro filho como vc é comprar uma boneca igual a um bebezinho. Quando voltar para casa com o novo irmaozinho, vc dá a boneca e diz que quer que a menininha cuide igual vc cuida do irmaozinho…e as duas fazem as mesmas coisas juntas…é lindo e funciona muito bem quando incentivado…assim gera menos ciumes…bjos

    Responder
  7. michelle em

    Eu ando pensando bastante a respeito,mas é tão difícil decidir qual é o melhor momento,fora o frio na barriga rsrs

    Responder
  8. Mirela em

    Michelle, como sempre, um ótimo post! Eu ainda não quero pensar muito nisso, afinal meu filho ainda vai fazer 3 meses, mas meu marido já está todo prosa para ter o segundo. Quanto a chupeta da Mel, como dentista, te digo o seguinte: a questão da arcada não depende só dos hábitos. Por exemplo, ela pode ter puxado a sua parte óssea e os dentes do pai. Com isso, pode ser que os dentes não caibam nos maxilares. E ela chupa só pra dormir? Lá em casa, eu e meus irmão chupamos chupeta e o mais velho tem uma dentição linda, eu já precisei de aparelho, mas pq tive problemas que se não a tivesse usado, não teria feito diferença. Lembre-se que o malefício depende da frequência do uso, do tempo que ela fica com a chupeta. Quando usada só para acalmar, não vejo o menor problema. E nós que somos mães sabemos bem o quanto a chupeta acalma nossos bebês. E o meu só pega a dele para dormir. Assim que o sono vem com força, ele a cospe, então nem me abalo com isso. Até pq se ele puxar os meus dentes, com certeza terá que usar aparelho, independente da chupeta, rsrsrs…

    Responder
  9. Danela Aparecida dos Santos Paulo em

    Olha gente talvez alguém posa meajudar..eu tenho um filho de 4 anos..e até então ,,nunca pensei em ter outro filho,,aloás ..melhor dizendo..eu não queria em hipótese alguma,,agora depois que ele completou seus 4 aninhos,,pássei a pensar muito nisso,,hoje tenho vontade..mais estou muito confusa..meu parto..sei lá..amo de mais meu filho..mais não gostei de ter tido parto normal..não,,p/ mim foi traumático..e tenho medo de não dar conta de duas crianças..de alguma forma abandonar meu filho ..sei lá me ajudem,,e não tive coragem ainda de comentar isso com o meu marido,,pois acho que ele vai dizer…que melhor não….por conta das condições financeiras..mais dentro de mim esse desejo esta grande….

    Responder

Deixe seu comentário!