05 mar 2011

Óleo de Calêndula Weleda

Desde recém-nascido o Francisco apresenta problemas de pele – é extremamente alérgico, tem a pele muito sensível. Quando tinha uma semana de vida, teve eczema: sua pele do rosto e pescoço ficou vermelha e escamosa. Imediatamente o levei ao pediatra, que sugeriu que eu parasse de tomar leite de vaca (depois fomos descobrir que ele tinha alergia à proteína do leite – algo bem comum em bebês hoje em dia, pelo que vejo) e que aplicasse nas lesões algum corticóide.

Hesitei um pouco na parte do corticóide – não queria aplicar algo tão forte em um bebê tão pequeno. O pediatra então me sugeriu que tentasse aplicar óleo de amêndoas ou produtos à base de calêndula, na tentativa de curar as lesões com algo natural.

Encontrei na farmácia o óleo de calêndula da Weleda e resolvi testar. Aplicava com um algodão na região do eczema várias vezes ao dia e à noite, depois do banho, fazia uma longa massagem com o óleo em todo o corpo do Francisco. Para minha surpresa – e felicidade! – o eczema desapareceu depois de alguns dias.

Até tentei usar outros óleos, mas nenhum teve o resultado desse; por isso, uso até hoje. É incrivelmente leve, fácil de aplicar – faço massagens todos os dias no Francisco com ele, após o banho. A pele fica sim um pouco “besuntada” no início, mas o óleo é logo absorvido completamente. Gosto que fique na pele dele, pois tem efeito calmante – além da calêndula, o óleo também tem camomila na composição.

A embalagem vem com 200ml e o produto rende bastante. A primeira vez que comprei durou 6 meses, mesmo com massagens diárias! Gostei tanto que resolvi experimentar os outros produtos para bebês da Weleda – mas sobre eles, falo depois, nos próximos posts. Aguardem! ;)

Preço: Eis o único inconveniente: os produtos da Weleda são ridiculamente caros no Brasil. Na loja virtual da marca está R$ 68,40 – já nos EUA, custa na faixa de 10 dólares!

Conclusão: Para o Francisco foi tão bom que substitui o remédio (mas atenção, claro que isso não é uma regra! consulte sempre o pediatra do seu filho, tá?). Não troco por nenhum outro óleo! Confesso que sinto falta daquele cheirinho de bebê, mas nada grave.

Deixe seu comentário!