09 ago 2012

O trabalho das Doulas

 

 

Mesmo antes de engravidar, eu sabia que queria uma doula para acompanhar meu parto. Ainda que não conhecesse ninguém que tivesse tido o auxílio de uma, tinha lido um documento da Organização Mundial da Saúde ( “Assistência ao Parto Normal; um guia prático” ) que descrevia o trabalho destas mulheres e sua importância para o sucesso de um parto normal.

Doulas são profissionais treinadas para assistir mulheres durante a gestação, o parto e o pós-parto. Seu trabalho consiste em amparar a grávida, fornecendo informações, compartilhando experiências, confortando física e emocionalmente. Elas fazem, na verdade, aquilo que, antigamente, faziam as primas, as vizinhas ou as irmãs mais velhas que já eram mães: amparam as gestantes, acalentando, ensinando, cuidando. Durante a gravidez, conversam, orientam, ajudam a tomar as melhores decisões sobre o parto e os cuidados que o bebê receberá ao nascer. Durante o trabalho de parto e o parto fazem massagens, utilizam técnicas de controle não farmacológico da dor, dão segurança emocional aos pais, traduzem os termos técnicos dos profissionais de saúde. No pós-parto, tentam minimizar as dificuldades com a amamentação e apóiam a puérpera, neste momento em que ela está tão frágil.

O assunto está em voga, pois Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro proibiu que médicos atendam partos com auxílios de doulas, ainda que a Organização Mundial da Saúde recomende o serviço. Mulheres do Brasil inteiro se mobilizaram contra esta determinação, defendendo o seu direito que eleger o acompanhante que quiserem; como lhes garante a legislação. O Conselho de Enfermagem ajuizou uma ação e caçou, liminarmente, a portaria do CRMRJ. Complicado, né!?

No meu caso, a experiência foi maravilhosa. Conheci várias doulas freqüentando um grupo de apoio a gestantes e passei um bom tempo avaliando minhas afinidades com cada uma delas antes de eleger a que queria que me acompanhasse.

A profissional que escolhi cuidou de mim com todo carinho. Estudou comigo sobre as maternidades da minha cidade, tirou minhas dúvidas sobre o parto, me ajudou a me preparar para amamentação, ouviu minhas angústias e me consolou quando a barriga estava pesada demais e parecia que o João não ia nascer nunca. :) Durante o trabalho de parto, fez massagens, sugeriu posições mais confortáveis, me incentivou a caminhar e usar o chuveiro, diminuindo a necessidade de anestesia e contribuindo, de forma imprescindível, para que eu conseguisse ter um parto normal. Tive um problema de saúde imediatamente após o parto, e foi ela quem ajudou meu marido a não entrar em pânico. Sua contribuição para o sucesso da amamentação do João é inegável.

Preço médio: aqui em Belo Horizonte, as doulas particulares cobram cerca de R$500,00, para acompanhamento durante a gestação, parto e pós-parto. Alguns hospitais públicos, como o Sofia Feldman, Odete Valadares e Santa Casa contam com profissionais voluntárias.

Conclusão: O apoio emocional é maravilhoso. As técnicas de diminuição da dor e de aceleração do trabalho de parto são eficazes e a confiança que estas profissionais geram é decisiva para se conseguir um parto normal. É um serviço excepcional que deveria ser mais utilizado.

Blog da Gabi: http://dadadablogdotcom.wordpress.com/

21 comentários no blog

  1. Gabi em

    Foi um prazer escrever para o blog! Quem precisar de outras informações sobre doulas, procure o site da Parto do Princípio: http://www.partodoprincipio.com.br/

    Responder
  2. Paula Ambrosio em

    Muito bom o post! Ainda não estou grávida, mas com certeza, qdo chegar a minha vez, vou querer o acompanhamento dessas lindas mulheres!!

    Responder
  3. Ana Paula Garcia em

    Não tenho palavras para descrever o quão importante e essencial foi a presença de minha doula nessa minha jornada! Apoio? Não! Muito mais do que isso! Foi meu farol, para que eu não saísse da linha! Foi minha luz, minha flor, minha amiga, meu bem querer! Por isso eu digo: parir sem doula? … futebol sem bola, piu-piu sem frajola…

    Responder
  4. Polly em

    Lindo post Gabi. Parabéns e obrigada!!

    Vale lembrar que a doula, dentro do contexto obstétrico brasileiro passa a ter também um papel muito importante de auxílio na reconquista do empoderamento feminino em seus processos de gestação, parto e amamentação. Acaba sendo ela a apresentar (ou aprofundar) para a gestante a realidade em que estamos inseridas, no sentido de construir uma certa malícia para conseguir enfrentar esse sistema que impera e tenta a todo o instante fazer com a mulher não acredite em si e não consiga exercer seu protagonismo. A doula é uma mulher leiga que conhece a dores e os sabores do parir, tem sua experiência, sem deixar de ser cúmplice e parceira da mulher de igual pra igual (de mulher pra mulher) e serví-la da maneira que for mais interessante para ela, afinal ela é a dona do seu parto. Justamente por esse aspecto que o apoio emocional acontece de forma tão singela e fortalecedora.

    Os estudos científicos evidenciam que mulheres que recebem suporte contínuo intraparto tem maior chance de ter parto vaginal espontâneo, menor necessidade de analgesia de parto, menor risco de relatar insatisfação com a experiência de parto, menor duração do trabalho de parto, menor risco de cesariana, parto instrumental, analgesia regional e nascimento de bebês com baixos escores de Apgar no 5o. minuto. A análise desses estudos evidenciam ainda que o suporte contínuo intraparto é mais efetivo quando providenciado por doulas.

    Sendo assim, deveria ser uma estratégia eficiente para reduzir as altas taxas de cesarianas e melhorar os desfechos maternos e neonatais. Ou seja, toda mulher que deseja, deveria ter o acompanhamento de uma doula.

    Importante ressaltar que a escolha de uma doula é algo bem pessoal e que a mulher deve conhecer suas candidatas e sentir com qual se identifica mais. Os grupos de apoio são importantes também para proporcionar esse envolvimento e construir outros aspectos do parto. Recomendamos a todas as gestantes que procurem um GAPP (http://partodoprincipio.blogspot.com.br/2009/11/teste-2.html). Em BH e em mais 7 cidades do Brasil temos o Ishtar – Espaço para Gestantes (http://ishtarbh.blogspot.com.br/).

    Responder
  5. Fê Henriques em

    Gabi é minha amiga e tive a oportunidade de acompanhá-la enquanto gestante.
    A tranquilidade e a naturalidade de sua gravidez foi maravilhosa!
    No pós parto é só sorrisos!!!
    Quando me imagino grávida, ela com certeza será minha guia em me apresentar este universo!

    Responder
  6. Nayara Assunção em

    Estou tratando dos preparativos para o meu casamento, mas tive a oportunidade de nos últimos meses conviver com várias gestantes na minha família e do meu noivo. É notória a diferença na recuperação daquelas que optaram por um parto natural. Quando eu estiver grávida, com certeza, quero poder optar pelo parto natural e pelo apoio de uma doula. Conheci este trabalho (eu nem sabia que existia) também através do Núcleo Bem Nascer http://www.nucleobemnascer.com.br/a-doula-no-parto
    Vale a pena conhecer e lançar mão deste trabalho que sempre tem relatos muito positivos.

    Responder
  7. Lucinéia Siqueira em

    Excelente depoimento, sobretudo neste momento em que o trabalho dessas profissionais vem sendo colocado em discussão. Ainda não tive o prazer de ser mãe, mas, certamente, quando chegar a hora, me sentirei mais amparada, protegida e bem orientada se tiver do lado a companhia de uma doula. A mim, parece inegável a importância dessas amáveis mulheres na busca por uma experiência materna mais saudável e plena.

    Responder
  8. karen oliveira aun em

    que lindo texto gabi!!!! eu tbm tive o apoio lindo de uma doula durante meu trabalho de parto. sem ela teria pedido arrego nas primeira horas. Mas com a Kalu ao meu lado eu consegui passar boa parte do meu parto sem nenhum tipo de intervenção. Uma profissional que sabe seus anseios e desejos. Conhece todas as etapas do parto, o que vem a seguir e isso nos deixa tranquila para curtir o momento lindo que é o nascimento de um filho!

    Responder
  9. Lucinéia Siqueira em

    Excelente depoimento, sobretudo neste momento em que o parto domiciliar e o trabalho das doulas vêm sendo amplamente discutidos. Ainda não passei pela experiência da maternidade, mas, certamente, quando chegar a hora, me sentirei mais amparada, protegida e bem orientada, se tiver a companhia de uma doula. A mim parece inegável a sua importância, sobretudo num momento em que a maior parte das mulheres se encontra insegura e frágil. Espero contar com o apoio de uma dessas amáveis profissionais para que eu possa ter uma experiência materna mais saudável e plena.

    Responder
  10. Patrícia em

    Ótimo Post Gabi! Posso dizer com muita propriedade que ter uma doula fez toda diferença para mim no meu parto!Tenho muito a agradecer a elas!Polly como sempre diz tudo o que precisa ser dito!um beijo para as duas!

    Responder
  11. Patrícia em

    Belíssimo Texto Gabi! Doula, esta palavra sempre soou como musica aos meus ouvidos. Como é humilde e livre de egocentrismo o vocabulário das doulas! Coisa linda ver e ouvir “AJUDEI/ ASSISTI a fulaninha vir ao mundo!

    Responder
  12. Michelle Amorim em

    Ter tido o apoio de uma doula no meu parto teria sido maravilhoso. Ótimo texto e informações Gabi. Bem vinda :)

    Responder
  13. Fernanda Botelho em

    Não conhecia este termo, nem esta linda função… Achei o texto extremamente claro, além de dar uma vontade danada de ser acompanhada por uma doula num momento tão especial como o de ter um filho :-) Vou compartilhar!

    Responder
  14. Fernanda Nahas em

    Assim, como a Fernanda Henriques, acompanhei a gestação da Gabi, minha comadre. E sim, foi uma gestação muito tranquila (tirando, claro, os enjôos e desconfortos normais de uma gravidez). Esta tranquilidade veio de mta informação. Gabi estudou durante toda sua gestação as melhores formas de trazer João ao mundo. E ele veio lindo, saudável, cheio de vida! É uma criança alegre, feliz e calma. Com certeza, isso é resultado de todo o amparo que minha amiga teve de sua doula. E o papai de primeira viagem também participou de tudo, fazendo desta gravidez o ínicio de uma família linda!

    Responder
  15. Ludmilla Stochiero em

    Muito bacana o texto Gabi! Não sei se a Fê Nahas te falou mas estou grávida de gêmeos. Eu não conhecia nada sobre doulas até conhecer a mãe de uma amiga minha que é doula voluntária no Sofia Feldman, salvo engano. Confesso que esse assunto tem me deixado um pouco inquieta, pois apesar do meu desejo em fazer o parto normal para receber meus pequenos, tenho receios quanto a possíveis complicações decorrentes de uma gestação gemelar. Enfim… Bom saber de casos de sucesso. Parabéns pelo texto.

    Responder
  16. Gabi em

    Meninas, obrigadas pela calorosa recepção ao texto!!!

    Responder
  17. Flávia Elias em

    Gabi,
    Não conhecia sobre as “Doulas”, e achei incrível!!=))
    BJOKAS

    Responder
  18. Lorena Prates em

    Vou ter minha bebê até 02/12 e gostaria de contar com uma doula, alguém ai tem indicação em BH?

    Responder
    1. Gabi respondeu Lorena Prates em

      Lorena, Polly AF e Helena Villas-Boas, que comentaram acima, são Doulas! Vc pode conhecer outras se inscrevendo na lista do Yahoo “parto ativo bh”! Sábado tem encontro do Isthar, às 09:30 hs, nomParque Ecológico da Pampulha. Por que não aparece?

      Responder
  19. MONICA TEIXEIRA em

    Excelente os seus trabalhos , e deixo aqui meu recado sou Doula a quatro anos na maternidade da UFMG, amo o que faço , e inumeros partos que eu atuei , com minha experiencia foi um sucesso… DEUS obrigado…. Se precisarem do meu trabalho o meu tel 031 9 87128102..obrigado … *MONICA… MG-BH

    Responder

Deixe seu comentário!