Categories: Cotidiano/ Crianças/ Saúde e Cuidados

O filho que só fica doente, os cornetos, a mãe cansada e o gato malvado

Estava há doze dias sem atualizar o blog e achei por bem contar para vocês alguns dos motivos. E digo alguns porque se fosse falar de tudo que aconteceu ao mesmo tempo no último mês, precisaria de dias para terminar esse post.

Para começar, vamos falar do Leonardo, aquela criança linda, sorridente e aparentemente saudável, mas que fica doente a todo instante. E o histórico começa assim:

Com menos de quarenta dias de vida, ele já me deu um susto tremendo com uma febre de 38 graus que apareceu do nada, sem explicação nenhuma. E que foi embora da mesma forma que chegou.

Aos três meses e meio, depois de tudo que aconteceu e contei aqui, ele foi diagnosticado com APLV (alergia à proteína do leite de vaca) e, também, com rinite alérgica.

Aos cinco meses, iniciamos o tratamento com homeopatia, além de continuarmos indo regularmente ao pediatra que nos atende desde que os pequenos nasceram.

A introdução dos alimentos sólidos veio logo em seguida, e as coisas correram bem, melhor até do que eu imaginava. Nos dias atuais, Leo se alimenta de maneira satisfatória – em quantidade e qualidade – e é curioso para provar novos alimentos. Se não gosta, cospe. Se gosta, quer mais.

Sempre foi uma criança muito ativa, alegre e aparentemente, muito saudável também.

O que ocorre é: desde os nove meses de idade – pelo que me recordo –  ele não passa um mês sem ficar doente. E nesses dezenove meses de vida, já tomou mais antibióticos do que a irmã, que completa cinco anos em breve. Nesses dezenove meses, foram várias idas ao pronto atendimento de emergência (aqueles que você espera duas, três horas para ser atendido…) e consultas com o pediatra, a homeopata e a alergista, que entrou na jogada há algum tempo já. Nesses dezenove meses, tivemos muitas e muitas noites mal dormidas. muito choro, muito incômodo e muito stress com medicações ruins de tomar e contínuas. Stress para mim (para nós) e para ele.

Normalmente, a coisa desanda quando a rinite – que é uma infecção nas mucosas nasais e uma reação específica do sistema de defesa do organismo à substâncias normalmente inofensivas – piora, por algum fator aleatório como: alguém que fuma o pega no colo, mudanças bruscas de temperatura (coisa característica aqui de Curitiba), uma poeira aqui, um pelo da nossa gata acolá, um ventinho mais frio que bateu e bum: a rinite aumenta, a febre vem e junto dela muita coriza, dificuldade para respirar e tosse. A rinite acaba sempre evoluindo para uma rinusinusite. Inflamação de garganta aconteceu apenas duas vezes e de ouvido apenas uma. O comum é a sinusite mesmo.

E vejam: nós tomamos todos os cuidados possíveis (os que dependem somente de nós e pessoas próximas e comprometidas com o bem estar dele). A casa é aspirada e limpa de forma que não acumule poeira. No quarto dele não há nada que possa piorar a rinite, como tapetes, bichos de pelúcia, cobertores felpudos, etc. Boo praticamente não entra lá e nunca se atreveu nem a tentar entrar no berço. Ainda assim, escovamos seus pelos todos os dias e não os colocamos em contato direto. Não o colocamos na escolinha, nem por meio período, ainda. Algo que eu realmente precisava para conseguir exercer meu trabalho no blog da maneira como eu gostaria (e deveria). Mantemos uma alimentação saudável para ele, usando e abusando de frutas, legumes e verduras, até porque ele é alérgico a proteína do leite e derivados e não pode comer muitas das coisas que a irmã come, por exemplo.

Já tentamos homeopatia apenas, homeopatia + alopatia, fitoterápicos, reza brava e dança da chuva (nesse caso, dança da saúde). E, mesmo assim, ele continua ficando doente.

O último episódio dessa novela aconteceu há uns vinte dias atrás quando, na hora de dormir, percebi que Leo estava muito quente e constatei uma febre de 39 graus. Sem coriza, sem tosse, sem qualquer outro sintoma. A febre alta persistiu até o dia seguinte, quando, então, o levamos ao hospital. Lá, o pediatra do plantão não encontrou nada que justificasse aquela febre e pediu que realizássemos um exame de urina. Fizemos no dia seguinte e em seguida o resultado confirmou: tudo ok, sem infecção urinária.

Um dia depois o levamos ao pediatra deles e a garganta estava bem irritada, porém sem sinais de inflamação. Preferimos investigar um pouco mais antes de partir para o antibiótico, até porque a febre havia baixado bastante e estava oscilando entre 37,5 a 37,9. Dr. Amauri pediu então que fizéssemos um raio x de cavum e seios da face, para sabermos se poderia ser a adenoide aumentada que estivesse contribuindo para que ele ficasse doente ou, então, confirmar uma sinusite que pudesse estar causando aquela febre.

Realizamos o exames e a adenoide se mostrou com aumento moderado, apenas. Os exames indicaram sinusite também, coisa que eu já tinha certeza. Como a febre persistia e a coriza por fim se manifestou com tudo, tivemos que levá-lo novamente ao plantão (três horas e vinte minutos de espera, neste último domingão). Lá o pediatra prescreveu um antibiótico (juro que tenho vontade de sentar e chorar cada vez que ouço essa palavra) e a manutenção do que já estávamos usando (xarope anti alérgico, sprays nasais, etc). Com dois dias de medicamento, a febre praticamente sumiu, a coriza diminuiu bastante e o nariz foi destrancando.

Ontem o levamos ao otorrino, principalmente para que ele desse uma olhada nos exames do Leo. Lá, ele me deu a explicação mais clara que já tive sobre como as alergias do pequeno influnciam no fato dele ficar doente a toda hora. Fiquei sabendo da existência dos cornetos nasais, que são projeções ósseas alongadas e revestidas de mucosa que ficam na parede lateral da cavidade nasal. Têm a função de umidificar e remover impurezas do ar que inspiramos. Conseguem regular o fluxo aéreo “murchando” ou “inchando” sua mucosa, e com isso diminuindo ou aumentando o espaço dentro da fossa nasal. O “inchaço” dos cornetos inferiores aumenta (hipertrofia) seu tamanho. Na maioria das vezes essa hipertrofia acontece por inflamação crônica da mucosa nasal desencadeada por processos alérgicos, irritantes nasais, medicamentos, alterações hormonais e sinusites. 

Esta obstrução acarreta o início da colonização por germes e fungos que estão presentes na região, mas não encontravam condições favoráveis ao seu crescimento. Daí vem a febre e toda a ladainha que contei acima. Então são esses benditos cornetos os culpados, rá! :(

Agora o próximo passo será algo que eu sinto que deveríamos ter feito antes: consultá-lo com um imunologista. Temos consulta na quarta-feira e vamos ver quais serão as indicações, se vamos continuar tratando a alergia ou se realmente será necessário usarmos algo para aumentar a imunidade dele. O que eu sei é que não tem sido nada fácil ver meu filhote doente semana sim, semana não, nem todo esse stress e as noites mal dormidas que vêm junto. Por isso não tenho conseguido escrever, responder aos e-mails, etc, por estar mentalmente (e fisicamente) exausta. Rezem por nós <3

IMG_8714

***

Sobre o gato malvado do título do post, eis uma historinha para vocês:

Um belo dia avistei um gato “siamês” muito parecido com a Boo aqui no nosso terreno de trás. Nunca o tinha visto nas redondezas e apenas deixei que ele rondasse a área, mas sempre de olho na Boo. Não sabia se era macho, fêmea, se era de algum vizinho ou não. Mesmo assim, ele ganhou o nome de Danny (porque na hora de nomeá-lo nos lembramos do cachorrinho fofinho do desenho da Peppa).

Começamos a notar que ele/ela estava marcando território e fazendo xixi na garagem e nas coisas que estão no depósito (ainda em construção). Tentamos fechar as possíveis passagens dele, que simplesmente ignorou todo o nosso esforço e conseguiu entrar, outra vez.

E então, na última sexta-feira, enquanto eu dava uma sopa quentinha para o Leo e Mel comia a dela ao nosso lado, de repente vimos uma bola entrar voando pela janela da cozinha e pairar sobre a bancada. A “bola” era Boo e Danny brigando e por pouco não derrubaram todos os pratos que estavam no escorredor de louças.

Eu saltei da cadeira e fui para perto deles, que estavam engalfinhados. Ao ver a Boo de barriga para cima tentando desesperada se defender, não pensei duas vezes para enfiar minha mão lá no meio e tentar empurrar Danny para longe. Nisso, ele me mordeu muito forte no braço, bem perto do punho. Isso tudo aconteceu em coisa de segundos, foi tudo muito rápido.

O berro que eu dei (de dor) foi tão alto, que o gato malvado saiu correndo lá para trás e Boo correu para debaixo da mesa da sala. Nisso Leo estava aos prantos, super assustado. Ele fica muito impressionado quando me vê chorando, fica sentido mesmo. Já a Mel estava num misto de curiosidade, sentimento de aventura e adrenalina, medo e … risadas!!! Vejam se posso com isso. Eu com o braço sangrando, com muita dor, o irmão chorando, Boo com os pelos arrepiados parecendo um chow chow e ela rindo. Mas foi bom, alguém ali tinha que manter a calma, né?

Para encurtar a história: falei com uma amiga que é médica para ver se eu precisaria ir naquela mesma noite a um posto 24 horas, para tomar a vacina anti rábica. Ela me disse que sim, claro que tinha que ir! Ainda mais por ser um gato desconhecido. Para não termos que tirar Mel e Leo da cama nem eu precisasse ir sozinha à aquela hora no UPA, meu irmão veio até aqui, para irmos juntos. No caminho rimos tanto das nossas piadinhas internas e conversas que só os irmãos têm, que até esqueci um pouco da dor. Chegando lá ele tostou a minha cara ao dizer para a atendente que eu tinha sido mordida por um morcego silvestre (?!), mas logo riu e disse que tinha sido um gato selvagem, hahaha.

Nesse caso de gato desconhecido, o protocolo é de 5 doses da vacina, a serem aplicadas ao longo dos trinta dias subsequentes (1, 3, 7 dia e assim por diante). Fora isso, um antibiótico do tamanho de uma amêndoa, para ser tomado por dez dias. Que beleza!

IMG_8779

Na hora do incidente, dei uma olhada geral na Boo, apalpei tudo e não percebi nenhum machucado. Mas no dia seguinte percebi que ela passou o dia deitada, levantou apenas para beber água e comer um pouquinho uma só vez. Então vi que algo estava errado, porque o rabo dela (a cauda como os veterinários dizem) parecia estar pendurada, meio mole. E além disso, ela estava andando com o bumbum lá pra cima, bem estranho.

Levamos na clínica veterinária que atende 24 horas e encontramos uma laceração no rabo (feita por uma mordida do outro gato) e outra, mais superficial, no corpinho dela. O rabo teve que ser raspado, a ferida foi limpa e então foi imobilizado.

IMG_8797

IMG_8806

Boo está se recuperando bem e, como sempre, estamos sendo muito bem acompanhados pelo pessoal da PetClin. Ela entrou lá pela primeira vez com quase dois meses de idade e, desde então, todos os procedimentos que fizemos (castração, retirada de tártaro) e vacinas são feitas lá. Recomendo muito o atendimento, fora que a Dra Lilian e o Dr Cesar são super atenciosos e queridos.

E esse é um resumo dos acontecimentos das últimas semanas. No fim, entre mortos e feridos, ou melhor, entre mordidos e feridos, todos ficarão bem. Amém.

comentários via facebook

38 comments

  1. Owwnn Mi… Tadinha de você! É uma luta diária né? Fiz todo esse tour pelos médicos de todas as especialidades de Recife por conta de tantos antibióticos tomados! Por enquanto antibiótico nunca mais usamos, mas a crise de rinite veio com tudo agora por causa do clima aqui que está bem instável.
    Melhoras aí!
    Beijo pra vocês!
    Se precisar conversar é só chamar!

  2. Minha querida tenha fé de que toda essa leva de azar passou. Vocês são uma família linda e amada por todo o Brasil (e digamos alguns outros muitos países também, rs!). Torcendo pra tudo se ajeitar para você, para a Boo, para nosso pequeno príncipe Leo e também para a Mel (risonha) que eu vi que você comentou que estava começando a gripar. Orando aqui minha querida para tudo dar certos. Energias positivas para novos posts mais e mais carinhosos, sempre! Beijos.

  3. Menina que loucura….gato do mal mesmo…….tadinha da Boo……eu passei por isso quando minha pitbull MEL era um filhote um cachorro entrou na minha casa bateu nela quase a matou (pois ela era um filhote indefeso) e deitou na cama dela e comia toda ração a vizinha socou o cachorro ele avançou nela e todo dia de manha la vinha o carrocho quando saíamos mas depois ele apareceu morto (nao fomos nós) alguem malvado matou ele …foi um alivio pra nos mas jamais faíamos isso………quanto ao bebe que fica sempre doente…ohh meu DEUS crianças alérgicas ficam mto doentes ne ainda mais aqui em curitiba (sou da região metropolitana) é um caos minha filha nao é alergica assim mas tbm ficou doentinha esse mes teve bronquiolite é virus nao toma antibiótico mas toma corticoide e broncodilatador nao da febre mas é bem perigoso tbm se der febre pior ainda…estamos passando por isso agora mas ja começou a melhorar nada como o pediatra de confiança ne….mas melhoras pra vc e o Leo e dá um jeito de espantar este gato dai….nao sou mto fã de gatos tenho medo…qndo criança fui atacada tbm…….mas mexeu com nossos bichinhos ja ficamos bravos ne…….hj nenhum cachorro mais bate na MEL (hahahaha) ela nunca atacou ninguem nem bichos é mto amável……mas fica presa sempre ne…ama a BEA e a BEA ama tbm…mas tenho certeza que hj nao vai nenhum cachorro la se meter a besta…..mas tbm fechaos mais nosso quintal antes era mais aberto……bom enfim boa sorte com o filhote ai…e que este tempo se normalize sem mtas variações ne…..

  4. oi, Michelle!
    Acho que vc já deve ter tentado de tudo em relação ao Léo , mas caso ainda não tenha tentado, vc já ouviu falar em lavagem do nariz com soro? A fisioterapeuta que nos atendeu qdo Otávio teve bronquiolite indicou durante o tratamento e para continuar como prevenção Tb, a limpeza das narinas evita muitas doenças. Vc “aplica” o soro com uma seringa bem fina, uns 5 ml em cada narina, tampa uma narina e aplica na outra. Espero que encontrem logo o tratamento mais adequado. Bjs

  5. Quando comecei a ler seu post logo me veio à mente que o Leo poderia precisar melhorar a imunidade. Que bom que vão consultar um imuno!
    Que Deus abençoe vocês, fiquem bem!

  6. Nossa Michelle, não tenho instagram mas sempre acompanhava através do blog e torci muito para que tudo ficasse bem por aí. Nossa como fiquei triste por saber que mais uma vez o Leonardo estava dodoí, acho que não tem mãe que não deseje estar no lugar do pequeno nessas horas.
    Mamãe sempre dizia que por trás de momentos tão difíceis sempre viria dias bem melhores e é isso que desejo pra você, dias de muita paz, dias prazerosos.
    Mais confesso que dessas situações toda não pude deixar de rir associando as risadas da Melanie a todo esse momento angustiante… ela é uma fofa!
    Um abração bem apertado e super beijos cheios de coisas boas direcionadas ao seu lar.

  7. Michele sei bem o que você esta passando. Minha pequena de 2 anos e 7 meses, tem asma/bronquite e qualquer coisa, qualquer mesmo (cheiro mais forte, alteração de temperatura, um ventinho, uma friagem, alguém com gripe, etc) desencadeia uma nova crise. Fiz até uma planilha para acompanhamento das crises e de remédios que ela toma. A cada crise são pelo menos 10 dias de sufoco em casa. Na penúltima vez passamos o carnaval inteiro no Hospital (ela ficou internada 5 dias), pois como estava em crise, sua resistência caiu o que facilitou o contágio por uma virose, que fez a bronquite piorar e virar uma pneumonia. Assim sendo, temos em casa todos os equipamentos/mediamentos de prontidão: oximetro, para verificar a satuação; inalador; seringas, para limpeza das narinas com soro todos os dias; bombinhas broncodilatadoras; corticoide, etc. Iniciamos tratamento com a pneumologista, faz uns 3 meses, mas ela teve uma nova crise, essa última conseguimos lidar (emocionalmente) melhor. Mas de uma coisa eu sei: Não é fácil! Todo mundo fica stressado, cansado e muito sensível. Fora o medo de nova internação (nesses 2 anos e 7 meses foram 4 x).
    Minha sogra, que teve 5 filhos com bronquite, disse que é preciso paciência e cuidado. Que aos 8 anos tudo melhora… então vamos nós aguentando e se fortalecendo a cada crise… procurando alternativas (fisioterapia respiratória, inalação com soro, limpeza das narinas – todos diariamente)…
    Saiba que você não está sozinha…

  8. Oi, não consigo mais acessar o blog pelo celular… o que é uma pena, pois sempre lia os posts nos intervalos, no celular mesmo…

    Foi feita alguma mudança recente que possa ter ocasionado isso?

    Beijos

    1. Oi Adriana! Quando o blog mudou para esse layout novo, também foi desenvolvido um layout responsivo, que nada mais é do que um layout que se adapta conforme de onde é acessado: computador, celular, tablet, etc. Não era para acontecer isso, mas não foi só com você.

      Em breve mudarei de hospedagem e veremos se isso não resolve esse problema também.

      Bjo

  9. Jesus!!! Eu já ia dar meu depoimento sobre a minha filha de 3anos que é igualzinha ao Léo. Mas agora estou chocada com esse gato. Socorro!!! Voltando a saúde do Léo. Tenha fé que melhora. Já fizemos todo esse tour nas especialidades também. Imuno/alergo/otorrino/homeopata, além da Ped que fez o parto e a acompanha até hoje. Inclusive já escapamos de uma cirurgia de urgência. Na época ela estava usando 08 (OITO) REMÉDIOS ao mesmo tempo. Como sou médica não vou dizer aqui o que resolveu pra gente (um conjunto de vacinas, medicamentos, etc…), pois não quero mamães se auto-medicando. Mas vcs estão no caminho certo. Tenham fé. E boa sorte. PS: eu ODEIO antibiótico e só este ano já escapei de uns 4 com a homeopatia milagrosa. Beijos.

  10. Mi, meu filhote TB e alérgico e tenho duas dicas legais. A primeira e a vacina contra pneumonia que alivia muito a sinusite. A segunda e dar suco de inhame cru batido no liquidificador. Meu porteiro deu a dica e sinto que seca legal o muco. Eu tinha um pediatria que entupia meu filho de remédio e eu odiava isso. Troquei de pediatra e me senti bem confiante. Uma homeopata que usa alopatia quando necessário, não deixa as crianças irem na emergência e não deixa dar nada na febre. Fernando toma banho na água fria e gosta muito de piscina. Com o tempo a imunidade melhora, mas açaí, abacate, castanha e fígado são muito bons nessa idade. Melhoras para o Leo.

  11. Bom dia Michelle….
    Visitando seu blog acabei vendo tudo que passei com meu filho ha alguns anos atras… Ele tinha 2anos e meio na epoca que foi diagnosticado rinite sinusite e td mais…. Fiz vários tratamentos com corticóides e nada adiantava ….mascarava mas nao passava….. Isso por uns 2 anos…. Ate que encontrei um medico q decidiu dar broncho vaxon … Ele aumenta a imubidade da criança nao e antibiótico …. nada de remedio……. É como se fosse uma vacina para crianças alergicas da parte respiratoria…. Fale com o imuno q vc vai levar e de pro seu filho… Vc nao vai se arrepender. Meu esta com 9 anos hj e desde 2012 ele nao teve mais nada nem um resfriado ele pegou…. E olha q minha familia mora ai em Curitiba e eu estou morando no interior de SP.. Fomos ai no inverno e ele ficou super bem.

  12. Oi Mi,
    Estava com saudade dos seus posts, pena saber que a razão da ausência foi todo esse perrengue, espero que as coisas melhorem em breve. Tenho rinite alérgica e já fiquei meses tendo uma crise após a outra, e foi sofrido, fiz um tratamento longo e por um tempo resolvia, mas diminuía a minha imunidade e logo tudo recomeçava, as crises, a sinusite, enfim, todo o combo que vem junto. Imagino como deve ser para o Léo e peço a Deus que o cure e ele não passe mais por dias assim. Sempre tive medo da minha bebê passar por isso, mas graças a Deus ela nunca deu nenhum sinal de ser alérgica. Força e melhoras para vocês. Bjos.

  13. Senti sua falta, apesar de ver o seu blog a cada 15 dias. Mas sempre te acompanho no Instagram. Queria saber o que aconteceu com o Danny? Mesmo fazendo esse estrago todo em você e na Boo, era bom da uma olhada se tem dono e se não tem procurar um. Sou muito apegada com gatos, tenho duas pragas em casa, mas sempre que posso dou um carinho aos que ficam na rua. ;)

  14. Parece aqui em casa, sinto a mesmo coisa quando o medico me fala que o Davi tem que tomar antibiótico por causa da bendita renite, como sofro a cada espirro, gera uma ansiedade geral aqui em casa. Moro em Araucária, e com a terrível mudança de temperatura e o a poluição que parece que estamos na China sofremos com as crises quase todos os meses, o Davi já teve que fazer cirurgia para retirada da adenoide e amidoladas desde que nasceu já observamos que ele não respirava direito nós 3 anos de idade acho que ele já foi mais no medico que eu rsrrsrs. Que o Léo fique bom logo e que nós tenhamos mais dias sem renite..bjos adoro o Blog..

  15. Mi, passei por uma situação bem semelhante com o meu filho quando ele tinha 2 anos ( hoje ele esta com 4). Crises e mais crises de sinusite, muitas amigdalites, otites e etc… Ele não passava 15 dias sem adoecer. Chegamos ao ponto dos antibióticos que ele costumava tomar não fazerem mais efeitos. Foi então que fui ao pediatra atual dele, que é infectologista, e apos vários exames para que ele conhecesse os problemas do meu filho, ele receitou um tratamento imunológico com um medicamento chamado Bronco vaxxon (não tenho mais certeza de como se escreve). É um lisado bacteriano que tem como objetivo aumentar as defesas do organismo contra as bactérias que costumam atingir o trato respiratório. Olha…foi milagroso! Depois disso meu filhote passa meses e mais meses sem adoecer. Ele é bastante alergico também e tem recomendação para a retirada das adenoides, por isso um nariz entupido as vezes aparece. Mas nada que n resolva com um anti alérgico e um sorinho nasal… Acabou a rotina de antibióticos. Enfim…me prolonguei demais. Mas fica a dica… Este medicamento melhorou demais a situação imunológica do meu pequeno. Se for o caso, vale falar com o seu medico de confiança sobre ele. Beijos e ficarei torcendo por vocês…

  16. Nossa Michelle, que ótimo que o otorrino descobriu o que o Léo tem. Adoro o pediatra das meninas, acho ele super competente mas quando elas estão ruins do nariz ou garganta levo direto ao otorrino, que também é muito atencioso e seguro no que diz e faz, tanto que eu fiz a cirurgia de desvio de septo com ele e a Ana Luiza fez adenoide. Tomara que daqui para frente o Léo fique menos (de preferência nada) doente.
    Agora, que fase hein?!! Até a Boo entrou no rolo…kkkk. Que bom que vcs já estão bem depois desse susto, e afinal que fim levou Danny???
    Bjo grande pra vcs todos :)

  17. Michele, nunca comentei aqui, mas adoro seu blog, também sou mãe de uma fofa de 4 anos e tambem moro em Curitiba. Não sei se vc já conhece, mas esses dias pelas minhas andanças no facebook descobri a Pediatra na sua casa. Graças a Deus faz tempo que minha pequena não fica doente,então nunca a chamei, mas de repente é uma opção melhor do que ficar horas esperando em Pronto Socorro. Pelo que li, ela atende a domicilio das 8 as 22hs e me parece que a consulta é 250,00. Lendo esse post lembrei dela e quem sabe pode ser uma opção naqueles momentos de stress com o bebe doente. Até pelo que vi no face dela, semana passada estava em um congresso de Imunologia! Bom, fica a dica, e se algum dia utilizar esse serviço, nos conte como foi! Beijos

  18. Olá, tenho um filho que teve alergia alimentar múltipla, queria te deixar a dica de investigar alergia à outros alimentos, pois alergias alimentares podem desencadear problemas respiratórios também. :) Melhoras, é horrível ver os filhos doentes, ainda mais repetidamente. Quanto ao gato, se for mesmo do vizinho que prendam esse evil cat, e mantenham assim. *rs Bjos

  19. Nossa.. Eu passo a mesma coisa que VC com o meu filho, ele tem rinite tbm, e fica ruim semana sim outra não.. Mesmos sintomas, tudo igual.. Já não sei mais o que fazer, bom se tivesse algo que pudesse ser feito que resolvesse o problema.. Hoje ele está com a rinite atacada… Só Jesus na causa…

  20. Mi, fora a APVL, o Otávio é TÃO alérgico quando o Léo :(
    Ele tomou MUITO, mas MUITO antibiótico mesmo! Nessa mesma idade do Léo, acredita? Depois passamos a dar um pózinho na mamadeira/suco chamado MONTELAIR! Ele ficou quase 1 ano se ter NADA! NADA! Acredita? <3
    Só que, lei de Murhy… o tal MONTELAIR tem uma (rara)reação adversa que aconteceu com o Otávio! Mexeu com a tranquilidade dele! Virou um bichinho pra lá de irritado, batia portas! A pediatra dele e o alergista disseram que só viram dois casos desse na vida. Mas o pó é milagroso!
    Esse ano o Otávio passou com asma :'( (me abraça?) e outras doenças decorrentes da rinite! Não esta fácil!!! Pegou uma infecção na garganta, fez 15 dias de tratamento que n curou, pausou uma semana, +7 dias de tratamento e agora to aqui, sem saber se curou pq ele ainda queixa de dor na garganta quando espirra! SENHOR!!! Fora isso começamos com LEUCOGEN pra ajudar na imunidade!

    Que esse inverso passe logo! Que a imunidade chegue bem ANTES dos 7 anos!!!! Amém

  21. Michele, parabéns pelo blog. Como está o Leo hoje? Vc pode contar sobre a experiência com o imunologista? Quais os medicamentos que ele está usando? Meu filho tb é muito alérgico. Sinusite, antibióticos. .. tudo que vc relatou. Bjs.

deixe seu comentário!