07 out 2014

O bebê começou a engatinhar. E agora? Dá para deixar a casa totalmente segura?

leo_dicas de segurança em casa_blog vida materna

E aí um belo dia, aquele bebezinho lindo, que ainda ontem cheirava a recém nascido, começa a engatinhar e explorar o mundo a sua volta. E agora? O que fazer com esse ser engatinhante e curioso que não tem noção alguma de perigo? Pois é. Eu tinha esquecido do quanto é cansativa e trabalhosa essa fase engatinhar/começar a andar dos pequenos.

Quando a Melanie nasceu, nós morávamos num apartamento perto da casa dos meus pais. Após três meses, nos mudamos para nossa casa atual, porém, ficamos provisoriamente na casa de trás, até que a casa nova ficasse pronta. Como vocês sabem e puderam acompanhar, esse “provisório” acabou se estendendo muito mais do que a gente imaginava e acabamos morando lá por três anos.

A casa provisória era uma espécie de edícula, com cerca de 70m2 divididos em 4 cômodos grandes: quarto, banheiro, sala e cozinha/área de serviço. Dividíamos o quarto com a Mel e a sala era totalmente dominada por ela, com tapetes de e.v.a por todo o chão e todos os brinquedos ali, a disposição. Além disso, os poucos móveis na época, tinham trava de segurança, impedindo que ela abrisse portas e gavetas.

Na cozinha o ambiente era bem controlado também, com trava nas portas dos armários e gavetas mais baixas. No mais, colocamos somente um portãozinho na porta da frente, para evitar acidentes ou que ela saísse sozinha.

Mel nunca foi uma criança muito curiosa, no sentido de arteira, daquelas que aprontam poucas e boas e nos deixam de cabelo em pé. Ela dificilmente se interessava por algo proibido e mais raro ainda era que ela colocasse algo que não deveria na boca. Tanto que nunca precisei me preocupar com a caixa de areia e potes de ração e água da Boo, porque ela nunca mexeu neles. Me parecia que ela sabia exatamente o que era comida, o que era brinquedo e o que não valia a pena colocar na boca. Juro.

O fato de sabermos que aquela casa de trás seria toda reformada e que a maioria dos móveis seriam trocados, nos dava um sossego muito grande. Nada precisava de muito cuidado, além da própria Mel. Lembro como se fosse hoje dela e do pai rabiscando uma parede e dizendo: “não tem problema, vamos derrubá-la depois”. Sim, era um ambiente totalmente controlado e livre: uma casa pequena e sem escadas, uma sala dominada pela criança e móveis que seriam trocados mais tarde.

Já hoje, a coisa é muito diferente.

Primeiro porque moramos numa casa grande com muito mais espaços a serem explorados por um bebê curioso como Leo. Com escadas, sacadas, portas de vidro, móveis e tinta nova nas paredes, enfim, tudo aquilo que não tivemos que nos preocupar antes, na outra casa. Além da preocupação com o piso aqui de baixo (porcelanato) que é gelado para esse clima louco de Curitiba.

Segundo, porque Leo é muito, muito curioso e destemido. Tudo, absolutamente tudo ele quer saber o que é. E isso significa pegar, cheirar, lamber, morder, puxar e uma infinidade de peraltices que só ele consegue fazer.

Alguns exemplos: Melanie nunca se interessou por tomadas. Já o pequeno não passa por uma sem tentar colocar seu dedo no buraquinho e mesmo que o pai tenha me dito que as novas tomadas são anti choque, não consigo ficar tranquila. Quem ficaria, não é?

O que eu posso afirmar é que as coisas eram muito mais tranquilas e fáceis na casa antiga. E que Melanie e Leonardo são muito diferentes nesse aspecto. Sendo assim, tivemos que pensar em soluções para que o pequeno tenha segurança dentro de casa e nós, um pouco de sossego (se é que isso é possível…).

Listei as principais precauções que devemos tomar para tornar nossa casa mais segura para as crianças.

– Instalar redes de proteção nas janelas e sacadas é imprescindível, especialmente se você mora em uma casa com mais andares, sobrado ou apartamento. Além de prevenir acidentes, nos deixa muito mais tranquilos. Aqui em casa, por enquanto só instalamos na janela maior lá do ático, onde fica o playroom. As sacadas já foram projetadas com uma altura um pouco maior no guarda corpo, mas ainda assim quero instalar as redes de proteção também. Para as janelas mais baixas existem ainda opções de limitadores de abertura, em que a criança não consegue abrir um espaço suficiente para sair, por exemplo.

– Proteger tomadas e fios é muito importante, mas fico me perguntando se alguém consegue colocar proteção em todas as tomadas da casa. Por aqui existem muitas, então devemos colocar somente nas que ficam mais visíveis ao nosso bebê explorador. Além das tomadas, Leo tem um interesse especial por todos os fios que ficam aqui debaixo e atrás da mesa do escritório. Mesmo com o uso da canaleta embutida na mesa, alguns fios ainda ficam pelo chão. Então, o jeito está sendo continuar de olho e manter a porta fechada.

– Instalar portões ou grades de segurança para restringir o acesso aos locais de maior perigo ou incidência de acidentes domésticos, que são a cozinha e a área de serviço. Nesses locais existe o perigo de queimaduras (fogão, forno, etc), dos produtos de limpeza, medicamentos e ainda da ração e banheiro dos bichanos, como é o caso por aqui. Por agora, instalamos um portãozinho para restringir o acesso à área de serviço, principalmente porque Leo ficou interessadíssimo na ração da Boo. Assim, fico tranquila também quanto aos produtos de limpeza, mesmo que eles fiquem a uma altura que ele não conseguiria pegar.

– Proteger as escadas com grades de segurança também é essencial. Como a escada aqui de casa é mais larga do que o padrão dos portões destinados a isso (mesmo com o uso do extensor), vamos ter que encomendar um ou dois portões sob medida e ainda não sei se faremos em madeira ou outro material. É importante que o sistema de fechamento e abertura seja eficaz, para que somente os adultos consigam desativá-lo.

– É interessante colocar travas em armários e gavetas, especialmente os da cozinha que contenham facas, tesouras e afins. E ainda, naqueles em que a probabilidade de que o bebê prenda os dedinhos seja maior. Bom se desse para colocar trava em tudo, mas isso pode ser inviável e por que não dizer, desmotivador.

– Porém, como na cozinha moram a maioria dos perigos (o fogão é um deles!) a solução pode ser apenas restringir o acesso colocando uma grade de proteção.

Toalhas de mesa daquelas mais compridas são um perigo constante também. Então o melhor é usar toalhas pequenas, que não tenham aquele caimento ao redor da mesa, sabem? Assim os arteiros de plantão não conseguiram puxar.

– O ideal seria que os bebês não entrassem nos banheiros, mas, que mãe aí consegue fazer um xixi sossegada e de porta fechada estando com um bebezinho em casa? Eu não, pelo menos. Fora que hora ou outra esquecemos as portas abertas e aí é certo que o Leo estará lá em questão de segundos, mexendo aonde? No cesto de lixo, é claro! Já o peguei no pulo do gato tentando abrir o lixo duas vezes. O vaso sanitário também representa perigo e não somente por questões de higiene e bactérias, mas também porque crianças correm risco de afogamento mesmo em quantidades pequenas de água. Por isso, o mais indicado é colocar uma trava na tampa dos vasos sanitários e se possível, manter os pequenos longe dos banheiros.

– Se o bebê dorme em berço, uma das primeiras providências é deixar o estrado no nível mais baixo. Isso na verdade pode e deve ser feito já quando o bebê senta sozinho. E se certificar que ele não consiga escalar usando, por exemplo, o kit berço.

– Na sala geralmente ficam objetos de decoração, plantas, vasos de flores, livros, revistas, enfim, coisas que você não gostaria de ver quebradas, rasgadas ou despedaçadas. Nós tivemos que levar lá para fora um vaso que eu adorava, porque Leo insistia em ir até ele, arrancar as folhas e colocá-las na boca. Mesmo que a gente dificultasse (e muito) a chegada dele até lá. Alguns livros ainda permanecem no rack, mas retiramos porta retratos de vidro e outros objetos que poderiam quebrar. Dizem que é bom deixar uma coisa ou outra para ensinar limites à criança e eu realmente acho legal fazer isso. Até porque quando vamos visitar alguém não encontraremos uma sala totalmente vazia pela frente.

Por agora foi nisso tudo que consegui pensar. Agora temos que comprar esses acessórios e depois conto para vocês o que foi comprado e se funcionou.

16 comentários no blog

  1. Ana Eliza Martelli Ferreira em

    Muito importante o assunto, adoro suas dicas! Aqui em casa também vivo em função de deixar tudo o mais seguro possível. O que mais me preocupa são as escadas! Não consigo relaxar quando o Lucas está nos cômodos de cima! Me dá um super medo! Coisas de mãe…

    Responder
  2. Desirée em

    Olá! Adoro seu blog e o acompanho desde a gravidez, hoje meu filho está com cinco meses e meio. Também moro em Curitiba e meu piso também é porcelanato, tenho medo de deixa-lo no chão, tentei algumas vezes, mas ele começou a espirrar e eu tirei rapidinho. Como vc faz? Deixa mesmo assim?

    Responder
    1. Michelle Amorim respondeu Desirée em

      Oi Desirée!

      Eu tentava mantê-lo somente no tapete dele, mas é impossível. Evito ao máximo, mas ele sempre está engatinhando por onde não deve e atrás de mim, rs. Estou aqui na torcida para esquentar logo porque olha, não está fácil! (e por aqui ainda tenho o plus dele ser super alérgico e ter rinite. ficar no chão piora tudo) :(

      Bjo

      Responder
    2. Michelle Amorim respondeu Desirée em

      Ps: E sempre mantenho ele com duas ou três calças. E meias, hahahaa

      (se estiver frio, claro)

      Responder
  3. Pauline Incutto em

    Oi, Michelle!
    Minha Gi não foi das mais levadas. Mas sempre foi apaixonada por fios e tomadas, do tipo que lambia o carregador do celular. Os fios e carregadores e tentava deixar longe do alcance e as tomadas eu coloquei protetor (apenas nas que ela conseguia alcançar). Outra coisa que comprei foram protetores de quina pra minha mesa que o tampo é de vidro e coloquei travas na porta do rack e em uma porta na cozinha. Deixava ela mexer no armário de panelas. As outras portas de armário ficavam na parte superior, que ela não alcançava.
    Sem querer te frustrar, mas em menos de 6 meses ela aprendeu a tirar os protetores de tomada e a abrir as travas.
    Boa sorte com o Leo! Logo ele aprende!
    Bjs…

    Responder
  4. Larissa Andrade em

    Oi Michelle,
    Quando minha filha era bebê e começou a engatinhar, ela adorava as tomadas, incrível. Comprei alguns protetores de tomadas, mas eles não protegiam bem, ela os tirava rapidinho. Tive que colocar fita adesiva (tipo durex), assim ficava mais tranquila. Na cozinha, nem sempre ia pra lá, mas quando ia, adorava as panelas do armário e, com isso, deixei só itens plásticos e leves na parte debaixo do armário.
    Ótimas suas dicas!
    Bjs,
    Larissa Andrade.

    Responder
  5. Mirela Costa em

    Por aqui compramos os protetores de tomadas que funcionaram super bem, portãozinho na cozinha para Heitor não entrar e as redes de proteção já estavam colocadas, pois temos gatos e elas eram para a segurança deles. Os objetos de decoração foram guardados e, aos poucos, sendo recolocados no lugar à medida que o interesse por eles foi diminuindo.

    Responder
  6. Flávia Rebelato em

    Só te digo uma coisa: Espere ele andar!! Hahaha.. Aqui está um caos, a Laura é muuuuito curiosa, mexe em tudo e nao obedece, ja se molhou mil vezes na água da cachorra, mexe nos armários que ja coloquei fita adesiva para bloquear. Funcionou um tempo, mas agora ela cutuca com a unha e arranca….uma loucura…mas como dizia meu avo, é porque eles tem saúde…rs

    Responder
    1. Ana respondeu Flávia Rebelato em

      Flávia, então é mal (ou bem? rsrs) de Laura. A minha também abre toooodas as gavetas do mundo, não pode ver uma tomada, arranca toda fita que eu coloco para travar as coisas, tenta arrancar todas as capas dos dvd’s da sala e ama de paixão o lixo dos banheiros. A mania da vez é pegar os panos de prato, arrumar um jeito de molhá-los e fica “limpando” o chão da casa toda, depois vem limpar a mamãe, o papai rsrsr….Um caos!

      Responder
      1. Flávia Rebelato respondeu Ana em

        Deve ser sim!!hehehe A minha adora limpar tb, sempre joga a agua dela no chao para poder passar um papel toalha…Bom ver que tem muitas coisas em comum com as outras famílias!!

        Responder
  7. Késsia Albuquerque em

    Fase super cansativa mas cheias de descobertas,é paciência e agilidade para tirar os pequenos do perigo.http://maetambemsearruma.blogspot.com.br/

    Responder
  8. Juliana em

    bah e o meu começou a andar.. jesus! SOCORRO.
    E o meu Leo é igual ao teu. seria o nome?
    Só uns exemplos.. ja comeu ração e agua da cachorro (e mais de uma vez), ja tentou tomar banho no vaso umas 2 vezes, tomada é diversão, acho até que ele levou choque e curtiu. Usar o computador com ele acordado ja era, agora só no momento das sonecas.. já comeu uma planta também, por sorte nao deu nada! hehe
    Contando agora parece engraçado, mas foi um baita susto na hora.

    Boa sorte aí com o teu ;)

    Responder
  9. Rubia Andrade em

    Oi Michelle, acompanho o seu blog faz algum tempo. Estou adorando. Sou uma tentante, porém meu marido ainda não quer filhos (questões financeiras). Tenho 2 gatos, como que é seus filhos com a Boo? Beijos

    Responder
  10. Fred em

    Criei uma app para estimular os pequeninos:
    https://play.google.com/store/apps/details?id=br.com.toymania.activity

    Podem dar um feedback ?

    Obrigado

    Responder
  11. Neima em

    Leo e Gustavo tem muito em comum:p
    Aqui eu abandonei as toalhas de mesa, uso somente jogo americano.
    Tomadas tb têm um poder de atração inexplicável. Em algumas coloquei fita adesiva, em outras móveis bem na frente delas. Tem uma mala de mão aqui na sala que já virou parte da decoração:(
    Na cozinha a porta sempre fica fechada, mas coloquei travas nas gavetas e armários com objetos perigosos. Deixei só 3 portas de armários liberadas (panelas e utensílios de plástico). Lavanderia tb é território proibido.
    É muito difícil controlar a curiosidade dos pequenos, né? Mal dá pra respirar…
    Bjs!

    Responder
  12. Fabi Fontainha em

    Adorei a foto do seu post porque aqui em casa tenho 4 gatos e um bebê de 1 ano. Hoje mesmo ele saiu correndo (agora que já anda tá mais peralta ainda), pegou a ração dos peludos e encheu a boca! affff
    Fabi Fontainha
    http://www.mamaepratica.com.br

    Responder

Deixe seu comentário!