Categories: Comportamento e Educação/ Crianças/ Desenvolvimento

Leonardo, aos (quase) três

img_4331

Leonardo está a dois meses de completar 3 anos de idade. Tanta coisa mudou desde o último registro mensal que fiz dele, que senti vontade de vir aqui contar sobre as novas conquistas e desafios que temos enfrentado. Então, pega a xícara de chá ou de café e vem comigo falar de comportamento, gracinhas, preferências, desfralde, chupeta e troca do berço pela cama.

Comportamento

Continua sendo uma criança amorosa e alegre, fácil de lidar na maior parte do tempo. Passou (e ainda passa) por algumas fases bem complicadas, antes e durante os fantásticos terríveis dois anos. Os momentos mais difíceis de lidar, na minha opinião, são os de frustração por não conseguir realizar alguma ação sozinho e a dificuldade em aceitar limites ou ser contrariado. Ainda temos muito choro e contestações por aqui, mas sabemos que essa fase logo passará e outras virão, continuando o ciclo de crescimento dele. O que fazemos é explicar as coisas de forma simples, dar um tempo para que ele processe as informações, um abraço acolhedor se ele quiser e seguimos com a vida. Algumas vezes ele aceita a situação rapidinho. Em outras, precisamos daquele fôlego extra e daquela contagem até dez, para que ninguém se exalte e coloque um problema a mais na roda. Uma das coisas mais bacanas que conseguimos ensinar a ele, é de que quando ele fala ou pede as coisas chorando ou gritando, fica mais difícil de entendê-lo. Com isso, assim que ele percebe que a comunicação não está funcionando, ele para, enxuga as lágrimas, respira e tenta se acalmar sozinho (o que é bem lindo de se ver, sabem?). E depois de poucos segundos, fala novamente, mas sem chorar ou gritar. A gente abaixa, olha no olho, conversa, explica e tenta resolver os empasses. Às vezes dá certo, em outras o choro recomeça e lá vamos nós outra vez. Mas ninguém disse que ia ser fácil, não é?

Fala e comunicação

Uma das coisas que mais nos chamam a atenção no Leo, principalmente quando (inevitavelmente) o comparamos à irmã, é o quanto ele é comunicativo e conversador. Sabemos, porém, que cada criança tem seu ritmo de desenvolvimento. Lembro que Mel começou a falar mesmo perto dos 3 anos de idade, enquanto Leo desde os 2 anos vem falando mais e mais. Tem sido muito gratificante acompanhar o desenvolvimento dele nesse quesito, o aprendizado de novas palavras, o entendimento de outras sem que tivéssemos que intervir muito e o mais legal: a construção de frases e a capacidade de dialogar conosco. É algo que sentirei muita falta todas as vezes que me lembrar dessa época. Às vezes não precisamos nem explicar a ele o que está acontecendo, porque ele mesmo “nos conta”, do jeitinho dele. Amo o modo como ele me olha na volta da escola e diz “você tava com saudade, mamãe?”. Amo quand0 ele diz “obrigado” de forma tão espontânea a cada vez que alguém atende alguma das suas necessidades. E, claro, amo e derreto um pouco toda vez que ele diz “te amo, mamãe”. 

Alimentação e alergias

Quem acompanha o blog há mais tempo sabe que Leo teve com poucos meses de vida, o diagnóstico de alergia à proteína do leite de vaca, ovos e, posteriormente, à soja (tem um post sobre isso aqui). Hoje, aos quase 3 anos, as alergias estão muito menores. É como se o organismo dele tivesse aprendido a lidar com uma certa quantidade dos alimentos que antes eram proibidos (não sei se cientificamente isso é possível, mas é o que me parece). Por isso, nesse último ano, fomos liberando uma coisinha aqui, outra ali e observando as reações – que, quando ocorrem, limitam-se a um cocô mais mole somente. Em algumas outras poucas vezes, um tiquinho de assadura e eczemas na pele (braços, bochechas ou pernas). Nada comparado as crises do início. A clara do ovo, porém, ainda causa um estrago maior. Por isso, Leo só consome a gema. Continua comendo bem mas agora mostra resistência em provar certos alimentos. Gosta demais de peixe, seguido pela carne e pelo frango. Prefere arroz com feijão de qualquer variação, lentilha e afins a um prato de macarronada, por exemplo. Gosta de pão com patê e geleia caseiros. Continua gostando muito de polenta bolonhesa e sopa de legumes. As frutas preferidas continuam sendo banana, maçã e manga. Ainda não conseguimos que ele se apaixonasse pelo ato de comer salada, mas, claro, não iremos desistir fácil.

Saúde

Leo é uma criança saudável, apesar das alergias alimentares e respiratórias. Quando adoece, na grande maioria das vezes se trata de um resfriado, sinusite ou então a bronquite que ataca. A rinite e a bronquite, aliás, melhoraram bastante, mas ainda temos episódios de crises. Hoje ele faz uso de alguns medicamentos de uso contínuo e também das homeopatias, que tem ajudado muito. Para quem sempre me pergunta, a homeopata das crianças aqui em Curitiba é a Dra. Leticia Gatti.

Rotina e Sono

Como qualquer criança pequena, Leo tem uma rotina bem previsível: acorda, toma seu mamá, logo depois o café da manhã com pão ou bolo e frutas. Brinca sozinho, com a irmã ou brincamos todos juntos, depende do dia. Às vezes damos pequenas saídas, normalmente rápidas. Almoçamos e os deixo na escola, até o final da tarde. Na volta, às vezes ele capota no carro mesmo e esse é o pior horário para sonecas, na minha opinião. Em alguns dias ele acorda assim que o tiro do carro. Em outras, continua dormindo por uma hora ou mais. Nesses dias a rotina fica prejudicada, mas respeito o fato dele estar cansado e com sono. Se isso ocorre, sei que ele não dormiu muito bem à noite, ou que a tarde na escola foi agitada. Então, não forço a barra. Seguimos com o jantar e, depois de brincarem com o pai, vem o banho, historinha para dormir e Leo vai para o berço – por volta das 21:00 ou 21:30. Na grande maioria das vezes, só precisamos dizer que está na hora de dormir e ele já pega suas coisinhas e sobe as escadas sozinho, ao nosso lado. Depois de coberto e aconchegado, fazemos uma pequena oração e ele diz “boa noite” pra gente. Em geral, Leo sempre foi uma criança tranquila nessa parte da rotina – de ir para a cama e acordar. Mas vale registrar, porém, que passamos por uma canseira há uns meses atrás. Era aquele choro na hora de ir dormir, de madrugada e na hora que acordava. Parecia uma TPD – tensão pré/pós dormir. Mas passou, ufa.

Leo e Mel

Desde que nasceu e começou a fazer parte da nossa vida de maneira mais ativa, Leo teve momentos amorosos e tensos com a irmã. Começando lá na época onde ela se prevalecia um pouco de ser mais esperta que ele, passando pelo período onde ele aprendeu a revidar e a puxar o cabelo dela (que sufoco, gente!) até agora, onde eles brigam, correm atrás um do outro soltando fogo pelas ventas, brincam, se rolam no chão, aprontam juntos e, acima de tudo, se amam muito. Se um acorda antes que o outro, não precisa de muito tempo até que estejam perguntando “cadê o Leo?” ou “cadê a Mel?”. Sinto todos os dias que eles são muito felizes de terem um ao outro. São cúmplices, amigos. Ainda terão muitos desentendimentos nessa vida, mas tenho certeza que terão muito mais amor para compartilhar.

Leo (ainda) ama…

Acho que fora a gente, os carrinhos, ou melhor, os bubuns, como ele chama, são o que o pequeno mais ama nessa vida. Carros, motos, aviões, bombeiro, polícia… qualquer coisa que tenha rodas, seja grande, pequena ou minúscula. É com ele mesmo. Adora brincar de faz de conta, de comidinha, de acampamento, de pega pega – especialmente se formos o dinossauro ou o monstro que morde a barriguinha das crianças fofas. Os desenhos preferidos atualmente são Beat Bugs e Puffin Rock (séries originais da Netflix <3), Dora a Aventureira e, claro, Umizoomi. Mas nada deve bater o amor desse menino pelo filme Carros, Mcqueen, Matte, Doc e sua turma. Tanto que a música de abertura do primeiro filme (Real Gone da Sheryl Crow) virou a música preferida dele, seguida de perto por Happy do Meu Malvado Favorito. Os Minions também tem lugar cativo naquele coraçãozinho. Leo continua sendo apaixonado por cachorros e estamos debatendo (de leve) a ideia de ter um (eu queria mais um gato, na verdade). Com a Boo, nossa gatinha, ele já interage super bem, mas ela normalmente sai correndo ao menor sinal de empolgação dele. Fatos aleatórios: Leo adora e sempre se encanta ao ver o sol e a lua. Tem um apego grande aos vovôs Paulo e Gilmar. Dorme com três bichinhos daqueles zoiúdos, sabem? Um Leão, um Pinguin e uma Raposa que ele chama de gato (ownnn).

Na escola

Pequeno desse jeito, Leo já tem listinha de melhores amigos, alguns deles inseparáveis: O Mucas (Lucas), o Pancheco (Francesco) e Benjamin são os mais falados por aqui. Ele também fala bastante das amiguinhas Manoela, Catarina e Mariana. É super ativo e participa de tudo com muito entusiasmo. Ama brincar no quintal da escola, onde pode ter contato com a grama, a terra e a areia, além de poder fazer o que ele mais gosta: correr! Gosta muito da aula de ritmica e de dançar, seja qual for o ritmo.

Desfralde

Fiz o desfralde da Mel quando ela tinha 2 anos e meio. Era verão, estava calor e ainda tivemos o feriado do Carnaval para começar o processo. Senti que Leo estava pronto para o desfralde alguns meses depois, quando ele completou 2 anos e 8 meses. Contudo, estávamos em pleno inverno e sabemos que essa não é a melhor época para se ter calças, calcinhas, cuecas, pernas e bumbuns molhados por aí. Então resolvi esperar até que a Primavera chegasse. Nesse meio tempo, ele demonstrou vontade própria de fazer suas necessidades fora da fralda. A primeira vez foi no dia da festinha de 6 anos da Mel, em que ele pediu para fazer cocô no vaso. Depois foram algumas vezes aqui em casa, a maioria antes do banho, quando ele já estava sem a fralda. Dia desses saiu um big combo xixi + cocô no vaso e todos comemoramos. Com isso percebi que ele já é capaz de controlar seus esfíncteres e já compreende a anatomia da coisa toda. Então, nesta sexta-feira, começaremos o processo pra valer. Vou contando tudo pra vocês a seguir, mas, quem quiser saber como foi o processo com a Mel (que foi super tranquilo e rápido), pode ler esses posts aqui: tag/desfralde. Vou reutilizar todos os acessórios que foram usados com a Mel: troninho, redutor de assento e livros.

Chupeta

Essa parada vai ser mais tensa, já que estamos no auge do reinado da pepê por aqui. Com a Mel foi a mesma coisa. Ela passou por uma fase de apego tremenda, perto dos três anos de idade. No caso dela, como mudamos de casa e o irmão estava prestes a chegar, adiei um pouco a retirada, que acabou acontecendo de forma tranquila até, com 3 anos e cinco meses – contei tudinho aqui e pretendo repetir a mesma fórmula. Leo está muito apegado à chupeta e quando isso acontece, me incomoda muito e me dá aquele estalo de que é hora dela ir embora. Então, começaremos o desfralde daqui a alguns dias e depois, partiremos para a retirada da chupeta.

Berço > Cama

Já era para o pequeno ter feito essa transição para a cama. Até temos uma caminha parada por aqui, mas simplesmente não vislumbrei como fazer isso sem que ele acabasse com um baita roxo na testa. Por quê? Porque Leo é a criança que mais se vira e se mexe ao dormir que eu conheço, juro. Ele se joga para os lados, vira cambalhota quase. Então ele ainda dorme no berço – que era da Melanie e está capenguinha já, coitado. Meu plano é transformar o quarto de bebê dele em um quarto de criança e fazer a transição para a cama até o final do ano. Já tenho muitas ideias e provavelmente iremos optar por uma cama estilo montessori (assim o rapazinho não terá muita opção de cair, hahaha). Assim que começar o projetinho desse make over vou mostrando para vocês.

Esse foi um pequeno resumo dos últimos meses de desenvolvimento desse pequeno que alegra e ilumina todos os dias da minha vida – faça chuva ou faça sol. <3

img_4016

comentários via facebook

6 comments

  1. Que legal Mi, tenho uma pequena de 2 anose 1 mes, legal ver que eles passam por coisas parecidas, por aqui o desfralde acho que esta perto, dia desses ela pediu pra sentar no vaso, pediu papel e começou a limpar o xix cocô ( ela fala tudo junto como se fosse uma coisa so kkkk), quase morri de felicidade por ver sua independência. .um beijo e o Leo ta lindooooo.

  2. Que legal! Gosto de ler esses posts de acompanhamento do Leo porque a minha filha tem quase a mesma idade (2 anos e 7 meses fará segunda feira), e muita coisa que você falou percebo que é bem parecida.
    Eu tentei adiar o desfralde também porque com o frio curitibano achei que seria complicado, mas ela não quis nem saber. Certo dia (há 1 mês e meio, mais ou menos) começou a arrancar a fralda e a querer fazer no penico, que já estava no banheiro havia uns dois meses só de figurante, esperando que ela se interessasse. Só consegui adiar umas 2 semanas, mas aproveitei que veio aquela onda de calorzinho e pronto. Ela ficou feliz da vida, aprendeu rapidão e os acidentes tem sido mínimos. Falta só a fralda da noite agora, que ela já está pedindo para tirar e sempre amanhece seca, mas como a hora do xixi antes de dormir e ao acordar dá choradeira (ela acorda querendo brincar, não ir ao banheiro!) ainda estamos trabalhando nisso.

  3. Que lindo…
    amo ler suas histórias…
    espero que em breve estarei com um bebezinho para eu me apaixonar mais por esse universo…

    Fique com Deus… amo sua vida um cheiro pra você e sua família…

  4. Muito legal, adoro esses posts. Muito bom ver esse desenvolvimento saudável.
    Nessa hora penso em como seria bom pro meu filho ir pra escolinha, mas ainda não me sinto segura e vou esperar mais.
    Não sei se é impressão, mas acho que todo “segundo” filho, fala mais rápido hehehehe

  5. Tão legal ler esses posts sobre o desenvolvimento dos seus pequenos! Não deixe de nos contar sobre a retirada da chupeta, quando acontecer. Minha mãe sempre conta que larguei com 3 anos, ela disse que se eu deixasse na varanda, papai noel ia passar e pega-la pra dar a um bebê que precisasse, e ia deixar pra mim um jogo que eu queria muito ganhar. Troquei fácil, mas depois senti saudades dela hehe Mas minha mãe foi firme e esperou a fase passar. :)

comentar resposta para Laudenire Cancelar