Categories: Comportamento e Educação/ Crianças

Dois

Essa manhã acordamos nós dois juntos, às 5:55. Conversei com você pela babá eletrônica, dizendo que ainda era muito cedo para levantar, que você podia dormir um pouco mais. Quando você se acalmou, voltou a adormecer e tudo ficou em silêncio novamente, ouvi os passarinhos cantando lá fora. Exatamente como ouvi há dois anos atrás, sentada numa bola imensa debaixo do chuveiro da maternidade, momentos antes de ter você nos meus braços.

Não há um dia sequer em que eu não recorde esses acontecimentos e que não reviva um pouquinho daquela emoção dentro da minha cabeça. Não há um dia sequer sem que eu sinta saudade de tudo, da dor, do suor, das lágrimas, do amor. E como é bom ter momentos assim, que valem a pena serem revividos na nossa memória e com todo o nosso coração.

A sua chegada foi tão forte, tão intensa e tão especial, que era difícil pensar que a sua existência dentro da minha vida fosse ainda mais avassaladora do que tudo isso. Mas você foi mostrando a que veio em cada minuto que tem vivido ao meu lado, em cada sorriso, em cada conquista, em cada choro sentido, frustrado ou de dor: você veio a este mundo para, além de ser extremamente feliz e amado, me fazer renascer e evoluir, como mãe e como pessoa.

Desde que você chegou, a maternidade foi tendo cada vez menos cara de bicho papão para mim. Foi ficando mais leve, mais amiga, ainda que sempre naquele estado de sentimentos conflitantes, caos e bagunça – na casa, na mente e na vida. Depois de você, nem tudo eram cólicas, o choro era apenas uma forma de comunicação para quem ainda não sabia se expressar e querer ficar aconchegado no meu peito era apenas uma pura e simples necessidade de amor e de segurança, de quem acabara de chegar num mundo totalmente estranho. Depois de você, tudo ficou mais simples.

Com você, a cada dia que passa, aceito melhor que dias difíceis fazem parte do pacote da vida materna. E que existem ainda os dias péssimos, em que tudo acontece ao mesmo tempo, em que tudo dá errado. Dias em que eu me sinto tão exausta e perdida ao educar dois seres humanos diferentes e lidar com seus dramas, demandas e desavenças, que não consigo deixar de ter aquela vontade louca de fugir para o México, tomar umas oito tequilas e depois dançar com os pés descalços na areia até cansar. E tudo bem me sentir assim de vez em quando, afinal, somos seres humanos, não é mesmo?

Nesse mesmo pacote materno, cheio de desafios e questionamentos eternos, existe acima de tudo o aprendizado e as mudanças que vêm através do amor, quando a gente passa a ver a vida através dos olhinhos curiosos daquela pessoa que há pouco tempo habitava nossa barriga e agora está ali, nos ensinando lições todos os dias. Essa é a melhor parte da maternidade para mim. É claro que eu morro de orgulho de você e da sua irmã, do quanto são amorosos, lindos e felizes – por dentro e por fora. Amo cada pedacinho de vocês, da cabeça até o dedão do pé – até aquele chulezinho gostoso que vocês têm. Através de vocês, eu tenho oportunidades de aprender todos os dias e de exercitar todas aquelas coisas que eu gostaria de ter em todos os momentos da minha vida: paciência, generosidade e compreensão. Ainda tenho muito para melhorar, mas já me faz feliz saber que eu posso.

Quando sua irmã nasceu, há pouco mais de cinco anos atrás, trouxe com ela um amor que eu não conhecia e nem imaginava que existisse. Alguns anos depois, você transformou aquele amor meio desesperado, estabanado e cheio de medos em um amor mais sereno, com menos necessidade de provar algo aos outros e a si mesmo, que consegue manter a calma em situações que antes não conseguia. Continua sendo um amor imenso, mas que respira fundo quando precisa, que não esquece de respirar.

Hoje, dia em que você completa dois anos de vida, eu queria te agradecer por ter vindo, por fazer parte da minha vida. Por ter me permitido gerar e carregar você por nove meses dentro da minha barriga. Por ter escolhido sua hora para nascer e ter sido forte junto comigo para que você viesse ao mundo cercado de amor e de respeito. Por ser você, apenas. Tão querido, tão esperto, tão cheio de alegria e de amor. E, principalmente, por me fazer uma mãe melhor – para a sua irmã, e para você também. Sou muito grata por isso. De verdade.

Todos os dias eu digo várias vezes que os amo. Mas a verdade é que nada nunca vai conseguir explicitar realmente a intensidade desse amor. Talvez quando e se vocês tiverem seus filhos também, vocês compreendam. Por agora, continuo exercendo o meu papel, que é essencialmente e sem vergonha nenhuma, encher vocês de amor.

Você continua sendo a luz da minha vida, sempre será. Na verdade, tenho duas. <3

Não sei se o mundo é bom
Mas ele ficou melhor
Quando você chegou

(Espatódea, Nando Reis)

IMG_1086

comentários via facebook

27 comments

  1. Que lindo!!!!
    Me arrepiei!!!
    Minha mãe sempre me falava exatamente esse trecho “Talvez quando e se vocês tiverem seus filhos também, vocês compreendam.” e hoje eu sei, falta espaço pra tanto amor!!!

  2. Muito amor nesse texto! Lindo demais! Parabéns para o Léo e para vc tb, por ser essa mãezona tão amorosa! E realmente a gente só consegue compreender o amor de uma mãe e de um pai, qdo nos tornamos um… é tanto amor, q dói! Beijos

  3. Parabéns para o Léo! Que a vidinha dele seja repleta de coisas boas, fé, saúde e muito amor. Parabéns Michelle, por esse filho lindo e por essa família maravilhosa que tens. Obrigada por compartilhar conosco todos esses momentos incríveis da tua vida.

    Com amor,

    Brenda Marry

  4. Parabéns ao Leo, muito lindo o texto. Tenho um filho (o Filipe) que também fez 2 aninhos dia 11. Vamos comemorar dia 21 e estarei esperando você publicar a festinha do Leo para prestigiar.

  5. Que amorr!!! Parabéns Leo, e parabéns Michelle por expor todo esse amor em palavras pra nós mamães! Eu ainda estou na parte do “amor meio desesperado, estabanado e cheio de medos” rsrs….Beijos

  6. Lindooo Mi, tenho uma história de amor pelo blog, e coincidência ou nao me casei no dia 17 de novembro de 2013 e pelos cálculos do meu médico foi o dia da concepção da minha linda filha que hj tem 1 ano e 3 meses, esse dia tbm é muito especial pra mim, apesar da gravidez tao rápida, ( alguns ate acham que eu casei gravida) minha família é tudo pra mim. Parabéns pra nós. ..hehe bjos

  7. Onde está você Mi?! Estamos morrendo de saudade dos posts, espero que esteja tudo bem com vocês e as crianças. Cada dia sem posts no teu blog, é praticamente um dia sem aprendizados de amor.

    Beijos em todos aí.

    Com amor,

    Brenda Marry

  8. Lindo, amei. TB tenho um casal: Mari 4a e Davi 2a.
    Verdade, a maternidade traz com ela um mundo se amor até então desconhecido, aquele amor incondicional, é muito forte! Parabéns pelo blog, amo ^^. Bjo

comentar resposta para Mirela Costa Cancelar