12 mar 2018

Dicas para você planejar suas viagens

Dá para organizar uma viagem por conta própria, sem contratar agência de turismo?

Essa foi uma das dúvidas que mais surgiram nos comentários lá no Instagram, durante os dias em que estivemos no México. Então vou contar para vocês como costumo fazer, começando com esse post, um apanhado de dicas para que você possa começar o seu planejamento. Pelo menos por aqui, se não houver economia e muito planejamento, as viagens não saem :)

Uma das coisas que mais me deixa feliz nessa vida é poder planejar uma viagem – seja ela para longe, para perto, para dentro ou para fora do Brasil. A viagem em si começa ali, ainda no planejamento, assim que o destino pipoca na cabeça da gente, sabem? Por aqui, eu passo horas, dias, semanas, meses… pesquisando, lendo e vendo vídeos sobre as cidades, os países e as experiências que outros viajantes já tiveram por lá. É uma pequena viagem dentro da viagem – antes mesmo dela ter data marcada – e é uma delícia!

Claro que, por questões de trabalho, logística e financeira, nós ainda viajamos muito menos do que gostaríamos. Contudo, de um ano pra cá, combinamos de nos esforçar para que as viagens aconteçam com mais frequência – por nós e pelas crianças – principalmente. E, por esforço, leia-se economizar em todo o resto, como saídas, almoços, jantares, compras, tudo mesmo. Nos últimos tempos nos privamos de algumas coisas aqui e ali, e temos pensado mais antes de gastar nosso dinheirinho no dia a dia. Depois de um tempo, os resultados vêm e você sente que valeu a pena assim que bota o pézinho dentro do avião rumo a um novo destino.

Então, antes de começarmos a série de posts sobre o México (e eu sei que vocês estão na expectativa por isso!), queria deixar aqui algumas dicas básicas de planejamento de viagem (especialmente as que são para fora do país), que a maioria de vocês já deve conhecer e até mesmo praticar, mas que não custa reforçar, não é mesmo? Além de querer dividir com vocês o que funciona por aqui, eu amo ler e falar sobre esse assunto. E quanto mais informação pra que a gente possa se planejar e se organizar, melhor!

1. Tenha uma lista dos lugares que gostaria de conhecer, de visitar, de retornar e pesquise as melhores épocas para ir a cada um deles

Geralmente a gente tem aquela listinha de viagem com todos lugares que gostaríamos de conhecer, não é? Uma coisa que costumo fazer é anotar quais meses correspondem a quais estações do ano nesses lugares, quando é considerada alta e baixa temporada, as épocas mais indicadas e as menos indicadas para ir – em países onde ocorrem terremotos e furacões, por exemplo, é bem importante checar isso. Com essa pesquisa em mãos, eu consigo saber quais meses são melhores e/ou mais baratos e isso ajuda muito, especialmente com a compra das passagens aéreas.

2. Destino escolhido, é hora de ver qual a época disponível para a viagem

Tudo realmente começa depois da escolha do destino e de sabermos qual época teremos disponível para viajar. Para mim, as duas coisas estão bem atreladas, porque não adianta definir que queremos visitar o lugar X se financeiramente ou por questões climáticas for inviável ir para lá naquela época. Então a gente analisa as duas coisas juntas, sempre. Somente com isso definido conseguimos dar início ao planejamento da viagem e tudo mais que precisamos organizar para antes, durante e depois.

3. Verifique quais os documentos necessários (e isso inclui vacinas e seguro viagem) para o destino escolhido e quanto tempo antes você precisa providenciá-los

Essa é uma das partes mais importantes do seu planejamento, senão a mais importante, afinal, sem documento ninguém entra e ninguém sai :) Pesquisando, você vai perceber que países do Mercosul exigem apenas o seu RG em bom estado de conservação (mas nada impede que você use o seu passaporte), os demais exigem o passaporte (e que ele tenha uma validade de pelo menos seis meses depois da data do seu retorno) e alguns exigem passaporte + visto de entrada no país. Fique atento também aos países que exigem alguma vacina e o seguro viagem (vamos falar dele mais pra frente). Se você colocar no Google, por exemplo, “Portugal documentos necessários”, várias páginas irão surgir com essa informação. Escolha as postagens mais atuais e nunca deixe de confirmar essas informações nos sites das embaixadas de cada país.

4. Comece suas pesquisas e faça uma estimativa dos custos da viagem

Tendo definido o seu destino, qual época você poderá viajar e quais os documentos necessários, é hora de pesquisar sobre vários quesitos que te ajudarão a ter uma ideia dos seus gastos com essa viagem. Hoje em dia encontramos diversos e ótimos blogs especializados em viagens, inclusive com sugestões de roteiros, das melhores regiões para se hospedar ou do que esperar de cada uma delas, do que fazer e do que ver em cada cidade. Além disso, a gente também fica sabendo onde é bacana comer (e onde não é), qual a melhor forma de locomoção naquele lugar, indicação de empresas, de onde fazer compras, e o mais importante: a gente consegue saber quais experiências as outras pessoas tiveram naquele destino. Isso ajuda demais pra que você planeje suas próprias viagens. Ao final do post vou deixar uma lista de links que podem ser úteis pra você.

As minhas pesquisas sempre começam assim, vou anotando tudo e com isso um esboço da viagem vai surgindo:

Passagens aéreas

Qual o custo aproximado das passagens em reais e com pontos/milhas? Quais os dias ou semanas mais em conta dentro daquele período definido para a viagem? Dois sites que podem te ajudar nessa tarefa são o Skyscanner e o Kiwi, além dos sites das companhias aéreas. Anote tudo.

Acomodação (hotéis, resorts, hostel, apartamentos, etc)

Quanto custa se hospedar naquela região que escolhemos? Qual a melhor opção – dentro do seu perfil de viajante e do quanto você pretende gastar com a sua estadia – ficar em um hotel ou resort, alugar um apartamento, um mix das duas opções? Aqui também vale avaliar quanto tempo você pretende passar dentro da sua acomodação. Por exemplo, na nossa viagem ao México optamos por não ficar em um resort all inclusive justamente porque ficaríamos fora o dia todo e não aproveitaríamos tudo que estaria incluso no (caro!) pacote. O mesmo vale para uma viagem que você sabe que só voltará à noite para dormir. Será que vale a pena pagar caro por aquele hotel bacanérrimo para passar apenas poucas horas usufruindo do quarto? Avalie bem, anote todos os valores e simulações que fizer nessa etapa.

Locomoção durante a sua estadia

Ônibus, trem, metrô, van de agência, alugar um carro – o que é mais indicado no destino da sua viagem, o que os outros viajantes mais recomendam? Em várias cidades o uso do metrô ou de ônibus é uma opção barata e eficiente, você só precisa do itinerário e das informações para fazer isso funcionar. Se você tem em mente alugar um carro, avalie o seguinte: Como dizem ser o trânsito nesse lugar? Existem locais disponíveis para estacionar com facilidade? Quanto custa abastecer nesse lugar? Os passeios que você pretende fazer são para mais longe? Você irá visitar diferentes cidades dentro daquele mesmo país? Então talvez a melhor opção seja o aluguel de um carro mesmo (também falaremos disso a seguir). Existem ainda os transfers e as vans das agências, que valem a pena dependendo de onde e quando você quer ir. Depois de avaliar tudo isso, você terá um valor aproximado de quanto gastaria com locomoção.

Alimentação

O que as pessoas costumam comer naquele país, naquela cidade? Quanto costuma custar um almoço ou um jantar? Essas informações você vai encontrar também durante as suas pesquisas nos blogs de viagem. Sempre dou uma olhada também no Tripadvisor e pesquiso sobre os restaurantes da região. Nas avaliações, os usuários dão suas opiniões sobre os pratos, o atendimento e muitas vezes escrevem se o valor foi compatível com o oferecido. Ajuda bastante a ter uma noção e confesso que essa era nossa principal dúvida sempre, de quanto gastaríamos com a alimentação. Agora já pegamos o jeito e nessa última viagem funcionou muito bem.

Atrações e passeios pagos

Já tem uma ideia do seu roteiro nessa viagem? Mesmo que você não tenha ele definido ainda, já sabe quais lugares, parques e atrações pretende visitar. Anote os valores médios de cada um deles e veja o valor final aproximado, para poder incluir no seu orçamento. Numa viagem para a Disney, por exemplo, o ingresso para os parques é uma das partes mais caras da viagem, por isso vale a pesquisa para não ser pego de surpresa e na maioria dos casos dá para comprar com antecedência, o que garante tranquilidade e um desconto em muitas situações.

Seguro viagem

É obrigatório para o lugar onde você vai? Mesmo que não seja, eu recomendo muito que você analise a possibilidade de fazer um. Imagine passar mal ou se machucar estando em outro país? Os atendimentos costumam ser muito caros, muito caros mesmo. O seguro tem um valor pequeno se compararmos todas as coberturas que ele oferece, contudo, o preço varia por diversos fatores: idade do segurado, país/região contratada, quantidade de dias. Nas últimas viagens, contratei o seguro da Allianz – Mondial Assistance, onde a contratação é bem simples e com preço bacana. Mas vale cotar em outras e ler recomendações de usuários que já utilizaram os serviços da seguradora. Felizmente nós nunca precisamos acionar o seguro viagem, mas ficamos mais tranquilos em viajar com ele feito, especialmente por causa das crianças.

Comunicação/Chip de celular

Você vai precisar de internet ininterrupta durante a viagem ou pode ficar numa boa somente utilizando o wi-fi disponível (quando e onde ele estiver)? Se você quer ou precisa da internet sempre funcionando, é bacana adquirir um chip pré pago, somente para dados de internet ou dados + chamadas, depende da sua necessidade. Dificilmente será mais em conta acionar a sua operadora para esse roaming em outro país, porque sai uma pequena fortuna (a não ser que você tenha um plano muito topíssimo). Eu já utilizei os chips de internet da Movistar (na Argentina) e o Easysim4u agora no México. Ambos funcionaram super bem, só tive alguns episódios de ter que desligar o celular e ligar novamente quando trocávamos de cidade ou região, para que o chip funcionasse normalmente. No caso da Easysim4u, eu comprei no site depois de preencher todos os dados e recebi o chip pelo correio. No dia marcado, coloquei o chip no celular e ele já estava ativo, sem que eu precisasse configurar nada além de ativar o roaming. Achei super prático e que valeu muito a pena. Neste link tem um post explicando tudinho que você precisa saber antes de comprar o seu: www.dicasondeficar.com.br/easysim4u-chip-celular-internet-exterior/

Cotação e variação da moeda local

Fique de olho em como está a cotação da moeda mais usada no país onde você vai. Existem dias da semana em que o câmbio geralmente cai e, sabendo disso, você compra no melhor dia. Se puder ir comprando aos poucos, ótimo. Se só puder ou preferir comprar mais perto da data da viagem, ótimo também. Nessa última viagem nós compramos (dólares, no caso) duas vezes: três semanas antes e dois dias antes da viagem. Um ótimo jeito de acompanhar as variações do câmbio e comprar com uma cotação legal, é usando o site do Melhor Câmbio. Você seleciona qual moeda precisa, a sua localidade e se quer comprar ou vender. O site mostra a menor cotação para papel moeda (dinheiro em espécie) e para cartão pré pago. No rodapé da página você encontra todas as informações, como funciona, etc. Na última vez que usamos, coloquei quantos dólares queria comprar e fiz uma oferta de alguns centavos a menos do que a cotação mostrava. As corretoras analisam e quem aceitar o seu lance entra em contato para combinar os detalhes. Depois da primeira negociação, acabamos fazendo as demais com a mesma corretora, a Monde Câmbio, que eu recomendo muito. Outra casa de câmbio que já utilizei e recomendo é a Deboni Câmbio, que tem muitos anos no mercado. Ambas tem lojas em outras cidades além de Curitiba, vale a pena checar.

Pesquise, pesquise e pesquise sobre o seu destino

Colocando no Google “dicas de viagem + o nome da cidade ou país”, você encontra muita dica bacana, tanto em sites, em blogs pessoais e em vídeos e vlogs no youtube. Não tenha preguiça de ir atrás de informação sobre a sua viagem, porque faz a diferença depois. Leia não só os posts como também os comentários dos leitores. Tem muito depoimento válido e outras dicas úteis também. O mesmo vale para os comentários no youtube. O mandamento aqui é fuçar tudo, analisar, filtrar o que te agrada e então montar o seu roteiro de viagem, aquele que agrade você e os seus acompanhantes de viagem.

Bagagem e compras

Depois de checar qual a franquia de bagagem permitida para o seu destino, veja se você pretende fazer compras por lá. Existem destinos em que o foco definitivamente não são as compras, enquanto outros são muito procurados especialmente por terem preços muito bons. Sabendo se pretende comprar e o que – normalmente eu faço uma wishlist que contém inclusive o preço daquele produto aqui no Brasil, assim fica fácil analisar se vale a pena comprar fora ou não, e o principal: quanto de dinheiro eu precisaria levar para essas compras. É bacana listar o que você pretende levar para a viagem e se tem algum item que precisa comprar antes de ir. Em viagens em que você pretende fazer compras, recomendo levar pouca coisa daqui. Assim você guarda espaço na mala, pra não extrapolar a franquia e acabar pagando excesso de bagagem.

Locando um carro no exterior

Para locar um veículo, você vai precisar da sua carteira de habilitação ou da sua carteira de habilitação + a permissão internacional para dirigir. Em ambos os casos o processo é muito simples e as exigências das locadoras são quase sempre as mesmas: idade mínima de 21 anos, carteira nacional de habilitação, documento de identidade e/ou passaporte, cartão de crédito internacional e em nome do titular da reserva. Vou linkar outro post do Fred porque o blog dele tem informações super certas e detalhadas. Você pode ler todas as dicas para alugar um carro no exterior clicando aqui.

Nós utilizamos a Rentcars e desde o início gostei muito – da praticidade do site, da variedade de locadoras, da possibilidade de pagar sem IOF e de parcelar em até 12x sem juros no cartão. E ainda, por poder contar com um ótimo suporte em português, inclusive via telefone. Nós escolhemos um carro da locadora Alamo (um Jetta) e deu tudo certo. Ele só não veio mais limpinho porque apressamos a entrega por já estarmos cansados da viagem e com duas crianças querendo dormir. Preferimos escolher o seguro mais completo (colisão, incêndio e roubo, seguro para terceiros e a opção de isenção de franquia) para evitar qualquer dor de cabeça durante a estadia ou na hora da entrega.

Alguns adendos na hora de alugar um veículo para a sua viagem:

. Antes de escolher o carro mais em conta, pense na quantidade de malas que irá levar ou trazer. O porta malas do carro alugado precisa comportar toda essa bagagem. No porta malas do Jetta, por exemplo, couberam três malas grandes + uma mala de mão. Na frente do banco traseiro, levamos mais duas malas de mão, e isso foi suficiente para a nossa última viagem.

. Se você vai viajar com crianças pequenas, veja as regras de cada país para o uso da cadeirinha. Existe a opção de levar a sua (nesse caso ela pode ser despachada ou não, depende da companhia e da idade da criança), de alugar junto com o veículo ou de comprar no seu destino (uma que custe bem baratinho e possa ser descartada depois, caso você não possa ou não queira trazer para casa). Eu fiz as contas e o mais caro seria alugar uma cadeirinha, então, desisti. No México, por exemplo, é exigido o uso para crianças menores de 3 anos e, nesse caso, Leo cm 4 anos não precisaria. Mas como sabia que iríamos rodar muito, eu preferi ter mais segurança nas estradas e levar pelo menos um assento de elevação para ele. Ocupou pouco espaço na mala e não precisamos gastar com isso.

Depois de todas essas pesquisas e simulações, você pode traçar o seu plano de ação. Com base na média de gastos que você tem, defina:

. se precisa guardar dinheiro e quanto por mês, ou se aquela sua reserva já cobre todos os gastos da viagem.

. se vai viajar com milhas ou pontos, quanto já tem e quanto precisa/quer acumular ainda.

. organizar e/ou dar entrada em todos documentos necessários – fazer ou renovar o passaporte, requerer vistos, tomar as vacinas no tempo certo (tem um tempo mínimo para fazerem efeito), etc

. acompanhe promoções, tanto de passagens quanto de hospedagens.

Vou linkar aqui alguns blogs de viagem que gosto e que tem ótimas informações e relatos:

Viaje na Viagem

Dicas de onde ficar

Esse mundo é nosso

Sunday Cooks

Preciso Viajar

Café Viagem

Viajando com Pimpolhos

Matraqueando

Rodei

Nós no Mundo

Canais do Youtube que adoro e recomendo, entre os poucos que assisto (especialmente os vídeos sobre viagens)

Chata de Galocha

Vocês sabem que sou fã da Lu e do trabalho dela no Chata, né? Os vídeos e vlogs de viagens estão entre os meus preferidos. Esse vídeo aqui é bem legal para quem tem dúvidas sobre viagem internacional e esse aqui tem ótimas dicas também.

Luisa Accorsi

A Luisa faz vlogs incríveis sobre as viagens dela e o mais bacana são os destinos diferentes que ela escolhe. Esse vídeo aqui tem dicas de ouro.

Dani Noce

Os vlogs da Dani e do Paulo são tipo obras primas, demais de bem feitos!

Karol Pinheiro

Também gosto de acompanhar as viagens da Maqui com a Karol. Os vlogs são super divertidos e bem feitos.

Raya Was Here

Travel and Share

E você? Tem alguma dica de planejamento, de organização ou algum blog de viagem pra indicar? Deixe nos comentários que vou adorar saber!

Nos próximos posts:

. Vamos falar um pouco sobre como escolher em qual região ficar, como eu pesquiso e escolho os hotéis pela internet e também como foram as nossas experiências com o Airbnb (um dos maiores sites pra você alugar casas e apartamentos ao redor do mundo).

. Aplicativos de viagem que são uma mão na roda para qualquer viajante

Acompanhe a gente lá no Instagram também: instagram.com/vidamaterna

8 comentários no blog

  1. Andreia Leite em

    Mi
    Tudo bom?
    Vocês ficaram em qual hotel? Também não estamos optando por resort porque queremos bater perna. Os parques vocês compraram lá?

    Responder
    1. Michelle Amorim respondeu Andreia Leite em

      Oi Andreia! Ficamos em hotel em Chichen Itza, apartamento do Airbnb em Playa Del Carmen e hotel em Cancun. Vai ter post com tudo explicadinho.

      Os ingressos dos parques se comprados antes têm um desconto bem bom, então comprei pelo site antes da viagem. Também vai ter post contando tudo :)

      Bjo

      Responder
      1. Andreia Leite respondeu Michelle Amorim em

        Ebaaaaaa
        Vou aguardar tudinhooooooo
        Obrigado pelo retorno ❤️😘

        Responder
  2. Maila em

    Oi Mi! Acompanho seu blog desde o inicinho e adoro quando tem postagens :)

    Queria perguntar com que idade vocês passaram a curtir mais as viagens com a Mel e o Léo? Do teu ponto de vista, bem pessoal, mesmo. Digo curtir, porque quando meu pequeno tinha 1 ano, nos aventuramos em ficar em hotel em uma cidade não tão longe da minha e não aproveitamos nada. Ele chorou horrores, ficou nervoso, só queria colo, enfim. Voltamos mais cansados do que fomos e prometemos que não íamos mais tão cedo, até pq o hotel era no estilo resort, então pagamos super caro também.

    Eu e o marido confabulamos que a partir dos 3 anos deve ficar mais fácil. Fica? haha
    Sei que tuas crianças são mais velhas, mas me de uma esperança hahaha

    Beijos!

    Responder
    1. Michelle Amorim respondeu Maila em

      Oi Maila, tudo bem?

      Olha, acho que depende de vários fatores essa questão de aproveitar mais as viagens, sabe? Já tivemos episódios em que achávamos que as coisas iam ser um caos e não foram, outros de acharmos que ia ser de boa e acabou sendo um caos, hahaha. Mas em nenhuma das vezes nos arrependemos porque tentamos sempre ter em mente que crianças (especialmente as pequenas) são imprevisíveis e também têm seus dias bons e ruins. Sim, eles vão chorar, vão ficar entediados, vão estranhar a rotina, a comida e o lugar diferente, vão querer correr quando não podem, não vão ter paciência de esperar numa fila… essas coisas que a gente soa a camisa pra contornar com os pequenos. Mas penso que se a gente não tentar e não inserir mais esses eventos na vidinha deles, nunca saberemos que reação eles teriam, sabe?

      Acho que a primeira viagem da Mel foi pouco antes de completar 1 ano de idade e também tivemos muito choro em alguns momentos, tivemos muito cansaço e stress. Com o Leo foi um pouquinho mais tranquilo, mas ainda assim foi cansativo. Depois disso, a partir de 1 ano e meio, as coisas vão ficando mais fáceis (mas nunca são simples como se fossemos só nós dois, é claro). Tem que ter pique!

      O que eu tento sempre ter em mente quando viajamos ou quando planejamos uma viagem, é que vai valer a pena apresentar a eles um lugar novo, um passeio que nunca fizeram, uma comida que nunca comeram, etc. Mesmo que os perrengues aconteçam (e eles sempre acontecem) :D

      Espero ter ajudado!

      Beijo grande

      Responder
  3. Natalie Soares em

    Obrigada por indicar o Sundaycooks :D

    Responder
    1. Michelle Amorim respondeu Natalie Soares em

      Adoro o blog de vocês :)

      Responder
  4. ninaschultes em

    Obrigado pela atenção, Walfrido.

    Responder

Deixe seu comentário!