08 maio 2018

Diário de Viagem México: Valladolid, Mayaland Hotel & Bungalows, Chichen Itzá, Cenote Ik-Kil

Enfim continuando com os posts sobre a viagem ao México! Para quem está chegando agora, recomendo a leitura dos posts anteriores:

  1. Dicas para você planejar suas viagens
  2. México: Chichén Itzá, Riviera Maya e Cancun com crianças – as dúvidas mais comuns
  3. Chichén Itzá, Riviera Maya e Cancun com crianças – nosso roteiro de viagem

Valladolid

Como contei no último post, saindo do aeroporto depois de pegar nosso carro na Alamo, rodamos aproximadamente 206km em pouco mais de 2 horas e 15 minutos até chegarmos em Valladolid – uma pequena cidade colonial bem lindinha, próxima às ruínas maias de Chichen Itzá. Tudo me encantou por lá: as casas coloridas em tons pastel, os pequenos comércios, as pessoas, a festa de Carnaval que acontecia na praça principal, chamada Parque Francisco Cantón Rosado. Nessa parte fica também a Igreja de San Gervasio, que começou a ser construída em 1543, juntamente com a cidade.

Eu queria ter explorado mais da cidade no dia seguinte, mas não conseguimos por um atraso na nossa programação.

picture from holeinthedonut.com

nos sentíamos em pleno filme A Mexicana <3

a igreja toda iluminada, numa das poucas fotos que fiz à noite

Mayaland Hotel & Bungalows

Paramos apenas para comprar água e dar uma olhada numa loja de souvenires. Seguimos viagem e lá pelas 19 horas chegamos ao nosso hotel, o Mayaland Hotel & Bungalows. Depois de termos lido somente resenhas positivas sobre esse lugar e de saber que ele fica coladinho ao sítio arqueológico de Chichen Itzá, local que iríamos visitar no dia seguinte, bem cedinho, não tivemos dúvidas ao escolhê-lo. E só posso dizer que tivemos um único arrependimento quanto ao Mayaland: termos ficado somente uma noite por lá. O lugar é tão lindo, tão mágico e peculiar, que poderíamos ter passado muito mais tempo imersos naquele pequeno paraíso – rodeado de natureza e de história, já que foi construído em 1923 e repleto de influências maias por todos os lados.

Pegamos um superior room e achei excelente para um casal com duas crianças. Quarto bem espaçoso, com duas camas grandes, ótimas roupas de cama e banho, cadeiras, armários, banheiro com banheira e pia dupla. Além disso, a sacada revelava uma vista linda dos fundos do hotel. Tem piscina, trilhas, estacionamento e WiFi gratuitos e as refeições podem ser contratadas como pacote ou a parte.

Assim que nos acomodamos no quarto e trocamos de roupa, descemos para jantar no terraço do hotel. Foi uma das melhores refeições que fizemos durante a viagem e me atrevo a dizer que foi uma das melhores carnes que comi na vida – tudo ao som do violão e das vozes dos mariachis.

O dia seguinte trouxe um sol intenso e uma temperatura que ultrapassou os 31 graus. Acordamos cedo (porém menos cedo do que havíamos planejado) e tomamos o café da manhã rodeados de pássaros que vinham comer migalhas de pão na mão das crianças e de um pavão muito garboso que passeava tranquilamente entre as mesas.

O almoço foi super bacana porque o Mayaland oferece um restaurante dividido por estações gastronômicas que incluem saladas diversas, comida vegetariana, comida típica maia, comida típica mexicana, fast food, grelhados, enfim, para contemplar todos os gostos. O valor (algo em torno de 12 dólares por adulto) é um só e achamos super em conta para comer a vontade e com essa variedade de pratos.

vista para o observatório Maia

minha foto preferida, na entrada do hotel

Chichen Itzá

Conhecer o sítio arqueológico de Chichen Itzá estava no meu top 3 dessa viagem e quis garantir que não deixássemos de visitá-lo planejando esse passeio para o nosso primeiro dia oficial no México. Um dos principais motivos de termos nos hospedado no Mayaland foi que ele fica localizado a menos de 5 minutos da entrada de Chichen Itzá. Assim conseguiríamos entrar mais cedo que as vans que chegam ao local lá pelas dez da manhã trazendo os turistas, evitando assim as filas e garantindo melhores fotos, sem tanta multidão. Ou pelo menos, esse era o plano, já que chegamos umas 9:30 porque acordamos mais tarde do que o planejado. O cansaço da viagem e de tantos voos bateu forte e dormimos demais :)

Dicas importantes: evite o horário do almoço, use roupas leves e fresquinhas, calçados confortáveis para andar, protetor solar, boné ou chapéu, leve água para se hidratar durante a caminhada e pesos mexicanos para compras as entradas. 

As entradas custaram cerca de 250 pesos mexicanos por adulto (as crianças pagaram menos) e o estacionamento cerca de 30 pesos mexicanos. Para entrar com câmeras também é cobrada uma taxa, mas achei meio confusa essa cobrança já que eu só fui “taxada” porque estava com a câmera na mão e para as outras pessoas não houve questionamento nem revista. Mas enfim.

Levamos cerca de 3 horas para visitar Chichen Itzá, contudo, faltaram alguns cantinhos a serem explorados, como o Cenote Sagrado, por exemplo. Além disso, metade desse tempo foi empenhado na busca pelos souvenires que queríamos levar para casa e na busca por sombra para que as crianças pudessem descansar e beber água.

Assim que você adentra o local pela estrada larga de terra, sente a energia que virá a seguir. Quando chegamos, os vendedores estavam montando suas barracas e mostruários e já havia música vinda de algum canto perto dali. Mais alguns passos e a grande atração aparece soberana: a Pirâmide de Kukulcán, que também é chamada de El Castillo e foi eleita uma das 7 Maravilhas do Mundo Moderno. Ela possui 30 metros de altura, com escadarias que antigamente eram usadas como calendário agrícola: 365 dias e doze meses. Hoje em dia não é permitido subir os degraus, já que eles estavam sendo muito desgastados com a visitação sempre intensa.

Como já era de se esperar, essa foi a nossa parte preferida. Mel e Leo ficaram fascinados em ver de pertinho uma pirâmide tão alta e tão bonita. Mas alguns passos depois dela, começaram as reclamações sobre o calor, sobre a caminhada e sobre o quanto eles preferiam estar na praia ou na piscina. Expliquei que eu queria muito conhecer aquele lugar, que era importante para mim e assim eles aquietaram um pouquinho. O grande trunfo, porém, foi quando começamos a olhar a gama enorme de artesanato que é vendida por lá. Aí o entretenimento foi geral e era uma descoberta atrás da outra diante daqueles objetos tão diferentes e legais. Vi algumas pessoas comentando que não era um local bom para comprar artesanato, decoração e lembranças de viagem, mas nós achamos que valeu muito a pena! Tanto que a grande maioria das coisas de decoração que trouxemos foram compradas em Chichen Itzá. Os vendedores são bons na negociação e normalmente acabam oferecendo o produto pela metade do primeiro valor que ofereceram. Todos dizem ter os melhores produtos e preços, mas não tenha medo de dizer que vai pesquisar mais um pouco antes de comprar.

No post de compras vou mostrar em detalhes o que compramos não só em Chichen Itzá mas em toda a viagem. Logo logo :)

Como contei para vocês pelo stories do Instagram (já segue a gente por lá?), fiz vários vídeos utilizando a Gopro, porém, não sabia que ela não tinha estabilizador de imagem. Por isso pouca coisa pode ser aproveitada das filmagens que fiz. Uma pena. Mas reuni alguns momentos da nossa passagem por Chichen Itzá no vídeo abaixo. Espero que vocês gostem <3

Informações:

Horário de funcionamento: todos os dias das 8 às 17 horas tendo como último horário para entrada às 16 horas. (vá bem cedo ou então, após o almoço, para evitar o sol forte e calor do meio dia)

Valor: aproximadamente 250 pesos mexicanos por pessoa (adultos), crianças pagam um valor menor. (no dia de hoje, 250 pesos mexicanos seriam equivalentes a 45 reais, só para terem uma base)

Distâncias: Valladolid é a cidade mais próxima, seguida por Tulum, Playa del Carmen e por último, Cancun. (nós optamos por ir do aeroporto direto para Pisté e nos hospedamos num hotel que fica muito próximo da entrada do sítio.)

Você pode ir de carro ou contratar uma agência, assim como pode fazer o passeio por conta própria ou contratar um guia. (nós fomos até lá de carro e optamos por não ter um guia, porém, acho que a visita fica muito mais interessante com alguém que sabe toda a história do lugar.)

Na entrada do sítio ficam os banheiros, restaurante e lojas de conveniência.

Conhecer Chichen Itzá foi maravilhoso e recomendo esse passeio para todo mundo que pensar em ir ao México e tiver a oportunidade. Mesmo tendo que andar bastante para conhecer todo o sítio, ir com as crianças foi bem tranquilo.

Cenote Ik-Kil

Um passeio que sempre casa super bem com Chichen Itzá é conhecer o Cenote Ik-Kil, porque são bem pertinho um do outro. Nós fomos logo após o almoço, depois que fizemos o check out no hotel em que estávamos. Esse cenote é um dos mais bonitos esteticamente, por causa das raízes que caem e dão um ar totalmente rústico a cavidade. Contudo, eu recomendaria outros cenotes para o banho propriamente dito.

Por ser muito fundo, a água é bem escura e quase não se vê nada do que está embaixo. Fiquei um pouco receosa das crianças entrarem, mas, no fim, Alexandre ficou somente na escada com eles, deixando que a Mel desse uns mergulhos pertinho dele. O cenote é bastante cheio também, tanto dentro d’àgua quanto fora dela.

Antes de irmos embora, houve dois afogamentos de pessoas que confiaram demais em nadar para o meio, mas felizmente foram socorridas a tempo. É super fundo e por isso há de se ter muita cautela e usar sempre o colete salva vidas.

Acho que super vale a visita, nem que seja somente para tirar fotos já que a vista é lindíssima.

Além de Ik-Kil, existem muitos outros cenotes. Alguns são abertos e outros fechados, daqueles que você precisa ir com um guia e lanternas, porque são túneis subterrâneos quase sem iluminação natural, como uma caverna aquática :) Em todos a água é bastante gelada, por isso é bacana usar roupas de neoprene e sapatilhas antiderrapantes.

Eu queria muito ter conhecido o Cenote Sac Actun ou o Cenote Dos Ojos, mas com as crianças isso não seria possível já que só é permitida a entrada de crianças maiores. Fora isso, acredito que eles ficariam com medo da escuridão, dos morcegos, de estarem fechados em um local andando pela água. (talvez até eu ficasse com medo, haha)

imagem do Cenote San Actun

Conhecemos os lindos Grand Cenote em Tulum e o Cenote Azul, e recomendo muito a visita em ambos! As crianças amaram o Cenote Azul já que com a incidência dos raios solares a água fica um pouco menos fria.

Eu perdi minhas fotos desse dia por um problema no cartão de memória :( Por isso deixo as imagens retiradas da net pra vocês entenderem a lindeza desses lugares.

imagem do Grand Cenote

imagem do Cenote Azul

O blog Dicas de Onde Ficar reuniu muita informação bacana sobre os mais de dez cenotes que visitaram, vale muita a leitura desse post aqui: www.dicasondeficar.com.br/dicas-cenotes-mexico

Espero que vocês gostem desse post “apanhadão” do nosso primeiro dia no México. E até o próximo diário de viagem <3

2 comentários no blog

  1. Vanessa em

    Teus posts sempre tão detalhados e explicativos!! Obrigada!!!

    Responder
  2. michael em

    Nossaa que incrivéeeeeeeeeel !!!
    Parabéns pelo conteúdo do blog, sua família é linda !!!
    Ameei as fotos, vou tentar fazer uma viagem para este País <3

    Responder

Deixe seu comentário!