04 mar 2011

Atividades: Natação para Bebês

O Francisco sempre foi fã de água. Desde muito pequenino, recém-nascido, amava tomar banho. Às vezes, enquanto estava na maior choradeira, não havia embalo, música, peito que o acalmasse – mas era só colocá-lo na banheira e pronto, sossego total. Foi daí que tive a ideia de colocá-lo na natação. Quando perguntei ao pediatra o que achava a respeito, ele me apoiou, disse que achava ótimo – mas me sugeriu que esperasse o rapaz completar 6 meses.

Dito e feito: fomos à nossa primeira aula de natação no dia do seu mesversário (ansiosa, eu?). Como previsto, Francisco amou – e eu também. A aula é bem simples, mas muito lúdica, divertida. Tem muita música (cantadas por nós, mães, e pela professora), brincadeiras e exercícios. Os bebês são estimulados a mexer as perninhas, os bracinhos, deslizam pela água e chegam até mesmo a mergulhar. Os mergulhos, aliás, no início me assustavam um pouco. Primeiro é só a professora quem mergulha o bebê, depois nós, as mães.

Sentia um nervoso cada vez que via o Francisco entrar de cabeça na água. Mas a gente vai aprendendo a técnica e se acostumando – hoje, a parte dos mergulhos é a mais divertida da aula. É impressionante ver como os bebês são ágeis no meio aquático: entram e saem da água de olhos abertos, sorridentes, entusiasmados.

A natação não só é alegre e estimulante como traz muitos benefícios para os bebês: auxilia seu desonvolvimento psicomotor e estimula o sistema cardiovascular. Além disso, aumenta o apetite e melhora a qualidade do sono. Noto muito isso no Francisco: ele, que não é de dormir ou de comer muito bem, fica completamente diferente nos dias da aula. Come com voracidade um pote inteiro de mingau (vocês não imaginam como isso é raro!) e chega a dormir por duas horas seguidas depois da aula. Não fosse um exagero, faria a aula de natação todos os dias!

Deixe seu comentário!