27 ago 2012

Açúcar nos sucos e chás: por que não é aconselhável

imagem sciencephoto.com

 

Quando falamos de alimentos industrializados e refinados estamos diante de uma questão muito séria, principalmente se queremos o melhor para nossos filhos. Hoje em dia com o estilo de vida que levamos, optar por alimentos rápidos e fáceis de fazer é uma boa ideia, mas não tanto quando pensamos em saúde.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicou uma resolução que pedia para que os anúncios de produtos com altos teores de açúcar, sódio e gorduras trans e saturada tivessem um alerta sobre os problemas que podem causar à saúde, com o  objetivo de proteger o consumidor infantil, mas a lei não foi aprovada.

Acho interessante primeiramente esclarecer qual é o prejuízo que pode causar o açúcar no nosso organismo.

“Quando ingerido em excesso, o açúcar vai depressa demais para a corrente sanguínea, queimando todas as etapas da digestão, fazendo subir o nível da glicose no sangue. O pâncreas é obrigado a produzir uma quantidade extra de insulina. A insulina abaixa o nível de açúcar rapidamente, causando a vontade de comer mais açúcar. A criança vai querer comer mais e mais e o excesso causa obesidade infantil, cárie e doenças crônicas no futuro, como diabete, problemas cardiovasculares, hipertensão e até mesmo câncer. Além disso, a acidez causada pela ingestão concentrada de açúcar predispõe o corpo a infecções”.

Também, jamais substitua para as crianças o açúcar por adoçantes. O certo é ensinar desde cedo as crianças a gostarem de sucos naturais, chás e frutas sem adoçar (algumas já são naturalmente doces). Caso seja necessário, por exemplo, na limonada, você pode tentar trocar o refinado pelo tipo mascavo ou demerara, que, pelo menos, contém algumas vitaminas. O açúcar demerara passa por um refinamento leve  e também não recebe aditivos químicos, por isso conserva as vitaminas e minerais.

Devemos sempre nos lembrar que os sentidos da criança (paladar, olfato, visão, tato, audição) são muito mais aguçados que os nossos, portanto, deixar sempre um alimento suave de sal, açúcar e gordura é respeitar a criança e dar a ela condições de aprender a saborear os alimentos de forma natural e saudável.

4 comentários no blog

  1. Michelle Amorim em

    Preciso deixar aqui o meu ‘testemunho’ quanto ao açúcar:

    A Melanie infelizmente conheceu o “doce” muito cedo (através do açúcar no chazinho – insistência da vovó e falta de imposição da mãe aqui) e acredito que isso tenha influenciado no fato de ela não se interessar tanto por comida salgada quanto pela doce.

    Por isso, não apresente o açúcar ao seu filho antes da hora. Somente quando for realmente necessário.

    Responder
  2. Clarice em

    Como minha experiência com baby se limita ao meu sobrinho, enquanto a cegonha não me visita, posso afirmar pela atitude dela, e erro meu, quando vi que também o chazinho do Otávio estava ao natural… Ainda quis ficar com dó e perguntei se ela dava o chá assim, “ruim” pra ele, ao que ela me respondeu “ele ainda não conhece a diferença entre o que tem açúcar e o que não tem, e enquanto puder manter assim, melhor pra nós!”. Eu poderia ter ido dormir sem essa, e ela ganhou um ponto comigo, pois realmente, pra tudo tem hora e quanto mais pudermos acostumar os pequenos com coisas saudáveis, melhor pra todos.
    Assim eu também já aprendo enquanto espero a minha vez.

    Beijos, lindo o blog.

    Responder
    1. Clarice respondeu Clarice em

      atitude dela= minha cunhada.

      Responder
  3. Carla Mãe da Bruna em

    a Bruna, com 1 ano e 2 meses, segue sem conhecer o açucar refinado. Raramente o açúcar mascavo e o melado para adoçar um mingau ou o abacate por exemplo. Leite condensado, demos uma vez com morango (porque nós estávamos comendo ela quis experimentar).
    E estamos muito bem, obrigado. Ela come muito bem nas refeições e adora frutas (menos maçã… quem sabe um dia…).
    Vocês que nos ajudam a formar nossa consciência. Muito obrigada!

    Responder

Deixe seu comentário!