Categories: Alimentação/ Crianças

A introdução dos alimentos sólidos na dieta do bebê

Já recebi muitos pedidos para falar mais sobre alimentação saudável por aqui. Especificamente, para falar da alimentação da Mel e agora do Leo, claro.

Nunca me animei a falar do assunto porque Melanie nos dá um baile para comer, uma canseira mesmo. É uma alimentação mega seletiva e que não dá abertura para novos alimentos. Ela não quer nem provar e isso é muito, muito frustrante. Vendo pelo lado bom, ela não come doces, balas, biscoitos recheados, salgadinhos e nunca tomou refrigerante. Chocolate é de vez em quando, ela não curte muito e a gente agradece.

Um dia conto essa saga em detalhes para vocês, porque sei que muita gente sofre com a alimentação dos filhos, assim como nós, com a Mel.

Por agora, posso dizer que quando você tem uma criança que não curte comer e já apresenta resistência para novos alimentos e texturas desde muito cedo, o cuidado deve ser redobrado, para não piorar a situação e agravar esse padrão. Hoje, vejo que fizemos muita coisa errada, desde o começo. Desistimos fácil de alimentos que ela rejeitava, corríamos passar a sopa no mixer ao ver que ela não a aceitava míseros pedacinhos, e, por fim, as sopinhas de potinho, que acabaram, claro, virando preferência dela e costume nosso.

Na nossa (minha) ansiedade de vê-la comer bem, de vê-la bem “nutrida”, acabamos indo pelo caminho mais fácil. Mas sabemos que o caminho mais fácil quase nunca significa o melhor.

E vejam, eu não sou radicalmente contra dar sopinhas prontas. Só acho que isso deve ser bem esporádico, em saídas, viagens ou momentos em que não seja possível levar a comidinha ou a fruta de casa. Ainda assim, tenho conseguido levar marmitinhas para o Leo para lá e para cá, sem grandes problemas. É uma questão de costume, de adaptação mesmo.

Por isso tudo, com o Leo eu quis fazer diferente. Você deve começar do jeito que deseja manter, lembram?

**********

Organizando a cozinha e deixando tudo a mão

Photo[2]

Antes de começar a introdução dos sólidos com a Mel, lembro de ter saído com uma lista enorme em mãos, de tudo que precisava comprar. Olha, não é tudo aquilo, não, viu?

Você basicamente precisa de coisas que já tem na sua cozinha – uma tábua, facas para cortar e panelas para cozinhar, por exemplo. Pratinhos e/ou potinhos com tampa (apenas se certifique que sejam livres de bisfenol), algumas colherzinhas pequenas, um ou dois copos de transição e muitos, muitos babadores.

Eu já tinha muita coisa da época da Mel e algumas poucas comprei em Miami, quando fiz o enxoval do Leo. Deixei um gavetão da cozinha só para as coisinhas dele e tento manter a ordem ali, na medida do possível.

Photo[1]

Antes de falarmos da introdução dos alimentos sólidos, vale lembrar que a recomendação é de que os bebês sejam amamentados exclusivamente no peito até o sexto mês de vida – já que o leite materno super todas as suas necessidades. Quando isso não é possível, analisa-se (normalmente junto com o pediatra) quando iniciar os alimentos sólidos.

Começando com as frutas – 6 meses

Leonardo estava a poucos dias de completar seis meses quando iniciamos as frutas. Como ele tem APLV – alergia à proteína do leite (falei disso aqui) e poderia ser também alérgico a outros alimentos, fomos com calma e introduzindo uma coisa de cada vez, para ver se ele teria alguma reação.

Normalmente as frutas indicadas para o início são: maça e pêra argentina, mamão papaya, melão e banana maça ou banana prata. Todas raspadas e/ou amassadas.

Na primeira semana, foi assim:

dia 1 – pêra – aceitou razoavelmente bem, comeu pouco, umas seis colherzinhas.

dia 2 – pêra – comeu um pouquinho mais, fez ânsia e eu parei de oferecer.

dia 3 – banana – aceitou bem, comeu meia banana. notei que prendeu o intestino e deu um pouco de cólica à noite.

dia 4 – banana – comeu um pouco mais e notei o mesmo que o dia anterior: deu um pouco de cólica.

dia 5 – mamão – comeu duas fatias pequenas de mamão papaya. gostou bastante.

dia 6 – idem o dia anterior.

dia 7 – maçã – comeu meia maçã mas sem grande entusiasmo. não curtiu muito os pedaços maiorzinhos que acabaram indo junto na hora de raspar.

Na segunda semana ele foi comendo cada vez melhor e pude perceber a preferência por banana e mamão, talvez pela textura mais homogênea. Pêra e melão vieram em segundo e por ultimo, a maçã.

Fruta ao invés do suco

Desde que começamos, tenho dado preferência às frutas ao invés dos sucos de fruta. Mel toma até suco de pedra se fizermos (toma suco de couve com limão, de beterraba com maracujá e de todas as outras frutas mais comuns) mas as frutas mesmo, ela não quer saber de comer. A maçã é a única que passa e um pedacinho só.

Por isso, com o Leo, prefiro dar as frutas in natura, que sabemos serem melhores também, nutricionalmente falando.

“Sucos, mesmo sem adição de açúcar, concentram açúcar da própria fruta. Muito açúcar. Tanto é assim que, segundo o famoso Harvard Nurses Study, o consumo de sucos de frutas por crianças aumenta o risco de diabetes do tipo 2” – www.enxaqueca.com.br/blog/sucos-enxaqueca-evitar/

Além disso, crianças – especialmente bebês – têm uma capacidade gástrica pequena e comem pouco no início da alimentação. Por esse motivo temos que garantir que suas necessidades calóricas sejam atendidas, através de alimentos mais consistentes e de maior densidade energética.

Tem muita informação de qualidade nesse manual do Ministério da Saúde – Guia Alimentar para Crianças Menores de 2 Anos. Recomendo a leitura, especialmente para quem irá iniciar a introdução dos alimentos sólidos com os pequenos.

Voltando aos sucos, Leo já provou de laranja lima, de maçã e de melão, porém, se for em forma líquida, ele prefere água. Por isso, oferecemos regularmente entre as refeições.

Começando com as papinhas salgadas – 6 meses

Depois de quase duas semanas comendo frutinhas lá pelas 10 horas da manhã, iniciamos a papinha salgada no almoço.

As recomendações que tive para o preparo das primeiras papinhas salgadas foi:

2 a 3 legumes (batata, cenoura, chuchu, batata salsa, abóbora, batata doce, beterraba, etc)

1 a 2 verduras (couve, brócolis, espinafre, repolho, acelga, agrião, etc)

Arroz ou macarrão cabelinho de anjo

Carne de gado (geralmente músculo) ou frango (peito ou sobrecoxa)

Cebola, alho, salsinha, cebolinha, manjericão e outros temperos ir adicionando aos poucos.

Óleo de milho (uma colher de sobremesa) e pouquíssimo sal (tipo meia colherzinha de café para um panelão de sopa)

* Aos 7 meses pode-se introduzir o caldo de feijão e gema de ovo cozida (iniciar com 1/4 da gema) nas papas, intercalando ambos.

Compilei algumas receitas de papinhas salgadas retiradas de sites diversos (aqui tem umas combinações bem boas e simples) e escolhi quatro opções para começar (sem adicionar arroz ou macarrão, no início):

1. papinha de frango, cenoura e batata

2. papinha de carne, mandioquinha, cenoura e couve (foi a que fez mais sucesso)

3. papinha de carne, cenoura e chuchu

4. papinha de frango, batata e beterraba (foi a que ele menos gostou)

O modo de preparo de todas as primeiras papas foi igual: lavar, descascar e cortar os legumes e verduras, refogar a cebola com a carne ou o frango já cortados em pequenos cubos no óleo de milho (coloquei um tiquinho de cebola desde as primeiras papinhas), acrescentar os legumes cortados, a água e deixar cozinhar bem, até ficar tudo bem macio. Depois disso, passar numa peneira de furos grandes e amassar bem contra os furos.

primeira sopa - blog vida materna

Nas primeiras vezes eu usei uma panela comum, mas nessas os legumes e verduras demoravam muito a ficarem bem macios e mesmo assim era mais difícil de amassá-los na peneira. Desde então tenho feito na panela de pressão, que não é o mais indicado porque perdem-se nutrientes nesse tipo de cozimento. Agora, com 7 meses, as papinhas passarão a serem somente amassadas com o garfo e por isso devo voltar ao cozimento nas panelas comuns ou somente no vapor.

Depois da papa pronta, preparei porções de 120ml para começar e fui com fé e coragem iniciar o pequeno no mundo das comidinhas. Mas assim, sem grandes pretensões nem grandes expectativas. Já fui preparada para o estranhamento. Uma postura muito diferente da que tive há alguns anos atrás.

Confesso que o Leo me surpreendeu bastante. Especialmente porque não havia como não compará-lo à irmã. Já de início percebi que ele curtia o ato de comer e conseguia lidar melhor com pequenos pedacinhos e texturas mais espessas.

Na primeira papinha salgada, ele comeu três colheres e chorou. Eu parei imediatamente. Aguardei uma hora e meia (o máximo que consegui esticar) e dei o mamá normalmente. No dia seguinte, no horário do almoço, ofereci a papinha novamente e ele comeu um pouco mais. E assim fomos, gradativamente, aumentando a quantidade que ele ingeria. A cada colher, eu deixava que ele percebesse o gosto, a textura, que tivesse tempo de processar aquele fato novo na vida dele. Deixei que ele comesse no tempo dele.

Ele começou com porções de 120ml aos 6 meses e hoje, aos 7, come cerca de 240ml da papinha salgada, no almoço e no jantar. E depois, uma porção de fruta. Após as refeições, dou preferência por frutas com uma grande concentração de água, como o melão, por exemplo. Ando percebendo que ele comeria mais da papa salgada, por isso devo aumentar as porções.

Sei que temos muitas dúvidas, especialmente no início, sobre as quantidades que eles devem comer. Mas aprendi que cada criança tem o seu grau de saciedade, e que elas nos mostram quando estão satisfeitas. Só precisamos observar e ter paciência.

Hoje, aos 7 meses, a rotina alimentar do Leo é assim:

9h leite / 10h30 fruta / 12h30 almoço + fruta / 15h30 leite / 18h30 jantar + fruta / 21h leite. (nossa, mas não é muita fruta? segundo o pediatra e a pessoinha que come tudo isso, não).

Combinações de papas que fizeram bastante sucesso por aqui, até o momento:

– papinha de carne, mandioquinha, cenoura e couve

– papinha de frango, cenoura e batata / mandioquinha

– papinha de carne, cenoura e chuchu

– papinha de carne, batata, cenoura, abobrinha e arroz

– papinha de carne, mandioquinha, abóbora e macarrão

– papinha de frango, batata, cenoura, chuchu e macarrão

– papinha de carne, mandioquinha, cenoura, couve e caldinho de feijão

– papinha de frango, cenoura, batata e caldinho de feijão

– papinha de carne, batata, cenoura, espinafre e caldinho de feijão

(mandioquinha = batata salsa)

Tenho feito as papinhas do Leo de três em três dias e normalmente rende de seis a oito porções. Duas eu deixo no refrigerador (já que ele comerá no mesmo dia ou no almoço seguinte) e as outras eu congelo. Para conhecer técnicas de congelamento dos mais variados alimentos, leia aqui.

Quero dar algumas dicas para facilitar a rotina de preparação das papinhas, num próximo post.

Após os 7 meses, o que vai mudar?

São liberadas todas as frutas, com exceção do morango e da uva. Entram outros grãos, além do feijão, como lentilha, grão de bico e ervilha, assim como o purê de batata e a polenta.

E daqui em diante, falamos no próximo post :)

Nesse post quis compartilhar com vocês como as coisas aconteceram por aqui e como eu tenho feito com o Leo – dentro das informações e recomendações que chegaram até mim, através de livros, sites e do pediatra dos pequenos.

Para dicas e receitas bacanas, de gente profissa mesmo no assunto alimentação, recomendo os blogs As Delícias do Dudu e Crianças na Cozinha.

comentários via facebook

21 comments

  1. Como sempre os seus textos são muito bons!!! Uma delicia de ler! Eu tenho uma bebe de 9 meses, ultimos dias esteve doentinha e esta comendo bem pouco, mais creio que logo voltará comer bem! Bjs pro Leo e para a Mel.

  2. Para fazer a polenta eu uso água batida com cenoura ou couve/espinafre. Fica bem colorido e nutritivo, além de carnes e outras verdurinhas picadinhas. Aceitação garantida aqui em casa! Adorei o post! Bjossss

  3. Michellle,

    Iria adorar se você fizesse um post contando sua experiência com a compra de enxoval em Miami. Estou indo em setembro e tenho muitas dúvidas.

    Beijos

  4. Ola Michelle, parabéns e obrigada pelo post! Adoro seu blog! Uma dúvida: tenho uma nenê de 1 ano e 1 mês, e a minha rotina alimentar com ela é exatamente igual à sua com o Leo! Agora que ela já tem mais de 1 aninho, tenho que mudar? Substituir a mamada das 15h30 por outro alimento, ou algo assim? Me ajuda, estou sem pediatra… um grande beijo!

  5. Olá Michelle,
    adoro seu blog e seus posts! Estou me preparando pra ter um bebê, então estou pesquisando muito sobre o assunto! bjos pra vc, pro Leo e pra Mel!

  6. Adorei as dicas, meu filho completa 6 meses no proximo mês e atualmente ja está ha 1 mes comendo mamão, banana e tomando laranja .

    Tenho 2 duvidas: 1- qts ml o Leo toma de leite? 2- Tem algum post sobre nascimento dos dentes? Pq ta bem complicado aqui em em casa e me sinto totalmente perdida.

    Bjs

  7. Adorei as dicas, meu filho completa 6 meses no proximo mês e atualmente ja está ha 1 mes comendo mamão, banana e tomando laranja .

    Tenho 2 duvidas: 1- qts ml o Leo toma de leite? 2- Tem algum post sobre nascimento dos dentes? Pq ta bem complicado aqui em em casa e me sinto totalmente perdida.

    Bjs

  8. Adorei esse texto! É até engraçado a saga de tantos preparativos antes da primeira papinha e como ficamos frustada com o início de tudo. No começo foram semanas sem aceitar papinhas salgadas, mas depois era uma apetite de dizer benza Deus!!! Só que agora com 18 meses tudo mudou, a saciedade é bem menor, mas graças a Deus até nos piores dias em que ele não quer nada nem papinha pronta ele come, nunca comeu. E refrigerante também, toma um pouquinho e faz careta, coisa mais linda!
    Beijos

  9. Nossa muito bom o post. Parabéns!
    as o Leo realmente parece ser tranquilo para comer rsrs.
    Que continue assim!
    Não deixe de postar a alimentação dele nos próximos meses Michelle, ajuda bastante. :))

  10. Michelle, não sei se o Léo ainda tem cólicas quando come a banana, mas experimente (se você já não faz isso) dá-la sem a semente. Era uma recomendação da pediatra na época do Bruno. Outra coisa que ela dizia em relação à quantidade de papinha salgada: um pratinho de sobremesa costuma ser suficiente. Mas, claro, cada bebê tem uma necessidade.
    Beijo

  11. Realmente, o estimulo da alimentação por frutas desde o incio se cria um hábito saudável, onde a saúde é sempre recompensada, sempre evitar algo industrializado é bom, sopas, frutas e leites principalmente é algo mais nutritivo para as crianças no inicio de sua vida, crie ele para ter uma vida saudável.

  12. Oi, bem legal o texto. Me ajudou bastante com o meu pequeno. Ele também sentiu cólicas quando dei banana e desde quando iniciei a papinha de frutas, o funcionamento do intestino mudou, não evacuando todos os dias mais. Isso o deixou desconfortável com os gases. Como vc fez pra solucionar as cólicas? Preciso me preocupar com o fato do meu bebê não evacuar todos os dias como antes?

deixe seu comentário!