01 dez 2012

A importância do ácido fólico na gravidez

O suplemento, que é fundamental para o desenvolvimento do cérebro e para a formação da coluna do bebê, deve ser tomado antes mesmo de a mulher engravidar. Um novo estudo revela que o folato também reduz o risco de o bebê ter problemas no coração.

Uma das recomendações dos ginecologistas para as mulheres que pretendem engravidar é que elas tomem ácido fólico pelo menos três meses antes de engravidar – e continuem com o suplemento durante o primeiro trimestre da gravidez. O folato (ácido fólico), uma vitamina do complexo B, é fundamental para que a coluna do bebê se desenvolva corretamente, o que acontece nas primeiras quatro semanas de gestação, evitando defeitos do tubo neural, como falha no desenvolvimento do cérebro e medula espinhal. Agora, um estudo realizado pela Radboud University in Nijmegen, na Holanda, revelou que mulheres que tomaram o suplemento tinham 20% menos risco de ter filhos com problemas cardíacos congênitos.

Alguns alimentos, como vegetais de folhas verde-escuras, frutas e grãos (feijões), têm essa vitamina, mas a quantidade não é suficiente.

Pela importância do folato para o desenvolvimento do bebê no útero da mãe, pesquisadores da Ben-Gurion University of the Negev, em Israel, analisaram mais de 84 mil bebês, entre 1998 e 2007. O estudo revelou que determinados medicamentos são capazes de prejudicar a absorção da vitamina no organismo. Na lista estão alguns antibióticos, antiepiléticos, remédios para úlcera e colesterol.

Segundo Alexandre Pupo Nogueira, ginecologista e obstetra do Hospital Sírio-Libanês (SP), essa relação entre medicamentos e ácido fólico de fato acontece. Por isso é preciso avaliar o risco-benefício de tomar remédios na gravidez. Há ainda exames que a gestante pode fazer, se houver necessidade, para medir o nível de ácido fólico no sangue e, se for o caso, corrigir a dosagem a ser tomada. E vale lembrar: nenhum remédio deve ser tomado por conta própria durante a gestação.

Mais proteção

Nem sempre a gestação é programada, e isso faz com que as mulheres comecem a tomar a vitamina somente quando descobrem a gravidez. Outro estudo, da Universidade do Texas, nos Estados Unidos, mostrou que, se o suplemento pudesse ser usado um ano antes ou mais, essa medida reduziria o risco de parto prematuro.

Os pesquisadores analisaram cerca de 35 mil grávidas matriculadas em um estudo para investigar síndrome de Down. Os resultados foram além do que eles imaginavam. Os dados segerem que aquelas que tomaram o suplemento de ácido fólico por um tempo maior tinham 70% menos risco de ter parto prematuro entre a 20a e 28a semana e 50% menos chance de o bebê nascer entre a 28a e a 32a. semana. Uma possível explicação é que o organismo da mulher desde os primeiros dias da gestação, e até mesmo antes de ela engravidar, influencie na duração da gravidez.

Outra sugestão dos médicos é que todas as mulheres em idade fértil tomem 400 mcg (microgramas) de ácido fólico todos os dias. Converse com seu médico sobre essa orientação.

fonte: crescer

2 comentários no blog

  1. Gizele em

    Oi Boa tarde.
    Gostaria de saber se preciso tomar além do ácido fólico outra vitamina para que eu não perca o BB, já é o segundo aborto espontâneo que tenho antes de completar três meses de gestação, minha médica não me passou nada.

    Responder

Deixe seu comentário!