22 jun 2013

A criança erra ou faz tentativas de acertos?

holding-hands

As práticas mais comuns hoje usadas na educação das crianças, parecem estar fundamentadas em princípios equivocados, pois diante de uma ação inadequada a criança é simplesmente punida, sendo que deveria ser ajudada com métodos adequados a agir certo.

O verdadeiro conceito de educar é eduzir da criança seu potencial latente, sendo assim, a punição por si só, não cumpre tal objetivo, pois não contém elementos e nem dá condições para que este potencial se manifeste. Para que ele se manifeste, é preciso eduzí-lo, ou seja, dar à criança, tempo, espaço e condições para isso.

Conhecendo a natureza da criança, posso afirmar que ela ainda não tem domínio sobre seus instintos e impulsos, portanto não pode ter cem por cento de acertos em seus intentos. Para que ela consiga controlar tais comportamentos, precisa de maturidade e muito treino, conduzido por  mãos firmes e ao mesmo tempo carinhosas, que possam mostrar  a direção certa a seguir. Tanto os pais quanto as crianças precisam saber o que podem fazer, o que não podem fazer e o que por circunstâncias especiais é tolerável.

Diante de um mundo a ser descoberto, a criança faz tentativas impulsionadas por seu espírito investigativo e curioso, com o intuito de descobri-lo e fica muito desapontada quando é reprovada e até impedida de realizar tais ações. Fica pior ainda quando é repreendida e punida. Quando a criança sente que desapontou os pais fica triste e frustrada.

Tenho na memória de infância a lembrança de sentimentos de decepção e mágoa quando era repreendida por algo que nem sabia ser errado ou “considerado  errado” pelos adultos.

Por esta razão, procuro me colocar sempre no lugar da criança e assim consigo entendê-la, ajudando-a a identificar seus sentimentos, nomeando-os e assim podendo superar suas dificuldades. Agindo dessa forma, nasce entre nós uma empatia que facilita muito nosso relacionamento, gerando afeto e também muito respeito.

Quanto mais entendemos as dificuldades das crianças, mais podemos oferecer-lhes ferramentas para superar seus instintos e impulsos que dificultam fazer a coisa certa e assim agradar os adultos.

O grande anseio dos pais é ter filhos que não desafiem suas ordens e que não os envergonhem diante dos amigos e familiares, porém quanto mais se cobra deles uma ação correta, ou quanto mais são criticados por isso, mais se fortalece o erro. Então, não podemos chamar de educação esta forma de lidar com as crianças. Por esta razão, afirmo sem medo de errar que, só se educa quando se ensina a criança a fazer a coisa certa, dando-lhe condições e ferramentas certas para aprender e nunca condená-la por uma  ação inadequada. Pode parecer estranha tal afirmação,  mas a experiência que tenho com crianças me autoriza dizer  que a criança não erra, e sim,  faz tentativas de acertar.

assinatura_coluna_educação_GB3

2 comentários no blog

  1. Sissi em

    Oi, Michelle! Tudo bem? Não sei se é só aqui, mas clicando na página 2 lá embaixo, dá erro 404. Ou seja, não to conseguindo ver posts antigos.. Bjos!

    Responder
    1. Michelle Amorim respondeu Sissi em

      Oi Sissi! Por aqui tá normal! Ainda está dando erro pra vc?

      Responder

Deixe seu comentário!