07 nov 2018

12 anos de Boo e algumas curiosidades

No mês de novembro não só meu filhote humano (o Leo) faz aniversário, mas minha filha felina também! Por isso pensei que seria bacana reunir alguns fatos ou curiosidades acerca dessa gatinha que é certamente um dos amores da minha vida.

. Tecnicamente da raça siamesa mas com traços de balinês, ela nasceu no dia 23 de novembro de 2006 – pelo menos foi essa a informação que me deram. Acredito que, pelo tamanho na época em que a conheci, ela tenha nascido um pouquinho antes. Por isso, comemoramos o seu aniversário em meados de novembro.

. Boo foi adotada por mim no dia 26 de dezembro de 2006, num aviário que ficava atrás da Rua da Cidadania na Praça Rui Barbosa, aqui em Curitiba. Quando cheguei, ela se rolava alegremente na caixinha de areia que estava dentro de uma grande gaiola. Lá estavam mais duas gatinhas, outra siamesa e uma pretinha. Depois de pegar as três no colo, Boo me conquistou ao me olhar bem nos olhos com aquelas pupilas enormes que ela (ainda) tem.

. Boo nem sempre se chamou Boo – ou melhor, teve outro nome por apenas algumas horas. No dia em que chegamos em casa com aquela bolinha de pelos, pensei em Dominique. Sempre achei lindo e mesmo todo mundo dizendo que era estranho “para um gato”, decidi chamá-la assim. No dia seguinte, um domingo, a Globo passava “Monstros S/A” na Temperatura Máxima. Foi só ouvir o Sullivan falando “Boo” para aquela menininha fofa e olhar para a minha Boo, que eu soube na hora que o nome dela tinha que ser esse.

. Boo foi castrada aos 5 meses. Eu morava em apartamento, não pretendia ter mais gatos naquela época. Como ela ficava sozinha o dia todo dentro de casa, achei que entrar no cio poderia ser complicado. Hoje em dia Mel e Leo me cobram por que ela não pode ter “bebês gatinhos” :(

. Desde os primeiros dias da nossa convivência juntas, Boo costuma escalar o meu pescoço e faz aquele movimento de afofar enquanto ronrona – só que ela faz isso nos meus cabelos! Não sei se é meu cheiro, se ela acha que sou a mamãe gata dela, haha. Já acostumei tanto que o ronronar dela me ajuda a pegar no sono até. Só meu cabelo que amanhece totalmente zuado no dia seguinte.

. Boo é uma gata que gosta de estar por dentro de tudo que rola na casa onde vive. Ela tem que estar por perto do que estiver acontecendo no momento em que estiver acontecendo – sempre – seja lá o que for. Vamos abrir uma caixa? Ela está lá. Vamos esticar o edredom na cama? Ela está lá. Colocamos uma planta nova na casa? Ela está lá. Vamos guardar as roupas no armário? Ela está lá. E quando digo “ela está lá” é estar lá grudadinha mesmo, checando cada movimento nosso.

. Pelo que já ouvi a respeito, os gatos realmente são muito sensíveis e sensitivos à energias negativas, seja nos ambientes ou nas pessoas. E Boo normalmente gruda em mim mais do que de costume se eu estou num dia ruim ou quando estou doente.

. Boo tem um cheirinho curioso na cabeça e no pescoço, parece uma mistura do meu splash de baunilha com o cheirinho dela mesma. Algumas vezes ela não está tão cheirosa assim e é quando eu gosto ainda mais. Sabem aquele chulezinho gostoso dos pezinhos suados dos pequenos que a gente ama? É a mesma coisa com a Boo: tipo um fedorzinho gostoso :D Coisas do amor, deve ser.

. Boo deixa que eu corte suas unhas das patas da frente, mas não das patas de trás. Já no petshop ela se comporta super bem e, além do banho, corta todas as unhas e limpa as orelhas. Eu tento manter uma rotina de levá-la uma vez por mês, menos no inverno.

. Como a maioria dos gatos que eu conheço, Boo também prefere a àgua corrente e sempre está pedindo para beber direto nas torneiras, principalmente no banheiro. Para que ela beba mais água, tenho que estar sempre colocando água fresquinha nos dois potinhos que ela tem. Outro fato curioso é que ela adora quando colocamos uma pedrinha de gelo na água.

. Apesar de comer somente ração, Boo tem algumas esquisitices alimentares. É alucinada por milho verde, melão, panetone e presunto. É só sentir o cheiro de alguma dessas coisas que ela vem correndo miar em volta. Na maioria das vezes em que ela ganhou a gente no miado e acabou recebendo um pedaço dessas coisas, acabou vomitando depois (exceto o panetone). Então, evitamos ao máximo.

. De um tempinho para cá, Boo parece estar virando bebê outra vez e tem tido uns comportamentos bem peculiares (e estressantes). Começou a fazer xixi no tapete da entrada aqui de casa e, depois de levar algumas broncas, passou a ficar em cima dele miando até que eu a leve onde está a caixinha de areia. E sim, tem que ser eu – ela corre de todos os outros moradores se tentam pegá-la. E assim que a coloco lá, ela faz seu xixi enquanto recebe carinho na cabeça ao som de “isso mesmo Boo, boa gatinha”. Diz se não parece um bebê gato desfraldando?!

. Boo fica MUITO incomodada com assobios, com telefones no viva voz e fogos de artifício. Mia de um jeito claramente bravo e reclamão, às vezes vem morder de leve os culpados – no caso do assovio ou do viva voz.

. Boo ronca baixinho quando está em sono profundo e tem altos sonhos. A gente sabe porque ela emite uns miados diferentes ainda dormindo – e também porque em duas noites vimos um verdadeiro Taz-Mania se transformar bem na nossa frente, de tão brava que ela acordou de um sonho. Deu medo!

. Boo já se atracou com o gato do vizinho (que a gente chama carinhosamente de Dani – por nossa conta e risco) e nessa sobrou até para mim. Quando uma bola enorme de pelos adentrou como foguete a janela da cozinha, eu tentei separar o joio do trigo. Dani me mordeu no antebraço e me garantiu duas doloridas injeções de vacina anti raiva depois. (dizem os mais antigos que se o bichano morrer depois de te morder é porque você tem raiva. bom, Dani continua vivo, então… hahahaha)

. As crianças demoraram um pouco para ganhar a confiança da Boo – ela é parecida com a dona, eu acho. Geralmente ela saía correndo e se escondia em baixo da cama quando Mel e Leo chegavam perto. Muita gente me pergunta sobre a relação dela com os dois (contei um pouco aqui) e sempre foi muito tranquilo, desde quando eram bebês. Acho que em todos esses anos, apenas algumas patadas – sem unhas afiadas – já foram dadas e umas duas mordidinhas de amor aconteceram. Hoje em dia, ela vai até o quarto da Mel enquanto ela está lendo antes de dormir, só para pedir carinho. São amigos, Boo, Mel e Leo.

. Boo já fez algumas viagens de carro com a gente e deu super certo. Como ficamos em apartamento, ela ficava segura lá dentro com tudo que precisava – se sentindo quase em casa e cheia de aventuras no meio do caminho até conhecer e fuçar em cada cantinho da nova casa.

. Quando viajamos, Boo sempre fica aqui em casa mesmo. Conhecendo bem as preferências e os medos dela, acho que essa é a melhor opção. Nesses casos, deixamos sempre algum encarregado de vir dia sim dia não, para verificar a ração, trocar a água, limpar a caixinha de areia e dar aquele chamego nela. É difícil, porque ela sente demais a minha falta. Quando retornamos, ela sempre mia e reclama muito… e não quer desgrudar do meu colo.

. Durante as tardes em que estamos em casa somente as duas, ela sempre está onde eu estou e me segue por toda parte. Ela normalmente dorme em cima da mesa do escritório, revezando entre o meu colo ou o meu pescoço e a mantinha que deixo para ela. Muitas vezes ela fica no meu pescoço e mesmo quando levanto e ando pela casa, ela fica lá, como um verdadeiro papagato.

Quem tem um bichinho (ou mais!) pra chamar de amor sabe do tamanho do nosso carinho por esses pequeninos. Eu tento não pensar muito no fato de que – inevitavelmente – ela irá me deixar um dia. Continuo concentrando as minhas energias em dar e receber amor desse bichinho incrível que eu tive a sorte de acolher para dentro da minha vida e do meu coração. E torcendo para que ela vá muito longe ainda – e sempre ao meu lado.

Obrigada, Boo. Por esses 12 anos de AMOR, arranhões nas costas, sofás desfiados, havaianas roídas e miados no meio da madrugada. <3

7 comentários no blog

  1. Mirela Costa em

    Que lindeza! Aqui tenho o Ariel que completa 15 anos no próximo dia 24, Cleo e Dominique com 13 anos e Bianca com 10. É um amor sem tamanho! Tinha a Sofia tbm que nos deixou há 4 anos… é uma saudade que dói! Dominique esse ano quase foi… ficou 35 dias internada, mas agora está bem, graças à Deus! São muitos companheiros, né?

    Responder
    1. Michelle Amorim respondeu Mirela Costa em

      Ahhh que legal! Você tem uma Dominique também :D Eles são compamnheiros demais, nem me imagino sem a Boo <3

      Responder
      1. MIRELA COSTA respondeu Michelle Amorim em

        Tenho! E ela é a pretinha mais fofa! Era do meu marido antes de nos casarmos e não gostava de mim… não deixava eu chegar perto dela! Ela esperava eu dormir pra subir na cama e ganhar o carinho dele. Depois de três meses, se rendeu e hj fica bem comigo. Brinco com ela que ela tem que me amar muito, pois eu fui dia sim e dia não vê-la enquanto esteve internada! rsrsrs… Lembrar da Sofia ainda me emociona, pois ela era comigo como a Boo é com vc… mas nosso tempo chegou ao fim e ela foi muito amada e bem cuidada nos 9 anos que ficamos juntas! Veio de uma gaiolinha tbm e foi a melhor adoção que fiz na vida!

        Responder
  2. Michelle em

    Ei! Eu comento, viu? Kkkkkkk
    Saudades, Mi! ❤️

    Responder
    1. Michelle Amorim respondeu Michelle em

      Hahahaha, eeeeeee <3 Bom te ver por aqui!

      Responder
  3. KETLIN em

    Que amor! Sabe Michelle eu achei seu blog quando procurava por experiências no convívio de gatos e bebes e achei aquele post “Sobre gatos, gravidez e Crianças” onde tem o vídeo fofíssimo da Mel dizendo que a Boo brigou, fiquei tranquila quanto a minha gata e o bebe que estava por vir, mas minha Bella, que é siamesa também, ficou mais brava do que ela já era, e não ase adaptou bem ao pequeno em casa, notei que ela começou a ficar tristinha e não queria mais comer, e nos últimos dias antes de eu doar ela arranhou o rosto do bebê, não fiquei com raiva dela a abracei e chorei com dor no meu coração, achei um casal de idosos que moravam em uma fazenda e queriam um bichinho para companhia deles, não há um dia que não pense na minha Bella e sinta sua falta mas os senhores que ficaram com ela sempre me mandam fotos e vejo que ela está bem e feliz. ( Ps: Bella nasceu em setembro, e seu nome foi por causa da saga Crepúsculo kkkk que na época era minha coleção favorita)

    Responder
    1. Michelle Amorim respondeu KETLIN em

      Puxa vida, imagino como foi difícil essa decisão. Mas que bom que você sabe que ela está bem e sendo cuidada :)

      Responder

Deixe seu comentário!