23 abr 2015

And the Oscar goes to… Alexandre, o rei do pedaço novamente.

Me recordo de inúmeras vezes, durante os primeiros meses de vida do Leo, em que ele claramente preferia a mim e Alexandre ficava meio ressentido até. E eu, secretamente, me sentia a rainha da cocada, cheia de leite, de charme e de amor para dar. E esse meu reinado soberano durou até pouco tempo atrás.

Mas, de repente, Leo só quer o pai.

Nos últimos dois meses, se o pai está, eu quase que não existo aqui em casa. De cada dez situações diárias, em pelo menos sete delas ele irá preferir o colo ou a companhia do pai. Exceto, claro, em momentos de choro, sono ou fome. É como se eu fosse o ninho, garantia de alimento e aconchego, e Alexandre, o parque de diversões, sabem? O ninho está sempre aqui, disponível, com suas palhas ajeitadinhas para receber o filhotinho. Já o parque, não. O parque fica fora de casa por uns períodos, às vezes mais longos, outros nem tanto. Fora que o parque é tão mais emocionante e desafiador que o ninho, não é? Ainda mais para um bebê arteiro e cheio de energia, como esse.

Na terça-feira, aproveitamos o feriado para levar a Mel ao cinema e minha mãe ficou aqui com o Leo. Quando voltamos para casa, assim que ouviu o barulho do portão, ele correu para a janela, como sempre faz. Eu entrei primeiro enquanto Alexandre tirava a Mel do carro e fui apressada até o pequeno, dizendo “Leoooo, Leoooo, mamãe chegooooou”. E ele, nem tchum. Continuava olhando atento lá para fora, vendo a movimentação no carro. Fiquei ali agachada por um minuto, me sentindo a rejeitada e, quando achava ingenuamente que não poderia ficar pior, ficou. Alexandre entrou e assim que vislumbrou a cabeça do pai, Leo saiu correndo para ir até ele. No caminho, estava a mãe rejeitada, com os braços abertos e um sorriso de orelha a orelha no rosto. O que ele fez? Passou correndo e desviou, atenção pessoal, des-vi-ou do meu abraço para correr para o pai. Agora, reflitam. Ele des-vi-ou de mim. Eu, então, me recolhi a minha insignificância e saí bicuda. Minha mãe assistiu a tudo e percebi que ela queria rir de mim, mas estava tentando ser solidária (valeu mãe, tamo junto porque você também passou por isso e sabe como é).

Mas e aí? Alguém se identificou com a cena descrita acima? Me digam que sim, por favor. Me sentirei menos pior.

Brincadeiras a parte, gente, cadê o meu menino chicletinho? Cadê o meu bebê que era grudado em mim? Que me chamegava o dia inteiro? Que preferia deitar a cabeça no meu ombro a qualquer outra coisa nessa vida? Cadê? Eu quero ele de volta!!! Buááááá.

Eu sei, eu sei pessoal. No primeiro ano de vida o bebê depende demais da mãe, tanto pela amamentação quanto por uma questão de segurança mesmo. Com o passar do tempo e com a necessidade de explorar e descobrir o mundo, as outras pessoas a sua volta vão ficando mais interessantes. Eu me recordo perfeitamente de quando isso aconteceu com a Mel, quando ela tinha mais ou menos essa idade. A cada saída do pai, era um chororô sem fim, como se o mundo fosse acabar. A cada chegada do pai, era uma festa de arromba, só faltavam os fogos de artifício. E agora, tudo está acontecendo da mesma maneira, só que com o Leo. And the Oscar goes to Alexandre, que é o rei do pedaço, novamente.

Mas, caracas, por que isso acontece? Afinidade? Identificação? Admiração? Ligação afetiva que foi ficando mais forte? Acho que sim, né? E também, Alexandre é aquele que joga Leo para cima, que o deixa escalar os lugares mais altos, que faz as caretas mais apavoradas quando está trocando uma fralda explosiva de cocô, que faz a banana amassada de toda manhã ser mais divertida, que inventa as brincadeiras mais loucas e engraçadas, que faz os melhores ovos mexidos e as melhores tapiocas, que chega em casa numa moto brilhante e barulhenta, que propõe as maiores aventuras e desafios, que conta as histórias com as vozes mais inusitadas, que morde, beija e cheira tanto quanto eu.

Só sei que, mesmo me sentindo um tanto excluída ultimamente, amo cada pedacinho dos dois e amo essa relação tão cheia de afeto e de vida que eles estão construindo a cada dia. É tão bonito ver a alegria estampada no sorriso e no olhar de ambos quando se encontram! A energia contagiante, quando estão juntos. Espero que eles sejam os melhores amigos, confidentes, camaradas e companheiros. Espero que se respeitem sempre, que saibam discordar, que deem broncas um no outro quando acharem necessário e que riam, mesmo que nem tudo dê certo.

Para mim, ficar no cantinho do castigo tem sido uma experiência interessante até agora. Tenho conseguido ir ao banheiro sossegada, trocar de roupa ou me maquiar levando mais do que cinco minutos, terminar meu café da manhã sem pressa ou apreciar meu vinho enquanto preparo aquele molho gostoso para o jantar.

Mas ó, assim que possível, quero o meu menino chicletinho de volta, tá? Já estou com saudades. <3

leo e ale_blogvidamaterna

21 abr 2015

Caixa postal #1 – recebidos em março

Eu sei, eu sei. Esses posts de produtos recebidos, lançamentos e tudo mais, normalmente são feitos em formato de vídeo, não é? Mas eu resolvi fazer diferente, por dois motivos:

1) ainda não estou pronta e apta a alimentar o canal do blog no youtube (sim, o canal já existe, mas está lá, morto de fome, coitado) e quando digo que não estou pronta é por questões de falta de equipamento adequado e de timidez mesmo;

2) já faz muito, muito tempo que eu queria começar essa tag, mas com essa desculpa de ter que ser em vídeo, os posts nunca saíam. Então, decidi começa-los de uma vez.

Todos os meses chega muita coisa bacana por aqui, lançamentos, press kits, mimos, enfim, enviados pelas assessorias ou pelas próprias marcas. Algumas são entregues diretamente pelos correios aqui em casa ou, então, lá na caixa postal que abri a pouco tempo (vou contar mais detalhes sobre isso em um outro post, já que eu tinha muitas dúvidas a respeito e sei que outras pessoas também têm).

No mês de março muita coisa legal chegou e selecionei algumas delas para mostrar aqui para vocês.

Esmaltes Fortalecedores Coleção Bailarinas da Granado: Receber esse press kit foi muito amor! Os esmaltes vieram acomodados em um saquinho de camurça muito fofo e dentro uma sapatilha de ballet, do meu número. Gosto bastante dos produtos dessa linha Pink (os cremes para mãos e pés são ótimos!) e essa coleção ficou linda. São seis cores com nomes de bailarinas famosas: cinza claro, rosa antigo, laranja vibrante, roxo berinjela e os meus preferidos da coleção: vermelho vivo e rosa pink chic. Os esmaltes fortalecedores são enriquecidos com vitamina E, cálcio e proteína da seda, além de serem livres de diversos ingredientes que podem causar alergia e ressecamento das unhas. Já tinha recebido a Coleção Escritoras há um tempo atrás, que veio em uma latinha super fofa que hoje abriga meus post its e caderninhos (mostrei ela aqui). Uma coleção que eu também amei foi a Pin Ups, mas nunca encontrei disponível para comprar.

IMG_7122

Linha de Aromatizantes da Maison Baby: Essa linha já apareceu por aqui, lembram? Quando eu estava começando a ficar triste porque os produtos estavam acabando, recebi uma caixinha que exalava perfume antes mesmo de ser aberta: só podia ser da Maison! Além do sabonete líquido para as mãos (que vem na embalagem mais linda do mundo), álcool gel anti-séptico que não resseca a pele, difusor de aromas e sachês para gavetas e armários, vieram três produtos que eu ainda não conhecia: água perfumada para roupas, perfume de ambiente e mini alcool em gel para levar na bolsa. Estou adorando e logo logo vou falar mais deles por aqui.

IMG_6475

A M. Books tem títulos muito bons e hora ou outra recebo algumas novidades. O último deles foi o livro Introdução Alimentar, da Natalia Mira de Assumpção Werutsky, mesma autora daquele livro Gravidez, Parto e Aleitamento – que fiz resenha aqui. Quando eu terminar de ler conto mais para vocês, mas já posso adiantar que é muito bom.

IMG_6291

Curativos Nexcare da 3M: A 3M sempre manda para a gente os lançamentos da linha de curativos Nexcare e é muito legal porque usamos muito esse item aqui em casa. É um ralado no joelho aqui, um calo da sapatilha ali, um cortezinho acolá. Eu e Mel somos as campeãs desses pequenos acidentes. Gostei especialmente desse curativo grande que parece um tecido, como se fosse uma gaze, sabem? Muito confortável e macio, recomendo!

IMG_7191

O lançamento do filme Cada um na Sua Casa rendeu esse kit da foto. A Editora Gutenberg (do Grupo Autêntica) sempre me manda amor em forma de livros (muito obrigada, viu pessoal?!) e essa é a obra que inspirou o filme que está em cartaz nos cinemas e fazendo muito sucesso. Na mesma onda, a Barion nos deu de presente dois ingressos para a pré-estreia do filme lá no Shopping Estação e um ovo de Páscoa que foi direto para a cestinha da Mel. Tem mais informações sobre o livro e a história aqui.

IMG_6643

DVD Bubble Guppies da Nickelodeon: Esse press kit foi de uma coincidência enorme, porque Melanie tinha começando a assistir o desenho e estava encantada com as musiquinhas e tudo mais. Além do DVD veio uma Molly com escorrega. (mas o que faz sucesso mesmo por aqui é o Team Umizoomi, muito fofo!)

IMG_6344

Lançamentos da MAM: Starter Cup com alças e bico macio de silicone e o original clip (prendedor de chupeta), ambos repaginados. A MAM acertou nesse envio porque perdemos o clip do Leo bem na semana em que esse press kit chegou.

IMG_6290

BabyTub Ofurô: Essa foi uma das coisas mais bacanas que já recebi! Estamos usando há mais de um mês e tem sido muito bom! Gostamos tanto que a antiga banheira no suporte foi aposentada de vez. O BabyTub são banheiras terapêuticas especialmente elaboradas para bebês e crianças de 0 a 4 anos, visando proporcionar um banho calmo e relaxante para os pequenos. Vou fazer uma resenha detalhada para vocês em breve.

IMG_7501

Sonho de Cozinha e Puzzle Mania Letras da Calesita: Eu levei um susto quando o carteiro chegou trazendo uma caixa enorme, porque não estava esperando. A Calesita mandou para nós esses dois brinquedos e no mesmo dia que montamos o pessoalzinho aqui de casa já amou! Os brinquedos têm muita qualidade e são muito bem feitos, mas eu não posso deixar de dizer que: gente, meninos, homens, também cozinham, lavam louça, lavam e passam roupas, fazem bolo e varrem o chão (e se não o fazem, deveriam!). Que tal deixarmos de lado os tons sempre femininos nesses tipos de brinquedos? Seria tão legal e apropriado, sabem? Pensem nisso marcas de brinquedos. Todos serão mais felizes assim, juro para vocês. (esse assunto ainda renderá um post por aqui, tá? prometo).

IMG_6098

Coleção O Fantástico Mundo da Alphabeto: Eu não conhecia essa marca de roupas infantis e achei linda a coleção de inverno toda inspirada em Alice no País das Maravilhas (imagina que eu não ia amar!). O press kit veio em uma bolsa coloridona e linda, que agora uso para levar minha câmera para lá e para cá.

IMG_7187

E essas foram algumas das coisas que chegaram por aqui no mês de março. A ideia é fazer esse post sempre no início de cada mês se vocês gostarem. Me contem nos comentários, tá?

Bom feriado pessoal!

17 abr 2015

Diário de viagem: Gramado & Canela – Aldeia do Papai Noel

Tão bom ver que vocês estão gostando dessa série de posts sobre Gramado :) Foi uma viagem muito especial para mim e fico feliz em estar inspirando tanta gente a conhecer esse lugar maravilhoso também.

Hoje mostro para vocês um passeio que encanta principalmente as crianças, mas que nós também curtimos muito.

O parque histórico de 1940, antes chamado de Parque Knorr, é o único parque natalino aberto o ano todo para visitação, hoje chamado de Aldeia do Papai Noel. Localizada bem no centro de Gramado, tem muitas atrações, muito espaço verde e lugares para serem explorados, como a casa do Papai Noel, a fábrica de brinquedos, o chalé dos ursos, o jardim dos Elfs, o museu de brinquedos, o mirante, a praça da neve, entre outros. Além disso, existem brinquedos como o trenó voador e o monorail que é uma espécie de trem flutuante (cobrados a parte).

Nós chegamos no parque pouco antes do horário de fechamento e por isso tivemos que fazer o passeio com pressa (em cerca de uma hora apenas). Além disso, Leo já estava cansado e o clima esfriando, porque era final de tarde. Para quem for visitar o parque, recomendo umas duas horas ou mais para conhecer tudo com calma.

Eu achei tudo lindo e amei as trilhas espalhadas pelo local. É como um bosque gigante e a atmosfera de Natal deixa tudo ainda mais bacana. Isso que a gente foi numa época não natalina, digamos assim. Fico imaginando isso tudo iluminado, no Natal.

O parque é muito bem cuidado e limpo e a cada esquina tem um senhor barbudo, que provavelmente vira Papai Noel no Natal. Mel achou muito engraçado ver um monte de Papai Noel junto :)

Não temos fotos na fábrica de brinquedos e em outros lugares fechados porque como eu contei lá no início do post, fizemos o passeio com um pouco de pressa, pelo horário de fechamento do parque. Uma pena.

DSC_0855

DSC_0826

DSC_0833

DSC_0676

melanie_aldeia do papai noel_blogvidamaterna

DSC_0679

DSC_0681DSC_0778DSC_0780

DSC_0787

DSC_0801

DSC_0771

DSC_0729

 

IMG_6822

IMG_6835

Uma das partes que eu e a Melanie mais gostamos foi a Praça da Neve. Haviam até mesmo dois cachorros São Bernardo, uma graça.

DSC_0847

DSC_0693DSC_0697

DSC_0710

DSC_0716

DSC_0827

DSC_0837

DSC_0852

O parque funciona nos seguintes horários: de domingo à quinta-feira das 10h as 18h; sextas e sábados: das 10h as 19:30. A bilheteria encerra suas atividades 30 minutos antes do fechamento. (horários retirados do site do parque: www.papainoel.com)

Não me recordo exatamente do valor dos ingressos (e no site não há essa informação), mas acho que pagamos R$20,00 ou R$25,00 cada (eu e Alexandre) para entrar.

Foi um passeio bem legal e Melanie ficou encantada, especialmente com a Praça da Neve e o Jardim dos Elfs. Vale a pena conhecer.

Para ler tudo que já foi postado sobre essa viagem, acesse a tag Gramado & Canela.

15 abr 2015

Reorganizando a casa: playroom para duas crianças de idades diferentes

Várias pessoas, ao ver as fotos dos quartos da Mel e do Leo, me perguntam onde é que ficam os brinquedos deles. E ainda, como eu faço para manter os quartos organizados e livres da bagunça (para quem não viu, os posts estão aqui e aqui).

Hoje, os brinquedos ficam em três lugares diferentes da casa: na sala; na sacada do quarto da Mel, que é onde ela gosta de brincar quando está por lá, e a maioria fica lá em cima, no ático.

Logo que nos mudamos para esta casa, pouco antes do Leo nascer, montamos um espaço para eles bagunçarem a vontade, um cantinho de brincar – que geralmente é chamado de playroom ou kids room em outros países. Fica lá em cima, naquele lugar onde geralmente faço as festas deles, sabem? Na época, era um espaço exclusivo da Mel e das crianças que normalmente frequentam a nossa casa, como os primos ou amiguinhos. Contudo, era um espaço para crianças maiores.

Quando Leo passou a engatinhar, quisemos levá-lo para brincar lá e não demorou muito para percebermos que daquele jeito não daria certo. Não havia como deixá-lo brincando a vontade num lugar cheio de peças pequenas, potes de massinha e acessórios, enfim, brinquedos e itens que poderiam oferecer perigo para um bebê.

A solução, então, foi fazer aquilo que eu estava adiando há tempos: fazer uma faxina daquelas, organizar o que estava fora do lugar, separar alguns brinquedos para doação e deixar o playroom a prova de bebês. Mel me ajudou nessa tarefa e gostei de vê-la empolgada em dividir com outras crianças aquilo com que ela já não brincava mais.

As etapas da organização

1. Peguei algumas caixas de papelão para os brinquedos a serem doados e sacos de lixo para coisas quebradas, papeis e qualquer lixo que estivesse dentro das caixas.

2. Tirei tudo de dentro de cada uma e comecei uma separação no chão mesmo, por tipos: bonecas(os), fantoches e bichos de pelúcia, bolas grandes e pequenas, massinha e acessórios, jogos de montar e de encaixe, fantasias, chapéus e afins, carrinhos e trenzinhos, instrumentos musicais, coisinhas de faz de conta tipo comidinhas, etc. Foi a parte mais trabalhosa porque eu andava de um lado para o outro, as coisas caíam das minhas mãos quando eu teimava em carregar mais do que deveria, enfim, bem hilário (e cansativo).

3. Separei coisas que a Melanie gostava de brincar mas que não poderiam mais ficar no playroom, por oferecerem perigo ao Leo. Coisas como pulseirinhas, colares, bijus, peças muito pequenas, sapatinhos das bonecas e assim por diante. Essas coisas seguiram em uma caixinha para o quarto dela e estão numa gaveta agora.

4. Deixei as caixas que continham itens que Leo ainda não podia brincar todas fechadas com a trava. Elas são difíceis de abrir quando travadas, ou seja, mesmo que uma criança maior quisesse abri-las, precisaria de ajuda. Assim não corríamos o risco da Mel abrir e o irmão acabar fazendo a festa.

5. Na mesinha que a Mel normalmente usa para desenhar, deixei a mão apenas aqueles lápis mais grossos e rústicos, de madeira. Gizes de cera e lápis menores foram guardados em uma lata com tampa, dessas de leite em pó. Canetinhas e canetas foram todas separadas e também foram guardadas no quarto dela.

Nós já trocamos o cantinho de brincar de lugar duas vezes. Originalmente ele ficava no outro canto (nesse aqui), mas acabamos colocando o sofá no lugar, para a festa de quatro anos da Mel e gostamos da disposição. Não garanto que a gente não mude outra vez, porque tudo lá em cima ainda está por fazer. Além disso, como uso o espaço para as festinhas deles, gosto de poder trabalhar em um espaço livre de móveis, com tudo adaptável.

A foto abaixo foi tirada durante a organização, que aconteceu no dia 6 de dezembro do ano passado. A primeira coisa foi montar o tatame (esse é daquele mais grosso) para depois começar a distribuir as coisas ao redor dele.

playroom_organização

DSC_0520

Depois da organização, as coisas ficaram assim (com o novo pequeno explorador ali no meio):

DSC_0526

Faltou etiquetar as caixas (estou esperando comprar minha rotuladora). Acredito que dessa forma ficará mais fácil ainda identificar o que há dentro de cada uma. Alguns brinquedos ficaram para fora, só para dar um charme. A caixa com as massinhas, por exemplo, que é algo que Leo ainda não pode brincar, fica fechada com a trava. As demais ficam com a tampa somente encostada, os pequenos podem abrir normalmente.

Se eles bagunçam tudo? Claro que sim! Crianças são crianças e nem em sonho eu achei que as coisas ficariam assim arrumadinhas para sempre. Bagunça é sinal de vida e já me acostumei com isso. De tempos em tempos a gente faz uma força tarefa e organiza o que estiver muito bagunçado, sem stress.

DSC_0536

Deixei uma caixa só com brinquedos adequados a faixa etária do Leo, essa com o ursinho panda dentro. Assim fica mais prático quando ele sobe conosco para brincar. Às vezes dou somente alguns brinquedos e em outras deixo que ele se divirta revirando a caixa toda. Ele adora tirar tudo e colocar de volta. Ou entrar lá dentro.

DSC_0537

DSC_0534

DSC_0535DSC_0538

Na foto abaixo, Leo estava em sua primeira aventura livre no ático, com pouco mais de 1 ano.

DSC_0522E assim todos ficaram felizes. Leo por poder explorar a vontade o espaço, Mel por agora contar com a companhia do irmão para as estripulias, as crianças que receberam os brinquedos que doamos e eu, que finalmente coloquei ordem na bagunça que estava me incomodando.

As caixas organizadoras nós compramos na Leroy Merlin. As menores e coloridas são da Ordene e as maiores transparentes são da Sanremo. As placas de EVA (tatame) tem 1mx1m cada e foram compradas em lojas especializadas aqui de Curitiba, mas não me recordo do nome. Sei que tem em lojas de esportes, na casa do borracheiro e em lojas diversas na Dr. Muricy.

E por agora as coisas estão assim. Talvez eu coloque uns quadros ou gravuras nas parades, quem sabe até um papel de parede. Veremos.

E vocês? Como organizam os brinquedos das crianças?